10 novas bandas para ficar de olho em 2023, segundo a Metal Hammer

Principal publicação do segmento na atualidade, revista britânica desmistifica ideia de que não há boas novidades surgindo

A despeito de algumas pessoas bradarem em alto e bom som que nada de qualidade tem surgido no cenário metálico em tempos recentes, quem realmente está conectado com as novidades sabe que tudo não passa de uma grande mentira – exatamente, não há outro termo a ser usado.

Quem trabalha com isso, então, confere artistas surgindo com propostas interessantes a todo momento. Que o diga a Metal Hammer, principal publicação destinada ao segmento e suas subdivisões. Sendo assim, o staff da revista britânica escolheu 10 nomes para ficarmos de olho em 2023. São eles, com comentários:

- Advertisement -

Voice of Baceprot: “O Voice of Baceprot, da Indonésia, ainda nem lançou um EP, mas já tem um número considerável de seguidores em todo o mundo. Singles como ‘PMS – perempuan merdeka seutuhnya’ (‘mulheres completamente independentes’) – mostram uma mensagem alegre e contagiante por trás de sua música, enquanto seu som real incorpora tudo, desde rock de arena a funk e rap-metal. As aparições na Europa no verão de 2022 ajudaram a divulgar a visão refrescante e única da banda no mundo do metal, mas agora todos os olhos estão voltados para um lançamento completo em 2023.”

Elegant Weapons: “Você conhece Richie Faulkner como o incendiário músico cravejado de couro que se juntou ao Judas Priest, mas ele é subestimado como um polímata do heavy metal. Longe dos Metal Gods, o guitarrista comandou o Voodoo Six, colaborou com Lauren Harris – filha de Steve, do Iron Maiden – e arranjou músicas para Christopher Lee. O Elegant Weapons é a mais nova entrada em seu currículo: um supergrupo também composto por Rex Brown, o cantor Ronnie Romero (Rainbow), e o baterista do Priest, Scott Travis. Nenhuma música foi ouvida ainda, mas Richie promete que teremos ‘uma mistura de Jimi Hendrix, Priest, Sabbath, Ozzy solo e Black Label Society – pesado, cativante e com melodia.’”

Scene Queen: “O autoproclamado bimbocore da Scene Queen definitivamente vai deixar os puristas e elitistas do metal furiosos. Mas isso é apenas parte de seu apelo. O grupo, idealizado pela musicista Hannah Collins, já causou grandes ondas em 2022 com o lançamento do EP ‘Bimbocore’ e aparições em Reading e Leeds, mas podemos ver que 2023 é o ano dela. Se a ideia de Emmure ser liderada por Paris Hilton, celebrando a cultura ‘hun’ com músicas sobre Barbie quebrando paus e rebolando no circle pit parece divertida, parabéns, você está certo, é. A Queen Scene é brilhantemente original dentro do nosso gênero e é conscientemente irônica para obviamente estar em sua própria ‘piada’. Contra todas as probabilidades, isso é totalmente incrível.”

Skynd: “Como atesta uma passagem rápida pela Netflix, o true crime é um dos gêneros mais populares dos dias modernos. Portanto, era apenas uma questão de tempo até que o conceito se tornasse o núcleo lírico de uma banda de heavy metal. Os australianos do Skynd, formados em 2017, escreveram faixas sobre horrores como o massacre de Jonestown e os assassinatos de John Wayne Gacy. Complementando os temas medonhos estão as jams industriais, que rastejam ao som de sintetizadores insidiosos e batidas eletrônicas. O Skynd já tem quatro EPs em seu nome e, no próximo ano, abrirão para o Ice Nine Kills na Europa.”

Death Pill: “O punk hardcore sempre teve uma linha aberta para com a raiva justa, mas a banda ucraniana Death Pill teve mais contra o que se enfurecer em 2022 do que a maioria. Em um cenário de mísseis russos e seus membros fugindo para diferentes cantos da Terra, o grupo ainda conseguiu encontrar tempo para gravar seu álbum de estreia autointitulado, com lançamento previsto para o início de 2023. O single principal ‘Расцарапаю Ебало’ mostra exatamente do que essas mulheres são capazes; uma explosão pontiaguda de indignação ardente na veia do Discharge (ou cerca de um milhão de outras bandas de disco). Sua estreia promete ser um chute na bunda para os fãs de hardcore da velha guarda.”

Leia também:  Os 10 melhores álbuns dos anos 1970, segundo Ann e Nancy Wilson (Heart)

Zetra: “O mais gótico dos góticos na cena do metal agora, a dupla londrina Zetra parece ter sido transportada de uma lua cheia como um presente para os fãs de Type O Negative, Lacuna Coil e HIM. Seu recente single ‘Hopeless Odessey’ é uma das melhores canções de metal gótico que você já ouviu. Seus shows ao vivo apresentam dançarinos encapuzados e, se isso não for suficiente para convencê-lo de sua credibilidade, eles também fizeram um cover brilhante de ‘Cry Little Sister’ do lendário filme de vampiro dos anos 80, ‘The Lost Boys’. Tem havido um enorme buraco em forma de Type O Negative na cena do metal por muito tempo agora, os primeiros sinais são de que o Zetra pode muito bem ser capaz de preenchê-lo.”

Zulu: “Zulu rejeita abertamente a onda machista que se tornou endêmica no hardcore do porão. Em seu lugar, o quinteto de L.A. promove uma imagem mais exuberante (a vocalista Anaiah Lei inclui alguns movimentos de dança no palco) e interrompe seus rugidos e batidas com interlúdios de soul. No entanto, sob os enfeites de boa hora, encontra-se uma mensagem vital que rejeita não apenas o racismo, mas também a apropriação da cultura negra pelos brancos. ‘Todo mundo quer ser um n-até que seja hora de ser’, Lei grita em ‘Fakin ‘Tha Funk (You Get Did)’. É o primeiro single do álbum de estreia ‘A New Tomorrow’, que vai perfurar seus tímpanos em março.”

Harper: “Com apenas 10 anos de idade, Harper se tornou uma sensação viral quando entrou no America’s Got Talent com uma versão furiosa de ‘Holy Roller’, do Spiritbox. Conseguindo passar pelas rodadas iniciais, ela chegou às semifinais antes de ser eliminada. Então, o que vem a seguir? Bem, depois de se apresentar ao vivo com o Spiritbox em Londres e lançar seu próprio single – o brilhantemente amargo ‘Falling’ – podemos ver muito interesse nela em lançar um álbum completo de originais, embora presumivelmente precise encaixar tudo em torno de seus estudos.”

Shepherd’s Reign: “A força do groove metal polinésio, Shepherds Reign, de repente explodiu para a fama viral no final de 2019, e merecidamente. Apesar do quinteto ser completamente independente, seu vídeo para ‘Le Manu’ acumulou 400.000 visualizações em apenas algumas semanas. A faixa transformou um haka samoano em um coro de gritos acompanhados por guitarras do Iron Maiden e instantaneamente conquistou a paixão do mundo do metal. Três anos depois, o lançaram ‘Aiga’ e um rap que quebrou fronteiras chamado ‘Ngā Ao E Rua’. Agora, prometem ainda mais músicas para 2023.”

Qualquer coisa que envolva o Every Time I Die: “Não é exatamente uma banda nova, mas os membros restantes do Every Time I Die estão gravando novo material após sua triste separação no início de 2022. Em novembro, o guitarrista Jordan Buckley compartilhou algumas imagens do baterista Clayton ‘Goose’ Holyoak que certamente abriram nosso apetite por músicas. A nova roupagem ainda não recebeu um nome e, embora seja uma tarefa hercúlea substituir o vocalista icônico Keith Buckley, com Jordan e o colega escritor de riffs Andy Williams ainda na banda temos certeza de que será tão musicalmente selvagem quanto antes. O ETID nunca nos decepcionou, estamos confiantes de que ainda será verdade depois de ouvir o resultado dessas sessões de estúdio.”

Fundada em 1983, a Metal Hammer é publicada atualmente pela editora Future. A tiragem é de 20 mil cópias mensais.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioListas10 novas bandas para ficar de olho em 2023, segundo a Metal...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades