Summer Breeze Brasil torna realidade modelo europeu para festival nacional; veja como foi

Evento de som pesado criado na Alemanha e realizado pela primeira vez em São Paulo trouxe atrações como Avantasia, Blind Guardian e Stone Temple Pilots

Bruce Dickinson: palestra ou stand-up?

*Por André Luiz Fernandes

A atração mais aguardada do Waves Stage não era um show, mas uma palestra. O nome é pesado: Bruce Dickinson. O vocalista do Iron Maiden faz apresentações no estilo “spoken word” desde a década passada e veio ao Brasil ano passado para falar sobre empreendedorismo em um evento no Rio de Janeiro. Mas não se trata só disso.

- Advertisement -
Foto: Amanda Sampaio

Tomando como base a autobiografia “Para que Serve Esse Botão?”, Dickinson trouxe memórias de sua infância em Sheffield, falou sobre seu início na música (como baterista, mas possuindo apenas um bongô) e só então chegou aos grandes projetos, como a companhia aérea que comanda atualmente, o investimento na maior aeronave do mundo e, é claro, as cervejas do Iron Maiden.

Foto: Amanda Sampaio

Tudo que não envolve diretamente compor, gravar ou subir no palco com a banda de heavy metal é abordado. E com enorme carisma. Mesmo para quem já conhecia as histórias, ouvi-las diretamente dele torna tudo melhor. Bruce tem a plateia nas mãos do momento em que pisa no palco – para muitos, já vale o ingresso só pela proximidade com o artista, capaz de fazer todo mundo cair na gargalhada até mesmo falando sobre a luta contra o câncer, em 2015, da qual saiu vitorioso.

Leia também:  Licks e Maltz celebram Engenheiros com show inconstante, mas nostálgico em Porto Alegre
Foto: Amanda Sampaio

Facilita, claro, o fato de Bruce ser um polímata. O domínio sobre vários assuntos, inclusive, o faz saber os momentos de encaixar cada informação, observação ou piada. Sobre música (mas não sobre Maiden), ele prometeu um novo álbum solo para 2024, o que arrancou vibração da plateia, e ainda cantou um trecho de “Let it Be”, dos Beatles, enquanto contava sobre sua primeira banda e o vocalista australiano de sotaque esquisito. Mais aplausos.

Uma hora foi pouco para a quantidade de conteúdo que Dickinson tem a mostrar. Quem conferiu a palestra no Waves Stage certamente saiu entretido e reenergizado para continuar a maratona do Summer Breeze Brasil.

Foto: Amanda Sampaio

Guia:

Voodoo Kiss – página 02
Brutal Brega – página 03
Benediction – página 04
Marc Martel – página 05
Crypta – página 06
Tributo a Andre Matos – página 07
Tuatha de Danann – página 08
Lord of the Lost – página 09
Skid Row – página 10
Bruce Dickinson (palestra) – página 11
Sepultura – página 12
Perturbator – página 13
Lamb of God – página 14
Stone Temple Pilots – página 15
Accept – página 16
Blind Guardian – página 17
Apocalyptica – página 18
Velvet Chains (início do segundo dia) – página 19
Krisiun – página 20
Grave Digger – página 21
Project46 – página 22
H.E.A.T – página 23
Bury Tomorrow – página 24
Vixen – página 25
Finntroll – página 26
Testament – página 27
The Winery Dogs – página 28
Beast in Black – página 29
Kreator – página 30
Electric Gypsy – página 31
Napalm Death – página 32
Avantasia – página 33
Sinistra – página 34
Parkway Drive – página 35
Stratovarius – página 36
Evergrey – página 37

Leia também:  Rock in Rio 2024 anuncia James, Kingfish e Penélope + Pato Fu
ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasSummer Breeze Brasil torna realidade modelo europeu para festival nacional; veja como...
Igor Miranda
Igor Miranda
Igor Miranda é jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital. Escreve sobre música desde 2007. Além de editar este site, é colaborador da Rolling Stone Brasil. Trabalhou para veículos como Whiplash.Net, portal Cifras, revista Guitarload, jornal Correio de Uberlândia, entre outros. Instagram, Twitter e Facebook: @igormirandasite.

5 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade, eu fui pra ver o Marc Martel. Não só ele, claro. Mas ele era minha prioridade… E fiquei encantada com show. Amo o Queen e honestamente não gosto de outros cantores interpretando. Só o Marc.

  2. Excelente festival para uma primeira edição no Brasil, organização e estrutura nota 9/10, local agradável, espaçoso e de fácil acesso.

    Eu li no site do evento que a água seria potável, então imaginei que a água daquelas torneiras era potável e bebi várias vez. Inclusive vi muita gente bebendo. Acho que vou comprar um Annita, só por precaução.

    O cartão de alimentação deveria ser gratuito e entregue na entrada, ganharam 7,00 de cada um.

    O som estava realmente alto e isso afeta a audição, eu usei protetor de ouvidos de silicone, não atrapalha em nada e protege.
    Soube que a vizinhança reclamou do volume, mas pelo menos ouviram 40 bandas de graça.

    Notei algumas pessoas em cadeira de rodas e essas tiveram dificuldade de locomoção pelo evento.

    Colocaram o Stratovarius no palco errado, o Ice Stage foi pequeno para o tamanho da banda e houve congestionamento na passarela. Muita gente teve que assistir ao lado dos banheiros e atrás das palmeiras.

    Em relação aos banheiros, houve descaso da organização. Não tinha manutenção, nenhum funcionário colocando desinfetante ou lavando com água sanitária. Eu entrei com máscara, deixei a porta aberta e mesmo assim o mau cheiro de urina estava insuportável. As mulheres sofreram mais .

    Gostaria de ver bandas de black metal no Summer Breeze 2024.
    Minhas sugestões: Vader, And Oceans, Skyclad, Borknagar, In Flames, Amon Amarth, Rotting Christ, Acherontas, Dark Funeral, Melechesh, Dark Tranquility, Iced Earth, Solstafir, Anathema, Uganga, Arandu Arakuaa, Appalachian Winter, Eisregen, Enslaved, Satyricon, Taake, Ulver, Amorphis, Brujeria, Insomnium, Moonsorrow, Equilibrium, Einherjer, Possessed, Marauder, Iron Savior, Morgana Lefay, Arkona, Orphaned Land, Stille Volk, Sabaton, Arcturus, In Extremo, Agalloch, Mgla, Withim Temptation, Ad Infinitum, Pain Of Salvation, Vanden Plas, Royal Hunt, Limbonic Art, Rammstein.
    Behemoth, Dimmu Borgir, Cradle of Filth e Cannibal Corpse sempre tocam em SP, mas seria bom ver novamente.

  3. Creio que não teve mais gente por causa do Monsters, que foi uma semana antes e arrebenta o bolso do cidadão. Eu mesmo escolhi ir no Monsters, mas com grande vontade de ter ido ao Summer. No ano que vem, quem sabe.

      • Acho que os dois festivais já estavam com data definida quando foram anunciados. Não daria para um mudar por conta do outro. Os dois se beneficiaram por ter feriado próximo (Monsters na sexta, Summer na segunda), o que facilita para quem vem de fora.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades