Por que o Evanescence foi “contracultura” em “Fallen”, segundo Amy Lee

Duas décadas após o lançamento do aclamado álbum de estreia, cantora destaca cumplicidade dos fãs que seguem abraçando as diferenças

Nos anos 2000, o pop se consolidou de vez como gênero dominante na indústria fonográfica e tomou conta da mídia e das paradas mundiais. O sucesso de artistas como Britney Spears e Christina Aguilera, bem como as boybands, estabeleceu tal hegemonia. Em meio a esse cenário cultural, o Evanescence prosperou com o lançamento de um dos álbuns de rock alternativo mais aclamados e mais vendidos do século 21. 

Com “Fallen”, estreia lançada em 4 de março de 2003, o grupo superou as amarras mercadológicas. De certa forma, levou ao mainstream uma proposta contracultural de sonoridade e estilo — que, vale destacar, já vinha sendo reforçada por outras bandas de nu metal.

- Advertisement -

Esta é a visão de Amy Lee, que, em entrevista ao site American Songwriter, refletiu sobre a aceitação do público e dos fãs perante o diferencial da banda. A vocalista comentou:

“Estávamos no topo, e tudo, mas não era por sermos os descolados. Era por sermos os diferentes. Acho que há uma cultura de família muito unida e bonita com nossos fãs, que tem a ver com sermos o azarão e abraçar a diferença, abraçar a dor e escolher continuar sendo exatamente quem você é.”

Duas décadas após o lançamento do trabalho, a líder do grupo falou sobre a sensação de continuar compartilhando com os fãs a trajetória e evolução do Evanescence. Ela afirma:

“É um prazer poder compartilhar nossa música que está por aí há muito tempo com as pessoas, assim como as novas músicas que falam mais sobre quem somos hoje. Parece uma grande volta para casa. Cada show parece uma grande celebração da vida e de tudo o que todos na plateia vimos e passamos juntos.”

Leia também:  Gene Simmons diz ganhar mais por show com banda solo do que com Kiss

Evanescence e “Fallen”

Lançado em 4 de março de 2003, pela gravadora Wind-up Records, “Fallen” representa o maior sucesso de vendas da carreira do Evanescence. Com mais de 17 milhões de cópias vendidas pelo mundo, o álbum recebeu cinco indicações ao Grammy 2004, tendo vencido as categorias “Melhor Performance de Hard Rock” e “Melhor Artista Revelação”.

Em dezembro de 2022 a Recording Industry Association of America (RIAA), órgão regulador das vendas de músicas nos Estados Unidos em seus diversos formatos, certificou “Fallen” com disco de diamante. A premiação é destinada a trabalhos que ultrapassam 10 milhões de cópias vendidas no país.

Liderado pelo single “Bring Me to Life”, que também apareceu na trilha sonora do filme “Daredevil” (“Demolidor – O Homem sem Medo” no Brasil), o álbum rendeu mais três singles de sucesso: “Going Under”, “My Immortal” e “Everybody’s Fool”.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que o Evanescence foi “contracultura” em “Fallen”, segundo Amy Lee
Tairine Martins
Tairine Martinshttps://www.youtube.com/channel/UC3Rav8j4-jfEoXejtX2DMYw
Tairine Martins é estudante de jornalismo na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Administra o canal do YouTube Rock N' Roll TV desde abril de 2021. Instagram: @tairine.m

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades