As bizarras exigências de Robert Fripp para participar do G3, segundo Joe Satriani

Guitarrista do King Crimson pediu que seu nome não aparecesse entre as atrações e quis tocar antes do show realmente começar

Em 2004, Joe Satriani surpreendeu o mundo ao anunciar a formação para a então próxima turnê do G3. Steve Vai estaria ao seu lado, como quase sempre. Porém, o outro nome da escalação era ninguém menos que Robert Fripp.

O líder do King Crimson não era exatamente uma figura que o público imaginaria no projeto de virtuoses. Não à toa, ele acabou sendo o legítimo estranho no ninho, chegando até mesmo a ser vaiado em algumas apresentações – incluindo a passagem pelo Brasil.

Em recente entrevista à Guitar Player, Satriani destacou as peculiaridades que precisou lidar no relacionamento com o gigante do rock progressivo.

“Bem, um dos personagens mais interessantes foi Robert Fripp, sem dúvida. Quando ele se juntou, insistiu que não fosse listado entre as atrações e queria tocar antes do show em si começar. Disse: ‘Olha, não acenda as luzes. Vou me sentar atrás de todos os amplificadores e tocar música enquanto as pessoas entram no local e encontram seus lugares. E não mencione o meu nome’. É o que ele queria fazer.

Às vezes Stu Hamm (baixista de Satriani) tocava com ele sem avisar. Ia até o palco, sentava bem ao lado de Robert e começava a acompanhar, ou alguns dos outros caras tocavam. Foi realmente muito bonito. Robert é tão um ser humano maravilhoso e um músico incrível.”

Robert Fripp e King Crimson

Nos últimos tempos, Robert Fripp se tornou um meme na internet por conta de suas performances com a esposa Toyah Willcox durante a pandemia.

O King Crimson realizou recentemente o que pode ter sido sua última turnê – embora os próprios músicos mantenham um suspense por conta do indomável espírito de seu líder.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

3 comentários
  1. Quais foram as “exigências bizarras” da chamada da matéria? Nada de bizarro. Fripp queria prover a atmosfera dos concertos com seus frippertonics e soundscapes antes do show começar. E daí? O que tem de bizarro nisso? Bizarro é usar certos artifícios para caçar cliques. Fala sério…

    1. Tirar seu nome do cartaz do próprio show não é bizarro? Começar seu show antes do horário não é bizarro? São coisas comuns?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
41
Share