As melhores músicas do Slayer segundo Corey Taylor, Tobias Forge e mais

Banda foi uma das mais influentes do heavy metal nas últimas décadas, o que reflete na lista de homenagens do artigo

Em janeiro de 2019 a revista britânica Metal Hammer publicou uma edição com o Slayer na capa, celebrando o que viria a ser o último ano da carreira da banda. Em um dos artigos, músicos da cena metálica em diferentes vertentes escolhiam suas músicas preferidas do grupo.

Eis os participantes e suas opções:

- Advertisement -

Corey Taylor, vocalista do Slipknot e Stone Sour: South of Heaven (South of Heaven, 1988)

“É meu álbum e música favoritos do Slayer. A forma como começa é épica e continua crescendo em direção a outra introdução, sabe? Você está pronto para isso acontecer e não; é uma provocação. Isso me enfureceu na primeira vez que ouvi, mas quando começa, oh meu Deus! É um taco de beisebol na cara. É um dos meus trabalhos favoritos de Hanneman/King, os preenchimentos de Lombardo são incríveis e há um verdadeiro veneno na voz de Tom. É insana, você pode sentir isso. Para mim, não é a música mais assustadora nem uma das mais rápidas, mas resume o Slayer com tudo o que oferece. Essa tensão aumentando em direção ao que se tornaria um ataque louco de heavy metal.”

Tobias Forge, vocalista e multi-instrumentista do Ghost: Haunting The Chapel (Haunting The Chapel, 1984)

“Gosto do compasso estranho no começo. Sempre fui um grande fã do Metallica e o Slayer, de certa forma, representava todas as coisas que o Metallica não era e vice-versa. Naquela época, o Slayer fazia os riffs mais malignos de todos os tempos, havia algo genuinamente hostil neles. Não há uma nota feliz lá. As letras eram muito legais assim como a imagem. Eles soavam e tocavam muito bem. Aquela era inicial do Slayer foi definitivamente uma das minhas favoritas do metal extremo.”

Tuomas Holopainen, tecladista do Nightwish: Raining Blood (Reign in Blood, 1986)

“Eu descobri o metal através do Metallica em 1992, quando estava passando um ano como estudante de intercâmbio nos Estados Unidos. Minha família anfitriã me levou a um show do Metallica e Guns N ‘Roses em Kansas City. Pensei ‘Oh, esse não é o meu tipo de coisa’, mas então o Metallica apareceu e mudou minha vida. Depois disso, passei a gostar de coisas mais pesadas como Pantera e Slayer. Antes disso, eu basicamente ouvia música clássica e pop finlandês; Gary Moore era a coisa mais pesada que ouvi até então. ‘Raining Blood’ tem um riff icônico e brilhante.”

Benji Webbe, vocalista do Skindred: Angel Of Death (Reign In Blood, 1986)

“Sou fã do Public Enemy. Eles tinham uma música chamada ‘She Watch Channel Zero’, que usava um sample de ‘Angel Of Death’. Só fui descobrir mais tarde. Isso me fez buscar material deles. Kerry King e Dave Lombardo eram incríveis. A primeira vez que tocamos juntos foi em um festival chamado Tattoo The Planet, na Escócia. Lembro-me de andar pelo corredor e ver o camarim deles. A porta estava ligeiramente aberta e eu vi Kerry King com seus óculos escuros, jogando Xbox ou algo assim. Já tocamos juntos outras seis vezes, nunca disse uma palavra para ele, ele nunca disse uma palavra para mim. Mas sempre se comporta com essa graça e essa frieza. Eu amo o Slayer!”

Alissa White-Gluz, vocalista do Arch Enemy: Hell Awaits (Hell Awaits, 1985)

“Hell Awaits tem o mesmo ano de nascimento que eu. Traz mensagens mascaradas na introdução, letras obscuras, thrash e loquazes. Uma vez que os vocais finalmente entram em ação após mais de três minutos de construção instrumental, fica extremamente satisfatória para aqueles que amam metal rápido, raivoso e maligno. As guitarras típicas de Hanneman e King são inconfundíveis. É difícil para mim imaginar uma banda lançando algo tão pesado antes mesmo de eu nascer, o que torna ainda mais legal dividir o palco com eles nos dias atuais – algo que já tive a honra de fazer em várias ocasiões. Sempre crus e inspiradores, pioneiros e verdadeiras lendas!”

Mark Morton, guitarrista do Lamb of God: Mandatory Suicide (South Of Heaven, 1988)

“Adoro a cadência do vocal – sem ser particularmente melódico, ainda é muito cativante. Atrevo-me a dizer que é como uma espécie de hip hop, onde há um padrão. O álbum ‘South Of Heaven’ foi incrível. Eu gostava de ‘Reign In Blood’, mas era um pouco punk e rápido demais para mim.

Eu estava ouvindo hip hop e Testament. Em ‘South Of Heaven’ eles entraram nesse ritmo mais lento, da mesma forma que o rap faz. Isso ressoou em mim, e acho que partes dessa música, principalmente no lado B, têm esse tipo de emoção, esse galope, esse tipo de pulso. As letras são super assustadoras, sombrias, loucas e incríveis, como Slayer.”

Corey Beaulieu, guitarrista do Trivium: Bitter Peace (Diabolus In Musica, 1998)

“Descobri o Slayer na adolescência. Depois que virei fã, ‘Diabolus In Musica’ foi lançado. ‘Bitter Peace’ abre o disco com riffs pesados e cativantes. Sempre considerei essa faixa uma música grosseiramente subestimada. Exibe toda a grandeza da escrita de Jeff, desde os riffs pesados ​​e malignos até as letras inspiradas na guerra.

Eu os vi tocar essa música ao vivo no meu primeiro show do Slayer e eles abriram com ela! Foi tão poderoso que me surpreendeu naquele dia. Espero que mais headbangers voltem e a ouçam. O Slayer tem tantas músicas incríveis em seu catálogo que esta foi esquecida, mas espero mudar isso!”

Ivar Bjørnson, guitarrista do Enslaved: Jesus Saves (Reign In Blood, 1986)

“‘Jesus Saves’ é A música do Slayer para mim. Fizemos um cover dela para o álbum tributo Satanic Slaughter, de 1995. Nós a escolhemos por causa da intensidade da música combinada com seu conteúdo lírico açucarado, acertando em cheio na hipocrisia religiosa. Acho que Tom Araya esqueceu que o título da música era irônico ao longo dos anos! Além disso, as assinaturas atonais e caóticas tão maravilhosamente exemplificadas nesta faixa foram importantes para mim como guitarrista; a antítese total daquele heavy metal excessivamente melódico dos anos 80. Que nojo.”

Dani Filth, vocalista do Cradle of Filth: Reborn (Reign in Blood, 1986)

“Por alguma estranha razão, ‘Reborn’ sempre foi minha faixa favorita no álbum ‘Reign In Blood’, espremida em algum lugar entre a abertura megalítica do álbum e o fechamento. Adoro o groove hiperativo, as tempestuosas mudanças de marcha e, principalmente, a letra sobre um pacto com o Diabo e a vingança de uma bruxa contra a igreja por ter sido torturada e queimada na fogueira. Um clássico do Slayer e uma música que realmente merecia muito mais atenção do que recebe, daí o meu elogio.”

Steve “Zetro” Souza, vocalista do Exodus: Black Magic (Show No Mercy, 1983)

“Quando ouvi ‘Show No Mercy’ pela primeira vez, adorei. Era algo que as pessoas na Bay Area não estavam necessariamente fazendo. ‘Black Magic’ se destacou para mim – eu amo o riff de guitarra. Foi por volta de janeiro de 1984 e eu estava no Legacy, que mais tarde se tornou o Testament. Talvez tivéssemos feito apenas dois ou três shows, mas nosso próximo seria com Lääz Rockit e Slayer. Lembro-me de entrar no camarim e me apresentar. Perguntei se iam tocar ‘Black Magic’ e Tom disse: ‘Sim, vamos’. Eu estava no fosso me debatendo e ouvi Tom dizer: ‘A próxima música é para Zetro, se chama ‘Black Magic’. Acho que me gabei disso por uns seis meses!”

Leia também:  O álbum ao vivo que custou menos de US$ 10 para o Mr. Big, segundo Billy Sheehan

Jock Norton, vocalista e guitarrista do Puppy: Seasons In The Abyss (Seasons In The Abyss, 1990)

“‘Seasons in The Abyss’ estava em alta rotação na MTV2 quando eu era criança. Provavelmente foi a primeira deles que ouvi. O refrão é bastante melódico para o Slayer, amo o quão progressiva a música é: quase dois minutos desse groove lento e monótono antes do riff começar. Quando volta no meio do tempo, eu costumo gritar ‘Oh m*rda!’ e virar qualquer mesa que eu esteja mais próxima. Não tenho controle sobre isso.”

Pepper Keenan, vocalista e guitarrista do Corrosion of Conformity: Chemical Warfare (Show No Mercy, 1983)

“Jesus Cristo, cara! A melhor música do Slayer? Que pergunta! Eu teria que dizer ‘Chemical Warfare’. Acho que é porque dei um salto de palco em uma arena de uma varanda de cerca de 18 pés no ar quando eles estavam tocando-a alguns anos atrás. Eu pulei e era aquele riff girando na minha cabeça; as luzes vermelhas se apagaram e ainda estão piscando até hoje!”

Denis “Snake” Bélanger, vocalista do Voivod: Crionics (Show No Mercy, 1983)

“Ainda me lembro quando ouvi ‘Show No Mercy’ pela primeira vez. Era a novidade do metal. O Slayer trouxe uma abordagem que meus ouvidos não conheciam. Quando uma banda surge, é interessante identificar as influências. A ‘Crionics’ estava revelando de onde eles eram. O Slayer em seus primeiros dias certamente foi influenciado pela NWOBHM e posso imaginar os caras batendo cabeça ao som do Iron Maiden em sua sala de ensaio.

A melodia vocal é incrível e Tom soa como uma bruxa em chamas quando grita! A letra sobre cientistas que congelam a mente e a alma, deixando você a meio caminho da zona da morte, tem bastante ficção científica e é assustadora. Além disso, a sequência de seções instrumentais variadas do meio ao fim mostrava as habilidades deles. Qualquer um naquela época sabia que o Slayer tinha algo próprio e um longo caminho a percorrer.”

Larissa Stupar, vocalista do Venom Prison: Repentless (Repentless, 2015)

“Sou fã das coisas mais recentes do Slayer, assim como dos álbuns clássicos – é difícil escolher uma música. Mas sempre fui motivado por ‘Repentless’. Seria incrível fazer um cover com o Venom Prison e ver as pessoas fazendo mosh. Talvez um dia!”

John Tardy, vocalista do Obituary: Die By The Sword (Show No Mercy, 1983)

“Nos tempos do colégio meus amigos e eu adorávamos aquele vídeo de Exodus, Venom e Slayer, Combat Tour, de 1985. Tão bom. Tão pesado. Tão inspirador.”

Jessica Pimentel, vocalista do Alekhine’s Gun: Altar Of Sacrifice (Reign In Blood, 1986)

“Nunca vou esquecer a primeira vez que coloquei minhas mãos em uma cópia de ‘Reign In Blood’. Lembro-me de ouvi-lo e pensar que era a coisa mais pesada e diferente de tudo que já havia ouvido na vida. Meu cérebro não conseguia entender a brutalidade. Eu não estava familiarizada com esse estilo de cantar e não conseguia entender tudo o que Tom Araya estava dizendo no começo, mas continuei captando certas palavras que despertaram minha curiosidade e quis descobrir.

Então cheguei à faixa ‘Altar Of Sacrifice’. A abertura imediatamente chamou minha atenção mais do que qualquer outra até então. Lembro de estar sentada no meu quarto com fones de ouvido, rebobinando a música várias vezes e anotando as letras conforme fui capaz de decifrá-las.”

Ross Dolan, guitarrista do Immolation: At Dawn They Sleep (Hell Awaits, 1985)

“‘Hell Awaits’ é, na minha opinião, o álbum mais sombrio do Slayer e ‘At Dawn They Sleep’ é uma das músicas mais sombrias e pesadas de seu catálogo. Há algo muito perturbador nela, especialmente durante as seções mais lentas e pesadas no meio. A letra é ótima, uma das raras sobre vampiros que não foi feita de uma maneira cafona. Eu os vi tocar algumas vezes nos últimos 33 anos e sempre me deixa animado.”

James Monteith, guitarrista do TesseracT: Dead Skin Mask (Seasons In The Abyss, 1990)

“O trabalho melódico da guitarra combinado com riffs enormes e fortes torna esta uma das minhas favoritas. A assombrosa introdução de guitarra, com chamada e retorno, além da seção de solo alternada são ótimos exemplos da maravilhosa parceria de Hanneman e King. A fluidez e abrasão combinadas são, para mim, a essência do Slayer.”

Jørgen Munkeby, vocalista e multi-instrumentista do Shining: Disciple (God Hates Us All, 2001)

“Desde a fanfarra de abertura quase semelhante a um trombone, o refrão completo chegando depois de apenas 30 segundos, até o canto pesado de fim do mundo, essa música é o mais próximo que você pode chegar de um hit condensado do Slayer. Com versos líricos dignos de arte de rua como, ‘Eu odeio todos igualmente! Você não pode arrancar isso de mim!” e a proclamação da peça central assombrosa e repetida, ‘Deus nos odeia a todos!’, esta é a canção mais cativante que eles escreveram. A combinação da composição mais concisa e a mistura industrial e agressiva de Sean Beavan torna esta música a minha favorita absoluta de todas do Slayer.”

Ben Ward, vocalista do Orange Goblin: Metal Storm/Face the Slayer (Show No Mercy, 1983)

“Show No Mercy é meu álbum favorito do Slayer e eu poderia ter escolhido ‘Black Magic’, ‘The Antichrist’, ‘Evil Has No Boundaries’, ‘Fight Till Death’ – qualquer uma delas! O que eu amo nessa música é que você pode ouvir o amor óbvio deles por Judas Priest e Iron Maiden, mas ainda tem aquela ameaça maligna subjacente da qual o Slayer é o mestre. São apenas cinco minutos com cerca de um milhão de riffs incríveis, todos amontoados. É a definição de heavy metal do mal e eu adoro isso!”

Ben Hutcherson, vocalista e guitarrista do Khemmis: Necrophiliac (Hell Awaits, 1985)

“Quando ouço as notas de abertura de ‘Necrophiliac’ sou transportado de volta à minha adolescência e às noites que passei bebendo cerveja barata nos carros velhos dos meus amigos com metal explodindo nos alto-falantes estourados. Essa introdução é tão maligna e tão essencialmente Slayer que ainda me deixa animado depois de todos esses anos. Por causa deles, descobri o mundo subterrâneo do death e do black metal. Como Tom Araya disse uma vez, ‘Só existe um tipo de música neste mundo, e é FAST HARD.’”

O fim do Slayer

O último show do Slayer aconteceu no dia 30 de novembro de 2019 no The Forum, em Los Angeles. À época, a banda contava com King, Araya, Gary Holt (guitarra) e Paul Bostaph (bateria). O grupo lançou 12 álbuns de estúdio e 3 ao vivo, vendendo mais de 20 milhões de discos em todo o planeta.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesAs melhores músicas do Slayer segundo Corey Taylor, Tobias Forge e mais
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades