Os 11 guitarristas que moldaram o som de Vito Bratta

Músico citou referências que vão dos anos 1960 até o auge dos shredders, com os quais pôde conviver profissionalmente

O guitarrista Vito Bratta teve uma curta carreira com o White Lion. A banda se desfez após ter lançado quatro discos. Porém, foi o suficiente para que ele seja lembrado como um dos grandes nomes de sua geração, dotado de uma técnica que influenciou não apenas seus pares de estilo, como até mesmo músicos de outros subgêneros do rock.

Como todo mundo, teve referências que o ajudaram a se desenvolver. Em artigo à Guitar World, 11 nomes foram citados. São eles:

- Advertisement -

1. Eric Clapton: “Ele não foi o mais influente para mim – falaremos disso mais tarde – mas foi o primeiro. Aquele som de uma Gibson sendo plugada em um Marshall escurecido em volume 10 realmente ficou marcado em mim desde tenra idade por causa dele. Se eu não tivesse ouvido isso, teria acabado mais como Glen Campbell, em termos de estilo. Naquela época, eu não tinha educação suficiente para reconhecer: ‘Ok, isso são escalas e isso ou aquilo, ou sei lá o quê’. Eu era muito jovem. Então, fiquei totalmente impressionado com a velocidade absoluta de Clapton. Nos anos 60, o que Clapton estava fazendo em Crossroads era ‘shred’. Ninguém mais fazia isso naquela época e obviamente teve um impacto sobre mim a partir daí. Foi isso que me fez pensar: ‘Quero ser um guitarrista de rock’. Caso contrário, eu teria sido Glen Campbell ou Roy Clark [risos].”

2. Leslie West: “Eu não tinha muito dinheiro para discos e coisas assim enquanto crescia, então, por um tempo, era tudo Clapton e nada mais. Mas, eventualmente, comecei a entrar em outras músicas através do rádio e outras coisas. Agora, você deve se lembrar que naquela época não havia ‘heavy metal’. Havia coisas que pareciam muito pesadas e acho que poderiam ser consideradas precursoras do metal, mas não havia muito desse tipo de coisa acontecendo. Mas quando ouvi ‘Mississippi Queen’ no rádio e o que Leslie West estava fazendo, de repente, as coisas mudaram do que Clapton estava fazendo para West absolutamente destruindo essas linhas de blues de maneira insanamente pesada. Ele mudou tudo para mim novamente.”

3. Jimmy Page: “Lembra como eu disse que chegaríamos à pessoa que mais me influenciou mais tarde? Bom, é agora [risos]. A influência número um da minha vida é sem dúvida Jimmy Page. Quando eu ouvi esse cara tocar violão, cara, foi como se tudo me batesse de uma vez. Mas eu me lembro de estar especialmente apaixonado por como ele misturava as partes do violão com o elétrico. Seu fraseado era diferente de tudo que eu já tinha ouvido no rock, ponto final. Ouça novamente ‘The Song Remains the Same’ e me diga quem mais estava fazendo isso? Ninguém estava.”

4. Jimi Hendrix: “Depois que Jimmy Page me despertou, eu entrei no Jimi Hendrix. Ouvi o disco ‘Electric Ladyland’ várias vezes. Mas é engraçado, Hendrix era todo complementar naquela época e era apenas uma continuação do que eu encontrei com Jimmy Page e Zeppelin. Amo Hendrix. Sua combinação Stratocaster e Marshall me influenciou mais tarde nos anos 80, mas nada do que ele fez jamais substituiria Page por mim. Então, Hendrix não substituiu Page, ele complementou isso para mim por meio de um som e vibração totalmente diferentes.”

5. Jeff Beck: “Eu definitivamente tenho que ir com Jeff Beck agora. Quer dizer… ‘Blow by Blow’ e ‘Wired’? Esses álbuns eram incríveis quando foram lançados. Eu gostava muito deles e os tocava constantemente nos anos 70. Eu ouvi Beck e deixei de querer ser um cara do rock mais direto para ir mais longe no que se tornaria conhecido como jazz-fusion. Mas sempre me lembrarei da luta que tive para descobrir caras como ele, porque realmente tive que pesquisar e encontrar maneiras de ouvir essas coisas. Mais uma vez, não tínhamos muito dinheiro e eu não podia simplesmente sair e comprar o que quisesse. Tinha que ir às bancas e dar uma olhada nas revistas para descobrir quais eram as novidades.”

6. Robin Trower: “As pessoas provavelmente não suspeitariam disso, já que eu não tocava muito blues com o White Lion, mas Robin Trower teve uma grande influência sobre mim. Muita gente vai te dizer que, além de Gary Moore, Robin Trower foi um dos caras mais agressivos do blues por aí. Mas o que mais me atraiu foi que ele continuou a coisa de Hendrix depois que Hendrix se foi. Ele tinha toda a coisa de plugar e esquecer, levando talvez a uma versão mais moderna de Hendrix. Mesmo que eu não tenha feito esse tipo de música com o White Lion, significou muito para mim.”

Leia também:  O surpreendente álbum que fez Fernanda Lira se apaixonar por rock

7. Peter Frampton: “Eu era um cara de hard rock e metal, então você pode se perguntar como Frampton me influenciou. E a melhor maneira de dizer isso é: aqui está uma Les Paul, aqui está um Marshall, e ele é um dos músicos mais melódicos que já pegou uma guitarra. O uso da melodia por Frampton foi simplesmente inacreditável, ele realmente mudou minha vida completamente. No segundo em que o conheci foi quando me tornei um guitarrista mais melódico. E você definitivamente pode ouvir isso nas minhas coisas do White Lion. Seus solos eram estranhos e meio fora do normal, com uma visão muito avançada.”

8. Eddie Van Halen: “Esse foi o cara que ensinou tudo sobre técnica. Como muitas crianças ao meu redor naquela época, eu costumava sentar no meu quarto e praticar por horas. Trabalhava para silenciar minhas cordas, para não acordar ninguém, e então li que ele disse que fez a mesma coisa, então eu pensei, ‘OK, esse cara é legal.’ Mas tirando isso, era apenas a técnica pura que Eddie tinha. Ele me forçou a dizer a mim mesmo: ‘Como posso elevar minha técnica?’ E lembre-se, eu era um jovem guitarrista e ouvia muitas das mesmas escalas pentatônicas e coisas assim.”

9. K.K. Downing: “Muitas pessoas pensam que tirei a maior parte do meu estilo e som de Eddie Van Halen, mas a verdade é que tirei muito mais de K.K. Downing do que Eddie de várias maneiras. A maneira como K.K. usa sua barra de trêmolo é completa e totalmente só dele. O que fez em músicas como ‘Victim of Changes’, seu visual enquanto segurava aquela Stratocaster branca era simplesmente incrível. Adorava a maneira como ele se movia pelo palco.”

10. Randy Rhoads: “Já que falamos de Eddie, agora é um bom momento para deixar isso claro: ele e Randy eram completamente diferentes. Sei que muita gente os compara, mas nunca fez muito sentido para mim. Randy era tão diferente de Eddie porque Randy tinha toda aquela coisa clássica, sabe? Nesse sentido, éramos muito parecidos. Não estou dizendo que era tão bom, melhor ou o que quer que seja comparado a Randy Rhoads. Como éramos parecidos está em nossa mentalidade em relação ao violão e à música.

Eu me identifiquei com Randy porque uma vez ele disse em uma entrevista que queria parar de tocar com Ozzy e ir estudar violão clássico. E, para ser sincero, fui eu em poucas palavras. Rock é minha base; tudo começa aí para mim, e me aventuro quando me apetece. Mas sou basicamente um nerd da guitarra clássica que tocou em uma banda de rock. Então, quando ouvi o que Randy disse, pensei, ‘Sim. Eu definitivamente poderia fazer isso ‘, e finalmente fiz.”

11. Yngwie Malmsteen: “Yngwie Malmsteen me tirou da fase de só ouvir Van Halen. Quanto ao estilo, não me afetou tanto. Acho que foi mais o visual dele, e o uso de uma Strat esbranquiçada com Floyd Rose que me identifiquei quando apareceu.”

Sobre Vito Bratta

Vito Bratta se afastou da indústria musical em 1994. Nas poucas aparições públicas que fez desde então, citou desilusões com o aspecto mercadológico da profissão, além do desgaste emocional que sofreu com a morte do pai após uma doença de longa duração não especificada.

Não toca profissionalmente desde 1997, quando foi forçado a se aposentar por conta de uma lesão no pulso direito. Mora em Staten Island, no estado americano de Nova York e raramente faz aparições públicas.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesOs 11 guitarristas que moldaram o som de Vito Bratta
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

1 COMENTÁRIO

  1. musica maravilhoso de uma das bandas mais criminalmente subestimadas da história, assim como seus musicos, saudades deste cara na cena, faz muita falta

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades