A música em que Paul McCartney reflete sobre o fim dos Beatles

“Man We Was Lonely” reflete o estado de espírito do músico após entrar em litígio judicial com os amigos

Quando os Beatles encerraram atividades enquanto banda, Paul McCartney precisou travar uma luta interna em busca de motivação para superar o ocorrido. Especialmente após o rompimento artístico ter desencadeado uma série de batalhas legais, abalando as estruturas do que era não apenas uma colaboração musical, mas uma amizade.

Sendo assim, nada mais natural que uma música refletisse esses pensamentos. E ela apareceu logo em “McCartney”, álbum solo lançado já em 1970. Em entrevista à Billboard, resgatada pelo Cheat Sheet, o filho ilustre de Liverpool falou sobre como se sentia àquela altura.

- Advertisement -

Ele disse:

“Meu maior problema foi que tive que processar os Beatles. Tentei processar Allen Klein, mas ele não fazia parte de nenhum dos acordos, então acabei tendo que entrar em litígio com meus melhores amigos por uma questão técnica. Era a última coisa no mundo que eu queria fazer, mas a única possível.”

Foi nesse clima que surgiu a inspiração para “Man We Was Lonely”. Afundado no álcool, Paul via a composição como uma forma de expressar a solidão que sentia e a turbulência de sentimentos dentro de si.

Leia também:  Em relato sincero, Jon Bon Jovi revela quando problemas vocais começaram

“Gosto da frase ‘E tivemos dificuldade em encontrar um sorriso’, mesmo sendo uma coisa piegas. ‘Cara, estávamos sozinhos’. Foi um reflexo daqueles tempos. Eu sabia que tinha que sair dos Beatles. Alguém precisava fazer isso para libertar todos os outros. Foi uma decisão muito difícil. ‘Man We Was Lonely’ reflete isso.”

Paul McCartney e o álbum “McCartney”

Lançado em 17 de abril de 1970, “McCartney” foi concebido durante o período do rompimento dos Beatles. O “último prego no caixão” apareceu justamente no press-release do disco, onde Paul anunciava sua saída em definitivo.

Abalado pelos momentos agônicos da banda, Macca descreveu seu estado durante as gravações como “deprimido, chocado, decepcionado e embriagado, a ponto de ter um colapso nervoso”.

Leia também:  Kiko Loureiro anuncia venda de equipamentos usados no Megadeth

Com exceção de algumas participações de sua esposa, Linda, o próprio cantou e executou todos os instrumentos. Para não alarmar fãs e imprensa, nem dar pistas sobre o que estava acontecendo, Paul agendou as sessões em Abbey Road sob o pseudônimo Billy Martin.

“McCartney” chegou ao primeiro lugar na parada norte-americana – onde ganhou disco de platina dupla – e segundo na britânica.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA música em que Paul McCartney reflete sobre o fim dos Beatles
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades