A ácida opinião de Pete Townshend sobre cinebiografia de Keith Moon, do The Who

“Não dou a mínima”, diz o guitarrista sobre o projeto no qual atua como um dos produtores executivos

A cinebiografia “The Real Me”, que começará a ser filmada em junho e contará a história do baterista Keith Moon (The Who), traz o vocalista Roger Daltrey e o guitarrista Pete Townshend, colegas de banda ainda vivos, como produtores executivos. Porém, o segundo nominado revelou à Rolling Stone que não está tão interessado assim na obra.

“Não dou a mínima. Espero que dê certo porque Roger está se dedicando bastante. A primeira vez que recebi um roteiro para um filme sobre Keith foi em 1993. Meu amigo John Lahr escreveu, mas era baseado na visão de Daltrey, que o idolatrava como um Deus. Disse que ele precisava ouvir a minha visão, a de John Entwistle e da viúva de Moon para ter uma noção mais exata.”

Townshend entende que não dá para evitar que uma película se torne ficcionalizada, mesmo que parcialmente. Por se tratar da visão externa sobre algo que só os próprios viveram, é impossível fugir desse problema.

“Já li diferentes opiniões sobre a minha relação com Keith Moon. A verdade é que nunca estivemos em guerra, mas também jamais fui seu fantoche. Ele era um grande manipulador, um personagem, um showman. Trouxe muita alegria às nossas vidas, mas também dificuldades. Sempre fui honesto em relação a isso.”

A White Horse Pictures, com sede em Los Angeles, será responsável pelo apoio a “The Real Me”. A empresa é mais conhecida pelo documentário “George Harrison: Living in the Material World”, de Martin Scorsese, assim como “The Beatles Eight Days a Week: The Touring Years”, de Ron Howard. Paul Whittington (“The Crown”, “White House Farm”) dirige o roteiro escrito por Jeff Pope (“Philomena”).

Sobre Keith Moon

Nascido em Wembley, Inglaterra, Keith Moon era uma criança hiperativa. Seu professor de artes o descreveu em registro como “retardado artisticamente, idiota em outros aspectos”. Após ter aulas com Carlo Little, baterista do Screaming Lord Sutch, integrou suas primeiras bandas, o The Escorts e o The Beachcombers.

Em 1964 se juntou ao The Who, substituindo Doug Sandom. Tornou-se a figura mais carismática junto aos fãs, além de ser reconhecido como um dos principais músicos de todos os tempos, muito por conta de seu jeito pouco usual de abordar o instrumento.

Morreu no dia 7 de setembro de 1978, em decorrência de uma overdose medicamentosa agravada pelo consumo excessivo de álcool. Era padrinho de Zak Starkey, filho de Ringo Starr (Beatles) e seu atual substituto na banda que o consagrou.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
7
Share