Antigo apoio do Foo Fighters a ONG negacionista da aids volta a ser assunto nas redes

Após provocação de Dave Grohl a Taylor Swift durante recente show, banda teve comportamento exposto por fãs da popstar

Mexer com astros pop na era das redes sociais e do livre acesso a informações não é algo bom. Que o diga o Foo Fighters. Após a recente provocação de Dave Grohl a Taylor Swift durante show da banda na Inglaterra, a banda teve um esqueleto retirado do armário: o apoio a uma ONG negacionista da aids, ocorrido no início do século.

­

- Advertisement -

A conexão começou em janeiro de 2000, quando o grupo realizou um show em apoio à Alive & Well. A organização defendia a ideia de que o HIV era um vírus inofensivo e, na verdade, o que causaria o avanço da doença seria justamente o uso dos medicamentos retrovirais que ajudam a mantê-la sob controle.

O maior incentivador foi o baixista Nate Mendel, após ler o livro “E Se Tudo Que Você Ouviu Sobre Aids Estiver Errado?”, publicado pelos conspiracionistas em 1996. Os colegas compraram o discurso. Há um registro em vídeo onde Dave Grohl fala – conforme resgate do Tenho Mais Discos Que Amigos –, a 2min3seg:

“Eu acho que a maioria das pessoas está com muito medo da aids. Acho que as pessoas foram ‘forçadas’ a acreditar que é uma sentença de morte.”

Até o ano de 2003, o Foo Fighters mantinha em seu site um link da Alive & Well, mencionando a entidade como uma instituição recomendada a receber apoio dos fãs. À época, o Ministério da Saúde dos EUA publicou uma nota oficial (via The Monthly) em que disse:

“O Foo Fighters estar promovendo essa ideia é algo extraordinariamente irresponsável. Não há dúvidas sobre a ligação entre o HIV e a aids na comunidade científica, e é muito ruim que a banda adote essa teoria depois de ler apenas um livro. Dizer que o HIV não causa aids é como dizer que a Terra não é redonda.”

Leia também:  A maior música da história do rock, na opinião de Andreas Kisser

Nate Mendel chegou a se defender durante entrevista à revista Mother Jones, onde argumentou:

“Esta matéria trata os nossos esforços com muita ironia. Eu não sou médico, e sou relativamente novo nesse assunto, mas estou convencido de que as pessoas que testaram positivo para o HIV e as pessoas que estão doentes de aids não estão recebendo todas as informações disponíveis.”

A divisão entre os fãs do Foo Fighters

Desde o resgate do caso, os fãs estão divididos nas redes sociais. Alguns ficaram surpresos com a revelação e disseram que irão abandonar a banda. Outros ressaltaram a mudança de pensamento, o desvinculamento das ideias e o reposicionamento. Também destacaram que Grohl e companhia tomaram uma série de atitudes em anos recentes que indicam uma nova postura.

Por outro lado, os próprios defensores também reconhecem que o grupo nunca veio a público combater a desinformação que ajudou a disseminar outrora. Ao contrário, o conteúdo simplesmente foi apagado e o assunto jamais voltou a ser abordado. Talvez esteja aí uma oportunidade.

Threads sobre o assunto podem ser conferidas no X/Twitter clicando aqui e aqui (é preciso estar logado).

Alive & Well e Christine Maggiore

A Alive & Well foi criada por Christine Maggiore. Ela foi diagnosticada soropositiva em 1992. Porém, contestou o resultado durante toda a vida. O auge da polêmica veio em 2002 quando, grávida, não adotou nenhuma medida de risco, fazendo com que sua filha, Eliza Jane Scovill, fosse contaminada.

Eliza morreu em 2005, aos 3 anos, de complicações ligadas ao vírus. Ainda assim, sua mãe continuou negando a causa, alegando ter sido uma reação à amoxicilina que lhe foi administrada no hospital. A própria Christine faleceu em 27 de dezembro de 2008, aos 52 anos de idade.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesAntigo apoio do Foo Fighters a ONG negacionista da aids volta a...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades