Summer Breeze Brasil torna realidade modelo europeu para festival nacional; veja como foi

Evento de som pesado criado na Alemanha e realizado pela primeira vez em São Paulo trouxe atrações como Avantasia, Blind Guardian e Stone Temple Pilots

Apocalyptica fecha 1º dia com releituras, autorais e Simone Simons

*Por Thiago Zuma

Sobrou para os finlandeses do Apocalyptica a tarefa de fechar o primeiro dia do Summer Breeze num horário que, a cada minuto da apresentação, ficava mais próximo do término do regular funcionamento do transporte público paulistano. Ainda assim, o auditório Simón Bolívar esteve cheio para acompanhá-los.

- Advertisement -

Com atraso relativamente curto, os músicos organizaram seus instrumentos pensando num palco ilhado pelas cadeiras. No entanto, apenas um dos lados do auditório foi aberto inicialmente ao público, fazendo os músicos iniciarem seu repertório tocando de lado para plateia.

Capitaneados no palco pelo hiperativo e carismático Perttu Kivilaakso, que já levantou o público das cadeiras na terceira música, o repertório se revezou entre suas sinfônicas faixas instrumentais e outras cantadas por Franky Perez, americano que deu voz ao projeto Scars on Broadway, de Daron Malakian do System of a Down. E por falar em voz, a surpresa da noite foi a participação angelical da cantora Simone Simons (Epica), em “Rise Again”.

Leia também:  Journey tocará no Rock in Rio 2024, segundo Neal Schon
https://www.instagram.com/p/CrpGhCeARm6/

Em seu terceiro retorno ao Brasil desde que o Apocalyptica abriu para o Megadeth no longínquo ano de 2005, não faltaram, óbvio, as releituras instrumentais sinfônicas de clássicos do heavy metal que lhe deram projeção no início de carreira. “Refuse/Resist” (Sepultura) veio logo de cara entre as primeiras da noite, mas, assim como “Inquisition Symphony” (outra dos brasileiros), não despertou reações muito acaloradas, diferente dos coros ouvidos nas versões para “Nothing Else Matters” e “Seek and Destroy” (ambas do Metallica).

Ao som de “In the Hall of the Mountain King”, do compositor norueguês Edvard Grieg e notória no meio metal por suas adaptações que passam por Ritchie Blackmore, Helloween e principalmente Savatage, os poucos remanescentes acompanharam as melodias em coro pela última vez, certamente estafados, antes de voltarem para suas casas para um necessário descanso para o próximo dia.

Leia também:  Licks e Maltz celebram Engenheiros com show inconstante, mas nostálgico em Porto Alegre

Ou não, para quem se dispôs a encarar uma breve caminhada do Memorial da América Latina para a Audio e assistir Perturbator e Evergrey no Summer Party, evento cobrado à parte do festival.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasSummer Breeze Brasil torna realidade modelo europeu para festival nacional; veja como...
Igor Miranda
Igor Miranda
Igor Miranda é jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital. Escreve sobre música desde 2007. Além de editar este site, é colaborador da Rolling Stone Brasil. Trabalhou para veículos como Whiplash.Net, portal Cifras, revista Guitarload, jornal Correio de Uberlândia, entre outros. Instagram, Twitter e Facebook: @igormirandasite.

5 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade, eu fui pra ver o Marc Martel. Não só ele, claro. Mas ele era minha prioridade… E fiquei encantada com show. Amo o Queen e honestamente não gosto de outros cantores interpretando. Só o Marc.

  2. Excelente festival para uma primeira edição no Brasil, organização e estrutura nota 9/10, local agradável, espaçoso e de fácil acesso.

    Eu li no site do evento que a água seria potável, então imaginei que a água daquelas torneiras era potável e bebi várias vez. Inclusive vi muita gente bebendo. Acho que vou comprar um Annita, só por precaução.

    O cartão de alimentação deveria ser gratuito e entregue na entrada, ganharam 7,00 de cada um.

    O som estava realmente alto e isso afeta a audição, eu usei protetor de ouvidos de silicone, não atrapalha em nada e protege.
    Soube que a vizinhança reclamou do volume, mas pelo menos ouviram 40 bandas de graça.

    Notei algumas pessoas em cadeira de rodas e essas tiveram dificuldade de locomoção pelo evento.

    Colocaram o Stratovarius no palco errado, o Ice Stage foi pequeno para o tamanho da banda e houve congestionamento na passarela. Muita gente teve que assistir ao lado dos banheiros e atrás das palmeiras.

    Em relação aos banheiros, houve descaso da organização. Não tinha manutenção, nenhum funcionário colocando desinfetante ou lavando com água sanitária. Eu entrei com máscara, deixei a porta aberta e mesmo assim o mau cheiro de urina estava insuportável. As mulheres sofreram mais .

    Gostaria de ver bandas de black metal no Summer Breeze 2024.
    Minhas sugestões: Vader, And Oceans, Skyclad, Borknagar, In Flames, Amon Amarth, Rotting Christ, Acherontas, Dark Funeral, Melechesh, Dark Tranquility, Iced Earth, Solstafir, Anathema, Uganga, Arandu Arakuaa, Appalachian Winter, Eisregen, Enslaved, Satyricon, Taake, Ulver, Amorphis, Brujeria, Insomnium, Moonsorrow, Equilibrium, Einherjer, Possessed, Marauder, Iron Savior, Morgana Lefay, Arkona, Orphaned Land, Stille Volk, Sabaton, Arcturus, In Extremo, Agalloch, Mgla, Withim Temptation, Ad Infinitum, Pain Of Salvation, Vanden Plas, Royal Hunt, Limbonic Art, Rammstein.
    Behemoth, Dimmu Borgir, Cradle of Filth e Cannibal Corpse sempre tocam em SP, mas seria bom ver novamente.

  3. Creio que não teve mais gente por causa do Monsters, que foi uma semana antes e arrebenta o bolso do cidadão. Eu mesmo escolhi ir no Monsters, mas com grande vontade de ter ido ao Summer. No ano que vem, quem sabe.

      • Acho que os dois festivais já estavam com data definida quando foram anunciados. Não daria para um mudar por conta do outro. Os dois se beneficiaram por ter feriado próximo (Monsters na sexta, Summer na segunda), o que facilita para quem vem de fora.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades