O álbum do Black Sabbath com Dio que Iommi chama de “confuso”

Segundo disco da banda com o vocalista teve sessões conturbadas, com direito a projeto de estúdio próprio abandonado

O Black Sabbath reabilitou a carreira com o lançamento do álbum “Heaven and Hell” (1980). A entrada de Ronnie James Dio injetou novo ânimo na banda, além de possibilidades sonoras diferentes das que Ozzy Osbourne era capaz de oferecer. O esforço foi reconhecido pelos fãs, com o trabalho obtendo o melhor desempenho de um disco da banda em anos.

­

- Advertisement -

O passo seguinte veio na forma de “Mob Rules” (1981). A despeito de algumas críticas, o resultado agradou o público, que seguiu prestigiando. Porém, dentro do grupo, as coisas já não eram mais as mesmas.

Quem garante é Tony Iommi. Em 1992, o único membro presente em todas as formações deu um panorama do cenário à época. E não foi dos melhores.

O guitarrista explicou, em entrevista à Guitar World (via Far Out Magazine):

“Todos estávamos passando por muitos problemas naquela época, a maioria deles relacionados às drogas. Até Martin Birch, estava envolvido pelo vício e prejudicou o som daquele disco. Quando isso acontecer com o seu produtor, você estará realmente ferrado.”

Sendo assim, não é de se estranhar o adjetivo dado pelo mestre dos riffs ao resultado.

Leia também:  Por que o Black Sabbath está mais satânico em “Headless Cross”

“‘Mob Rules’ foi um álbum confuso para nós. Começamos a escrever músicas de maneira diferente por algum motivo e acabamos não usando muito material realmente bom. Aquela formação [Iommi, Dio, Butler, Ward] foi realmente ótima, mas tudo desmoronou por motivos muito bobos – estávamos todos agindo como crianças. No fim das contas, acho que precisávamos nos separar de Ronnie e ganhar um pouco de espaço para respirar para podermos fazer o que estamos fazendo com ele agora (nota da redação: a entrevista foi realizada no período de ‘Dehumanizer’, que marcou o reencontro com o cantor).”

Black Sabbath e “Mob Rules”

Lançado em 4 de novembro de 1981, “Mob Rules” é o décimo trabalho de estúdio do Black Sabbath. Foi o primeiro a contar com o baterista Vinny Appice, que substituiu Bill Ward em meio à turnê de “Heaven and Hell”.

Leia também:  Por que os Beatles saíram escorraçados de Manila, segundo Ringo Starr

Após ter se afastado temporariamente durante as sessões do antecessor, Geezer Butler participou ativamente do processo de composição. Apesar de não ter alterado dramaticamente a fórmula usada no anterior, a presença do baixista resgatou algumas características do passado.

Inicialmente, a ideia era gravar tudo em um estúdio construído pela própria banda, para economizar custos. Porém, após não encontrarem o som desejado, partiram para Los Angeles, Estados Unidos, com o produtor Martin Birch.

“Mob Rules” ganhou discos de ouro nos Estados Unidos e Canadá, além da premiação de prata no Reino Unido. Após a turnê de divulgação, que gerou o álbum ao vivo “Live Evil” (1982), Dio e Appice sairiam do grupo.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO álbum do Black Sabbath com Dio que Iommi chama de “confuso”
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades