Por que o Pink Floyd sofreu nos primeiros anos sem Syd Barrett, segundo David Gilmour

Guitarrista e vocalista refletiu sobre os percalços sofridos pela banda em entrevista de 1973, recentemente resgatada

Quando Syd Barrett saiu, o futuro do Pink Floyd foi posto em cheque. Hoje, com toda a história construída e consagrada, é fácil olhar para trás e ver que a coisa funcionou até melhor do que o inicialmente esperado pelos próprios. Porém, a ausência do primeiro líder parecia estar abrindo um buraco disposto a engolir o grupo.

Em 1973, com “The Dark Side of the Moon” estourado nas paradas, David Gilmour refletiu sobre a situação em entrevista ao Melody Maker – recentemente resgatada pela Classic Rock. Amigo de Barrett desde a infância, o guitarrista e vocalista conviveu com o colega durante apenas duas semanas no período em que ambos estiveram na banda. E reconheceu ter ficado temeroso com o prosseguimento das atividades.

“No começo eu senti que precisaríamos mudar muito. Foi uma experiência paranoica. Afinal, Syd era uma lenda viva. Demorei muito para me sentir parte do grupo depois que ele saiu. Era uma banda tão estranha e muito difícil para mim saber o que estávamos fazendo. As pessoas deixaram de acreditar em nós depois que Syd saiu. Todos pensavam que ele era a banda e havia nos dispensado. Foram tempos difíceis.”

- Advertisement -

A situação se agravou após os empresários Peter Jenner e Andrew King, da Blackhill Enterprises, optarem por representar Barrett e cortar seus laços comerciais com o Pink Floyd. Apesar disso, os músicos não tiveram nenhum ressentimento contra o colega.

Leia também:  A banda e o disco que mudaram a vida de Slash, segundo o próprio

Eles até mesmo tocaram e produziram várias canções no primeiro álbum solo de Syd, “The Madcap Laughs” (1970). Gilmour e o tecladista Richard Wright ainda trabalhariam em seu disco seguinte, “Barrett”, disponibilizado no mesmo ano. Sobre as gravações, David se limitou a dizer:

“Que experiência. Só Deus sabe o que ele estava fazendo.”

Apesar de tudo, o músico exaltou o talento do difícil companheiro.

“Ele foi uma das grandes tragédias do rock and roll. Uma das pessoas mais talentosas que conheci. Poderia ter dado muito mais. Era capaz de escrever grandes canções. Se tivesse continuado certo, poderia ter derrotado Ray Davies (The Kinks) em seu próprio jogo.”

Pink Floyd e o novo documentário sobre Syd Barrett

“Have You Got It Yet? The Story Of Syd Barrett And Pink Floyd”, documentário sobre o primeiro líder do Pink Floyd, foi lançado mês passado nos Estados Unidos e mercados europeus. Produzido pelo cineasta Roddy Bagawa e o fundador da Hipgnosis, Storm Thorgerson, o filme conta com depoimentos dos três membros da banda ainda vivos.

Leia também:  O álbum do Black Sabbath com Dio que Iommi chama de “confuso”

Outros entrevistados são os empresários Peter Jenner e Andrew King, além de músicos como Pete Townshend (The Who) e Graham Coxon (Blur).

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que o Pink Floyd sofreu nos primeiros anos sem Syd Barrett,...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades