Por que o System of a Down não faz mais turnês, segundo Serj Tankian

Vocalista garante que, apesar das diferenças de pensamentos, o respeito entre os músicos se mantém

Apesar de ainda existir de forma oficial, o System of a Down não é mais uma banda em tempo integral. Recentemente, o quarteto se reuniu para um show no festival Sick New World, em Las Vegas. O momento foi um reencontro esporádico para uma carreira que não tem previsão de ser retomada.

­

- Advertisement -

O relacionamento desconexo entre os integrantes do grupo não é segredo, já tendo gerado até mesmo rusgas públicas. No entanto, Serj Tankian garante que o respeito existe e nunca mudou.

Disse o vocalista ao canal do YouTube Live Signing, conforme transcrição do Blabbermouth:

“Uma coisa que procuro esclarecer é que, apesar de algumas de nossas diferenças criativas, o que aconteceu ao longo dos anos – o que é bastante normal dentro de uma banda -. as divergências de composição, temática e direção e todas essas coisas, temos imenso respeito uns pelos outros. Acabamos de fazer o show em Las Vegas e nos divertimos muito. A vida é complicada, com seus relacionamentos e parcerias. Nada funciona perfeitamente. Mas há uma certa coisa especial, um vínculo no System of a Down que nunca poderei replicar em outro lugar.”

Serj Tankian e o fim das turnês

Questionado sobre a possibilidade de a banda retomar atividades de forma mais prolongada, Tankian optou pela honestidade, sem alimentar esperanças.

“Adoro me apresentar, mas quanto a turnês longas… Acho que quando você faz uma turnê longa, não é apenas fisicamente exaustivo, mas é artisticamente redundante depois de um tempo, repetindo a mesma coisa. Prefiro eventos especiais, ocasiões especiais. Não podemos fazê-los em todos os lugares. Também tive alguns problemas nas costas, passei por cirurgias e tratamentos que estavam me impedindo de performar. Estou muito melhor agora, me exercito, então muita coisa já foi resolvida. Quanto a fazer uma turnê, estou aberto a analisar, mas não muito entusiasmado. Prefiro me concentrar em algumas datas específicas.”

A fala compactua com outra proferida à edição de novembro do ano passado da revista Revolver. À época, Serj falou:

Leia também:  A opinião que Raul Seixas tinha sobre os Paralamas do Sucesso

“Minhas costas estão muito melhores, o que é legal. Tenho outras coisas com as quais estou lidando agora, que podem ou não ser afetadas por viagens ou turnês. Mas não foi uma decisão relacionada apenas à saúde, no que diz respeito a reduzir as turnês. Foi uma opção de estilo de vida, baseado na família e na visão pessoal das coisas. Estou em turnê há cerca de 20 anos, intermitentemente, é claro. Não todos os anos. É divertido, é lucrativo, deixa muita gente feliz em termos de estar lá e compartilhar a música, ver a reação e as pessoas realmente gostando, você recebe esse feedback. Mas depois de anos fazendo isso e das viagens envolvidas, é uma daquelas coisas que não é mais a principal prioridade na minha lista na vida.”

A seguir, o frontman foi convidado a refletir sobre o quanto estar na estrada o tira do contato com o mundo privado, especialmente seu filho.

“Você poderia levar a família junto se estivesse fazendo um pequeno passeio, eu acho. E isso é algo que fizemos quando nosso filho era muito pequeno. Mas é apenas uma questão de priorizar a vida e o que você realmente quer fazer. Algumas pessoas gostam de fazer turnê até que estejam prontas para sair deste avião, mas não é assim que me vejo. Para mim, fazer coisas diferentes de forma comedida me permite ser mais criativo do que pegar algo repetitivo e fazê-lo por um longo período. E isso inclui tudo o que faço.”

System of a Down atualmente

“Mezmerize” e “Hypnotize”, dois trabalhos de estúdio mais recentes do System of a Down, saíram em 2005. Após a turnê de divulgação, o grupo entrou em um hiato rompido seis anos depois. Desde então, o quarteto vem realizando apenas excursões esporádicas.

Leia também:  Como Carmine Appice e baixista da Vixen passaram a vender imóveis

Em novembro de 2020 a banda lançou as músicas “Protect the Land” e “Genocidal Humanoidz”. As faixas foram motivadas pelo conflito entre Artsakh e Azerbaijão, com todos os rendimentos sendo revertidos aos esforços humanitários na Armênia, terra natal dos ancestrais dos músicos. Junto com outras doações de fãs em suas páginas nas redes sociais, eles arrecadaram mais de US$ 600 mil.

Serj Tankian lança seu livro de memórias “Down With The System” dia 14 de maio. A publicação nos países de língua inglesa ficará a cargo da editora Hachette Books.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasPor que o System of a Down não faz mais turnês, segundo...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades