O caos que era integrar o Guns N’ Roses no início dos anos 2000, segundo Brain

Apesar das incertezas a cada noite, baterista revela que se divertia com os surtos de Axl Rose

O baterista Bryan “Brain” Mantia foi um dos vários membros do Guns N’ Roses no período em que Axl Rose transformou a banda quase em uma porta giratória de hotel, tamanha a circulação de pessoas.

Mesmo assim, o instrumentista conseguiu permanecer por 6 anos na formação, entre 2000 e 2006. Até mesmo gravou o disco “Chinese Democracy”, substituindo as partes de Josh Freese, seu antecessor.

Em entrevista à Rolling Stone, o músico compartilhou suas memórias do período. Inicialmente, confessou ter aceitado o emprego pela admiração ao líder da empreitada.

“Não era tão fã da música, gostava mesmo era de Axl e sua vibe. Assisti aquele vídeo em que ele pula na plateia para arrancar a câmera de um cara e achei ele f*da. Foi essa aura meio Led Zeppelin que me fez querer entrar.”

Brain recordou especialmente a turnê de 2002. Em vez de mostrar que o Guns N’ Roses estava em uma nova fase, Axl decidiu irritar todo mundo ainda mais, com os tradicionais atrasos e shows cancelados.

“Todo mundo pirava: ‘Oh meu Deus. Axl está duas horas atrasado!’ Eu ficava sentado no camarim, tomando sorvete e pensando: ‘Quem se importa? Talvez nem toquemos! Isso é ainda melhor! Desde que o dinheiro chegue, quem se importa?’ Em um dia ele era brilhante, no outro surtava em pleno palco. Eu adorava isso. Você nunca sabe o que ia acontecer. Tivemos alguns dos melhores e piores shows. Era uma montanha russa. O caos reinava.”

Gravações de “Chinese Democracy”

Mas se engana quem está lendo e pensa que a maior sensação de ser um rockstar ocorria na estrada. As gravações de “Chinese Democracy” levaram as extravagâncias a outro patamar, de acordo com Brain.

“Acho que tenho o recorde de bateria montado por mais tempo no estúdio The Village, em Los Angeles. Foi onde eles fizeram ‘Tusk’ e outros álbuns do Fleetwood Mac. O kit permaneceu lá por cerca de quatro anos, pronto para a hora que precisasse tocar. Eu fiz a turnê de Tom Waits para o disco ‘Real Gone’ no meio tempo, só esperando a hora que me ligassem.

Eu adorava o fato de estar no Guns e poder fazer outras coisas, como ter aulas de golfe todos os dias. Também pude aprender sobre computadores, programação, orquestração e teoria musical. E então, do nada, vinha um telefonema: ‘Ei, Axl precisa de você.’ Era o mais próximo que ia chegar do Zeppelin. Faria isso para sempre.”

Guns N’ Roses e Bryan “Brain” Mantia

Brain tocou em quase todas as músicas de “Chinese Democracy”. A única exceção é a faixa-título, gravada por Frank Ferrer, que é o titular das baquetas até hoje.

Apesar das polêmicas e críticas negativas em relação à sonoridade, o trabalho vendeu mais de 3 milhões de cópias em todo o mundo. Além disso, chegou ao número 1 nas paradas de oito países.

O trabalho mais recente de Mantia foi com a tecladista do Guns N’ Roses, Melissa Reese. A dupla fez a trilha do game “Cyberpunk 2077”, que saiu para computadores, além de plataformas PlayStation e Xbox.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

1 comentário
  1. Gosto muito de Guns…fez parte da minha educação rockeira, os clássicos é que marcaram mesmo em termos de tudo!!!! Na época desse rock in rio 2001, marcou muito…lembro da galera usando video cassete para gravar o show, eu ainda tinha um video cassete da Philips!!!! Cheguei a ouvir o Chinese Democracy na íntegra, parece mesmo um trabalho solo de Axl, não tinha mais aquele feeling…são outros tempos, fato!!!! Saudade dessa época dos anos 90 até 2001, valeu!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
18
Share