Beto Lee e banda mergulham em legado de Rita com homenagem imersiva

Espetáculo foi além de simples tributo ao oferecer capricho visual, aliado a performance irretocável de grupo e convidados

Beto Lee retornou aos palcos no último sábado (29) com seu projeto em homenagem a Rita Lee, outrora conhecido como “CeLeebration”. Antes, o tributo era feito com a artista em vida; agora, é em memória à “rainha do rock brasileiro”, falecida em 8 de maio, aos 75 anos.

Para a iniciativa, o filho de Rita voltou a reunir Fernanda Abreu e Débora Reis nos vocais, além de Lee Marcucci (baixo, ex-integrante do Tutti Frutti), Danilo Santana (teclados), Edu Salvitti (bateria) e Rogério Salmeron (guitarra). Houve ainda as participações da cantora Luisa Sonza, fenômeno da música pop atual, e da Orquestra Sinfônica Villa Lobos, sob regência do maestro Adriano Machado.

- Advertisement -
Foto: Gustavo Diakov

Com o clima frio e pouco convidativo, a casa abriu pontualmente às 20h para raros presentes. Durante a primeira hora, uma banda de músicos convidados realizou um pocket show no hall de entrada executando versões para hits MPB e pop rock nacional, como “Garotos” (Leoni), “Descobridor Dos Sete Mares” (Tim Maia), “Tempo Perdido” (Legião Urbana) e “Ideologia” (Cazuza). Já no salão principal com mesas à disposição, a partir das 21h, uma discotecagem interna soou deslocada ao apostar apenas em clássicos de rádio rock como “Enter Sandman” (Metallica), “Welcome to the Jungle” (Guns N’ Roses) e “Seven Nation Army” (White Stripes).

O espetáculo em si teve início após um breve atraso de dez minutos em relação ao horário anunciado. Com o apagar das luzes, uma filmagem com uma entrevista de Rita Lee tomou conta das projeções. O palco, então, foi banhado por uma intensa luz rosa. Uma foto da cantora ocupou o telão principal ao fundo, preparando o terreno para a entrada dos músicos.

*Fotos de Gustavo Diakov / @xchicanox. Role para o lado para visualizar todas. Caso as imagens apareçam pequenas, atualize a página.

A melodia da abertura “Nem Luxo, Nem Lixo” preencheu o ambiente e a orquestra se sobressaiu, adicionando uma roupagem “épica” à música. À vontade, Débora Reis assumiu os vocais dançando com graciosidade pelo palco. Na sequência, “Flagra” trouxe uma interessante “comunicação” entre as batidas de Edu Salvitti e o grupo de violistas. Dirigindo-se ao público pela primeira vez, Beto destacou a quantidade de pessoas que compareceram para curtir as músicas da mãe, dizendo ainda que “a obra dela sempre estará viva”.

Para a próxima sequência, Fernanda Abreu assumiu o microfone principal e brilhou ao interpretar “Saúde” e “Ovelha Negra”. Na primeira canção citada, Beto e Rogério Salmeron apostaram em solos extensos, demonstrando entrosamento na parte instrumental. Já no principal hit do álbum “Fruto Proibido” (1975), Fernanda ficou mais em evidência, acompanhada apenas por passagens em violinos e batidas leves. Débora retomou os vocais em “Panis Et Circenses” (Os Mutantes), música acompanhada por fotografias clássicas do conjunto. Mais uma vez, Edu se sobressaiu ao praticamente “espancar” a bateria.

O medley “Ando Meio Desligado” (Os Mutantes) e “Mania de Você” conectou duas distintas fases da carreira da saudosa cantora com uma surpresa: Débora arriscou alguns gritos e inseriu um pouco de sua bagagem artística. Ela seguiu em “Doce Vampiro”, com brilho da orquestra na introdução que percorreu todos os instrumentos e dando início a uma sequência que exploraria mais a iluminação – aqui, em tons vermelhos devidamente casados com a canção.

Foto: Gustavo Diakov

“Mamãe Natureza”, já com Fernanda e ainda explorando bem os recursos visuais, contou com um cenário em tons azuis e verdes que evocavam a beleza da biodiversidade. Em “Babilônia”, o tecladista Danilo Santana trouxe para si os holofotes com passagens fortes em seu instrumento, enquanto “Baila Comigo” destacou os saxofones e mostrou, mais uma vez, a praticamente infinita variedade musical presente no tributo. Neste momento, o público enfim quebrou o protocolo e se levantou para dançar na pista.

Leia também:  Festival gratuito em Franco da Rocha terá Golpe de Estado + Roland Grapow, Dead Fish e mais

Interagindo novamente com os fãs, Beto contou que apresentaria uma música composta por sua mãe quando estava tentando explorar algo novo, feito “completamente no piano e totalmente chapada de LSD”. Assim veio “Coisas da Vida”, responsável por deixar tomado por emoção o filho da lendária cantora. Durante “Todas as mulheres”, o telão fez o público mergulhar na trajetória de Rita com diversas fotos raras da artista.

Na reta final, a convidada Luísa Sonza subiu ao palco para interpretar “Amor e Sexo” e se saiu bem, com sua voz poderosa e toques contemporâneos à performance. “Orra Meu” contou com Beto no microfone principal e uma pegada quase punk rock, enquanto um medley de “Banho de Espuma” + “Chega Mais” (com Débora nos vocais) e “Agora Só Falta Você” (com Fernanda) encerrou o set regular.

Foto: Gustavo Diakov

O bis trouxe duas canções emblemáticas: “Papai Me Empresta o Carro”, novamente com Beto cantando, e a poderosa “Lança-Perfume”, reunindo todas as vozes. Uma parcela dos fãs que dependia do transporte público perdeu esse momento memorável em função do horário avançado, pois já se aproximava da meia-noite. Fora essa questão, outros pontos de atenção incluíram a presença apenas discreta do lendário Lee Marcucci e a falta de interação com a plateia, tendo apenas raros e acelerados diálogos.

Ainda assim, não deixou de ser marcante. Para além da execução formidável da banda de apoio, há de se destacar a interpretação das vocalistas, que conseguiram mostrar identidade própria sem deixar de homenagear a gigante artista. A ousada presença da Orquestra Sinfônica Villa Lobos ofereceu ainda um diferencial.

Mesmo antes de Rita ter nos deixado, o projeto já se mostrava uma experiência única para os fãs, visto que a cantora esteve retirada dos palcos em sua última década de vida. A carga emocional se torna ainda maior com a realização do tributo tendo a rainha do rock nacional já em outro plano. Experiência recomendada.

*Fotos de Gustavo Diakov / @xchicanox. Role para o lado para visualizar todas. Caso as imagens apareçam pequenas, atualize a página.

Repertório:

  1. Nem Luxo, Nem Lixo (Débora Reis canta)
  2. Flagra (Débora Reis canta)
  3. Saúde (Fernanda Abreu canta)
  4. Ovelha Negra (Fernanda Abreu canta)
  5. Panis Et Circenses (Os Mutantes; Débora Reis canta)
  6. Medley: Ando Meio Desligado (Os Mutantes) / Mania De Você (Débora Reis canta)
  7. Doce Vampiro (Débora Reis canta)
  8. Mamãe Natureza (Fernanda Abreu canta)
  9. Babilônia (Fernanda Abreu canta)
  10. Baila Comigo (Débora Reis canta)
  11. Coisas Da Vida (Débora Reis canta)
  12. Todas as Mulheres (Débora Reis canta)
  13. Amor e Sexo (Luísa Sonza canta)
  14. On the Rocks (Débora Reis canta)
  15. Orra Meu (Beto Lee canta)
  16. Medley: Banho de Espuma / Chega Mais (Débora Reis canta)
  17. Agora Só Falta Você (Fernanda Abreu canta)

Bis:

  1. Papai, Me Empresta O Carro (Beto Lee cantam)
  2. Lança-Perfume (todos no palco)

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasResenhas de showsBeto Lee e banda mergulham em legado de Rita com homenagem imersiva
Guilherme Góes
Guilherme Góeshttp://www.igormiranda.com.br
Guilherme Góes, 27 anos, estudou jornalismo na Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU). Apaixonado por música desde criança, participa do cenário musical independente paulistano desde 2009. Já passou pelos veículos Besouros.net e Hedflow.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades