Membros atuais e antigos do H.E.A.T mergulham no power metal em estreia do New Horizon

Erik Grönwall, ex-vocalista da conhecida banda de hard rock, e Jona Tee, tecladista que segue no grupo, se uniram em novo projeto

A linha que separa o hard rock do heavy metal é ainda mais fina que o habitual na Suécia. O vocalista Erik Grönwall é prova disso. Ele despontou na versão local do “Idol” (“Ídolos” no Brasil), competição musical, interpretando músicas do Iron Maiden, assim como Queen, Skid Row e Kiss, só para ficar em alguns. A fama o levou ao H.E.A.T, grupo que estava em ascensão e se mantém até hoje como um dos principais no segmento do melodic rock em todo o planeta. Foram quatro álbuns de estúdio até sua saída, em 2020.

Logo a seguir, Erik passou pelo maior desafio da vida, ao ter que encarar o tratamento contra um câncer linfático. Após concluída essa etapa, decidiu retomar a carreira com um novo projeto voltado ao power metal.

Assim nasceu o New Horizon, que conta com Jona Tee, tecladista do H.E.A.T, como outro membro fixo. “Gate of the Gods”, álbum de estreia que chega pela Frontiers Records, ainda traz participações de nomes como Robban Bäck (Mustasch), Sam Totman (DragonForce), Love Magnusson (Dynazty), Dave Dalone (H.E.A.T), Niko Vuorela (Temple Balls) e Laucha Figueroa.

O comunicado de imprensa cita influências de nomes como Iron Maiden, Helloween, Hammerfall, Manowar e Edguy, entre outros. Jona descreve o projeto como uma mistura entre o power clássico e o heavy metal com um toque do século 21. Erik exaltou a manutenção da parceria com o amigo.

“Pareceu natural continuar trabalhando juntos. Fizemos turnês por quase todo o mundo e lançamos músicas em união por mais de uma década. Jona é realmente como meu irmão de sangue. O New Horizon será o catalisador para lançarmos um ótimo metal juntos e nos divertirmos.”

A primeira observação necessária aos fãs é que não devem esperar muitas referências ao H.E.A.T por aqui. O New Horizon não apenas é mais pesado, mas também conta com arranjos elaborados e, por consequência, canções mais longas – mais da metade ultrapassa 5 minutos de duração – e intrincadas. Os apreciadores da proposta embarcarão em uma viagem que começa nos anos 1980 e chega até décadas mais recentes, quando o estilo aqui proposto tinha bastante relevância nos cenários europeu, asiático e sul-americano.

Obviamente, dado o fato de o grupo ter um tecladista como uma das figuras principais, há uma maior participação do instrumento atuando em sincronia com as guitarras. Mas o principal destaque vai mesmo para Grönwall, que explora regiões de sua voz que não apareciam anteriormente e mostra entender do riscado.

Faixas como “We Unite”, “Stronger Than Steel”, “Stardust” e “Fearless” farão a alegria de quem gosta de sonoridades épicas e melodias que se parecem com verdadeiros gritos de guerra.

“Gate of the Gods” não traz grandes novidades, mas reúne todas aquelas características que os ouvintes tanto gostam no subgênero praticado. Vale ressaltar que Jona Tee segue com o H.E.A.T, que já prepara o disco que marca o retorno de Kenny Leckremo, vocalista dos dois primeiros álbuns da banda. Ao mesmo tempo, que o New Horizon sirva como um recomeço para Erik Grönwall, que passou por momentos difíceis na vida pessoal. E que venha um segundo play assim que possível.

Ouça “Gate of the Gods” a seguir, via Spotify, ou clique aqui para conferir em outras plataformas digitais.

O single está na playlist de lançamentos do site, atualizada semanalmente com as melhores novidades do rock e metal. Siga e dê o play!

New Horizon – “Gate of the Gods”

  1. A New Horizon (Intro)
  2. We Unite
  3. Stronger Than Steel
  4. Cry for Freedom
  5. Call of the Underground
  6. Stardust
  7. Event Horizon
  8. The End Of All
  9. Fearless
  10. Gate of the Gods

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
1
Share