A resenha de Charles Gavin para “Reunion”, do Black Sabbath

Baterista do Titãs avaliou com nota 10 o álbum ao vivo que marcou o reencontro da formação original dos pais do heavy metal

Lançado em 20 de outubro de 1998, “Reunion” foi o primeiro disco ao vivo oficial da formação original do Black Sabbath – “Live at Last” é considerado um bootleg semioficial, lançado pelo antigo empresário sem consentimento dos músicos, em uma época onde estavam separados.

O alvoroço à época foi grande, especialmente porque muitos sequer esperavam um reencontro. Afinal de contas, Ozzy Osbourne se tornou um gigante solo, enquanto a banda embarcou em uma série de decisões equivocadas de negócios que comprometeu seriamente a carreira. Quem não lembra o Monsters of Rock brasileiro, quando o grupo tocou antes do Slayer, no terceiro posto da grade de atrações?

- Advertisement -

Ainda assim, a aposta se pagou, apesar dos imbróglios de bastidores. A revista brasileira Showbizz publicou uma resenha do disco feita por Charles Gavin. Nela, o baterista do Titãs exalta o reencontro e seu ídolo Bill Ward.

Leia também:  O guitarrista que David Gilmour morreu de medo de fazer cover

Sonhos não envelhecem

Black Sabbath ao vivo? Em sua formação original? E aí, vale a pena? Vale. Para começar, este concerto resgata o prazer de ouvir Bill Ward, um dos maiores bateristas do meu tempo, tocando bem como sempre. Traz ainda o insubstituível Ozzy Osbourne.

Tony Iommi (guitarra) e Geezer Butler (baixo) se reuniram aos citados acima para um show em comemoração a trinta anos de rock ‘n’ roll. Obviamente, a fúria e energia do Black Sabbath não são as mesmas dos anos 70. Mesmo assim, a performance é excelente, divertida e convincente.

A velha química ainda existe e fica provado que uma boa canção não envelhece nunca. Duvida? Ouça então “Sabbath Bloody Sabbath”, “Snowblind”, “Paranoid” e “War Pigs”, entre outras. Para os fãs eternos e para aqueles que acham Nine Inch Nails o máximo, eu digo que este álbum é absolutamente necessário.

Nota 10

Charles Gavin

Black Sabbath e “Reunion”

“Reunion” foi gravado durante shows realizados nos dias 4 e 5 de dezembro de 1997 em Birmingham, Inglaterra, cidade natal da banda. Duas faixas de estúdio foram registradas como bônus. São as únicas assinadas somente por Ozzy Osbourne e Tony Iommi em toda a história do grupo.

Leia também:  O álbum do Mercyful Fate do qual Hank Shermann menos gosta

“Psycho Man” é o último registro inédito da formação original. Em “Selling My Soul”, Bill Ward foi substituído por uma bateria eletrônica. O trabalho ganhou discos de platina nos Estados Unidos e Canadá, além da premiação de prata no Reino Unido.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA resenha de Charles Gavin para “Reunion”, do Black Sabbath
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades