10 músicas onde os Rolling Stones abordam Deus e a espiritualidade

Várias canções da carreira da banda contam com influências líricas e melódicas oriundas do gospel

O gospel foi uma das raízes do que veio a ser conhecido como rock and roll. Rosetta Tharpe não era chamada de Sister por outro motivo. Little Richard conciliava a figura extravagante e histriônica com uma fé profunda, tendo sido ministro até o fim de seus dias. Há várias outras ligações que dariam mais de um outro texto para detalharmos. O fato é que, independente de sua crença, a ligação existe e não há nada que você, o Papa ou sua tia-avó crente possam fazer contra. Sendo assim, não é de se estranhar as várias menções a Deus e espiritualidade na obra dos Rolling Stones.

Em 2019, o fansite Mick and the Boys compilou 10 momentos de fervor religioso na discografia do grupo que representa o estilo mais popular do planeta há seis décadas. Os textos são de Frank Hamedl e não representam necessariamente a nossa convicção sobre as perspectivas abordadas. Estamos apenas traduzindo o conteúdo.

- Advertisement -

10 músicas onde os Rolling Stones abordam Deus e a espiritualidade

10. “Let it Loose” – do álbum Exile on Main St.: “Durante a era Exile, os Rolling Stones estavam no auge de seu mergulho no gospel/soul sulista. Mick Jagger ficou inspirado depois de assistir aos cultos do reverendo James Cleveland e esta faixa certamente pode retratar isso. ‘Let it Loose’ é uma balada sentimental blues gospel que tem um poderoso sentimento de igreja. Nos primeiros segundos, o riff de guitarra fantasmagórico e misterioso de Keith transporta você para um momento de quietude. Embora a música seja, em última análise, sobre um relacionamento que sem dúvida terminará em breve em devastação, o coral gospel cria uma sensação de clamor ao Senhor. Essa música pode ser uma das melhores conquistas vocais de Mick (alcançada por volta de 1:27, 1:55, 3:17, 4:33), pois você pode ouvir o sofrimento em sua voz e sua libertação da dor e do fim. ‘Let it Loose’ mostra a dor emocional de um relacionamento fracassado e da solidão. Continua sendo uma das canções mais atraentes e calmantes dos Stones, que pode facilmente relaxar a alma.”

9. “Salt of the Earth” – Beggar’s Banquet: “‘Salt of the Earth’ é uma das primeiras incursões da banda no gospel. Apresenta uma bela alma do Watts Street Gospel Choir (sem relação com Charlie Watts) e trata de respeitar as pessoas que trabalham duro e que nem sempre são apreciadas. Mateus 5:13 vem rapidamente à mente: ‘Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor salgado, como poderá tornar-se salgado novamente?’ A música certamente homenageia esta citação; e é interessante porque o versículo 16 do capítulo afirma que ‘Da mesma forma, deixe sua luz brilhar diante dos outros’, uma referência à música dos Rolling Stones, ‘Shine a Light’, na qual nos aprofundaremos em breve. Essa música nos lembra a importância da oração e de rezar sempre pelos outros, inclusive pelo sal da terra.”

8. “Worried About You” – Tattoo You: “Um tema comum na vida que todos experimentam é a preocupação. ‘Worried About You’ ecoa isso através da preocupação com uma garota, através do impacto emocional de ser deixado para trás. Mick canta com uma voz em falsete que cria uma performance comovente, capturando uma postura na vida onde nos sentimos preocupados, perdidos e cheios de ansiedade. Curiosamente, Mick clama ao Senhor inúmeras vezes. À medida que a música avança, a atitude parece mudar: se preocupar com o motivo de sua garota ter ido embora e passar a ter fé no Senhor. Ele ainda se sente perdido, mas passa a se preocupar com o bem-estar físico dela e com a confiança de que tudo vai dar certo (‘Preocupado com você, querida… tenho certeza que vou encontrar aquela garota algum dia’). Todos nos sentimos perdidos às vezes, mas com confiança nossos caminhos se tornarão retos.”

7. “Winter” – Goats Head Soup: “Uma das canções mais dominantemente soul após ‘Exile on Main St.’ A letra pinta um retrato de um inverno rigoroso na vida e parece otimista para as próximas temporadas. ‘Com certeza foi um inverno muito, muito frio, Senhor; Meus pés estão se arrastando pelo chão; E espero que seja um verão longo e quente; E muito amor esteja brilhando.’ Através de sua performance vocal contundente, Mick retrata verdadeiramente essa sensação de alma, até mesmo fungando como se estivesse resfriado ou evitando chorar devido à dor (às 00:53, 1:49, 4:51). Mick ainda apresenta referências religiosas, clamando a Deus inúmeras vezes. A 2:21, ele soluça ‘Tenho queimado meu sino, livro e vela’ – observando a excomunhão dos cristãos latinos e a ida para o exílio. (O mais interessante é que esta referência ocorre logo após as sessões de ‘Exile on Main St.’) ‘Winter’ descreve um inverno físico difícil, bem como uma alusão a épocas difíceis ou provações na vida. Somos lembrados de que mesmo que estejamos em uma época sombria e difícil, sempre há esperança de que nossa próxima temporada seja brilhante e cheia de amor.”

6. “You Gotta Move” – Sticky Fingers: “Ao longo dos anos, os Rolling Stones fizeram covers de inúmeros blues e ‘You Gotta Move’ pode ser um dos mais fascinantes. A origem da canção remonta à década de 1940 como um hino espiritual afro-americano sobre Deus estar no controle do destino de todos. Com inúmeras interpretações, a versão dos Stones foi mais inspirada pelo bluesman Mississippi Fred McDowell, com a letra focando principalmente no fato de que não importa onde você esteja na vida, Deus está no controle e você deve segui-Lo.”

5. “I Just Want to See His Face” – Exile on Main St.: “​​Outra faixa gospel da era Exile, ‘I Just Want to See His Face’ começou originalmente como uma jam e se tornou uma incrível música gospel blues. Embora se concentre principalmente no lado instrumental, a letra mostra alguém deprimido, que quer ser amado e quer ver e experimentar a presença de Jesus (mais do que apenas falar, mas realmente ver). A música pode ser melhor descrita pelo músico Bill Janovitz em uma frase: ‘Parece antiga e de outro planeta; uma música gospel pantanosa e pesada que foi gravada para soar intencionalmente como se fosse um documento de gravação de campo de um porão de uma igreja antiga. Uma reunião de avivamento’.”

4. “Far Away Eyes” – Some Girls: “Inspirada na música country-western da Califórnia Bakersfield dos anos 1950, ‘Far Away Eyes’ é facilmente uma das melhores canções country já gravadas, mesmo com seu tom sarcástico. Retrata lidar com a solidão da vida dirigindo sozinho, ouvindo rádio enquanto louva a Deus e pensando nas possibilidades de encontrar o amor verdadeiro: ‘Eu estava voltando para casa na manhã de domingo por Bakersfield, ouvindo música gospel na estação de rádio negra… E o pregador disse: Você sabe que sempre tem o Senhor ao seu lado. Fiquei tão satisfeito em ser informado disso que atravessei vinte sinais vermelhos em sua homenagem. Essa música sertaneja nos ensina que se confiarmos em Deus tudo dará certo, pois haverá um período de bênçãos depois do nosso tempo de solidão e espera.

Eventualmente, a esperança e a fidelidade de Deus são mostradas com um final positivo: ‘Bem, o pregador continuou dizendo que tudo que eu precisava fazer era enviar dez dólares para a igreja do sagrado coração sangrento de Jesus, localizada em algum lugar em Los Angeles, Califórnia. E na semana seguinte eles fariam minha oração no rádio e todos os meus sonhos se tornariam realidade. Foi o que fiz. Na semana seguinte, recebi uma oração com uma garota’.”

3. “Saint of Me” – Bridges to Babylon: “Uma das canções mais religiosas do catálogo dos Rolling Stones, apresentando muitas histórias e temas bíblicos. Incluída está a morte de João Batista (Mateus 14, 1-12) e referências à conversão ao cristianismo após encontros com Deus: ‘São Paulo, o perseguidor, era um homem cruel e pecador. Jesus o acertou com uma luz cegante e a vida começou’ (extraído de Atos 9:1-19). Infelizmente, Mick admite que o mesmo não acontecerá com ele (‘E eu acredito em milagres e quero salvar minha alma. E sei que sou um pecador, vou morrer aqui no frio… Você nunca fará de mim um santo’.) Independentemente disso, Mick certamente fez muitas pesquisas para essa música.”

2. “You Can’t Always Get What You Want” – Let it Bleed: “Contando com o famoso London Bach Choir, ‘You Can’t Always Get What You Want’ é uma adaptação perfeita ao gênero gospel. A atmosfera musical criada pela música é certamente uma das mais espirituais, suaves e gratificantes já gravadas. Embora a letra trate de temas sobre amor, rebelião e drogas, há um significado maior e uma importante lição de vida aqui. Muitas vezes na vida, não conseguimos o que nossa carne deseja no mundo físico. No entanto, Deus sempre nos fornecerá o que realmente precisamos, mesmo quando não percebermos que precisamos.”

1. “Shine a Light” – Exile on Main St.: “Finalizando esta lista está ‘Shine a Light’, escrito sobre a queda e em memória ao fundador dos Rolling Stones, Brian Jones. Aqui, Brian está finalmente em paz ao ser elevado ao céu enquanto Deus brilha sua luz infame: ‘Com sorrisos em seus rostos e um brilho direto em seus olhos. Uau, pensei ter ouvido um suspiro por você, suba, venha agora’. Como muitas canções da era Exile, esta foi inspirada no gospel e na música espiritual. O andamento foi habilmente projetado para mudar várias vezes; começando quieto e lento, tornando-se mais otimista com o coro durante o refrão, quando ‘subimos’ à presença de Deus. Alguns versículos da Bíblia mencionam a luz de Deus, incluindo Números 6:24-25 (‘O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti’) e Mateus 5:16 (‘Da mesma forma, deixe sua luz brilhar diante dos outros’). É-nos mostrado que a luz calorosa e amorosa de Deus é sempre mostrada em todas as circunstâncias da vida.”

Leia também:  Por que Eddie e não Alex toca bateria em “Van Halen III”, segundo produtor

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidades10 músicas onde os Rolling Stones abordam Deus e a espiritualidade
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

2 COMENTÁRIOS

  1. Maaano, e negócio tá ficando doido mesmo, só faltou pedir desculpas por abordar os temas fé, Deus, Jesus, Rolling Stones e tudo que os cerca no mesmo texto.
    Mea culpa se eu estiver errado, mas não me lembro de ter lido algo como “não representam necessariamente a nossa convicção sobre as perspectivas abordadas” em matérias que falavam sobre o demo, aborto e outras coisas que Deus abomina.
    Enfim, deixa eu me despedir do bloguinho por aqui enquanto ainda não precisarei de um advo”Gado”.

    • É exatamente por isso que o aviso foi inserido e até destacado. Leitores como você acabam não interpretando corretamente. Vivemos tempos complicados…

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades