Os 50 melhores discos de 2021, segundo a Rolling Stone

Tradicional publicação trouxe álbuns de rock em meio à sua lista de destaques do ano

Revista que mudou a cara da cultura pop nos anos 1960, a Rolling Stone publicou sua lista de melhores discos de 2021.

Publicaremos o top 50, dando maior ênfase aos comentários sobre discos que compreendem o segmento a que o site se enquadra.

Os 50 melhores discos de 2021 para a Rolling Stone

  1. St. Vincent – Daddy’s Home: “Discreto, inteligente e gloriosamente deprimido, o mais recente álbum de St. Vincent nos leva de volta à Nova York do Velvet Underground e aos desamparados da Factory, nos deixando relaxados entre o brilho e a areia. Camaleoa do rock & roll da nossa geração, Annie Clark investiga a coleção de discos de seu pai, anteriormente encarcerado, para entregar músicas de Bowie e Prince que são simultaneamente totalmente dela, tecendo em metais e cantores de apoio, enquanto ainda reflete aquele musical em tons da era sépia. O apelo de retrocesso do álbum torna-se ainda mais delicioso porque sabemos que Clark só habitará esta pele até o próximo disco, tornando a ansiedade ainda maior para ver onde ela irá em seguida”.
  2. James McMurtry – The Horses and the Hounds: “Olhando para os anos 60, o cantor e compositor de Austin continuou em sua recente sequência atordoante, apresentando um ponto alto de sua carreira com esta coleção de contos contundentes de cavaleiros enrugados, assassinos envergonhados, desencantados veteranos da Guerra do Iraque e flertes ardorosos, com um rock de raíz inspirado no colaborador de longa data Ross Hogarth. ‘Lucrando com uma paixão de 30 anos’, McMurtry canta, de forma mais memorável, no clássico instantâneo ‘Canola Fields’, faixa de abertura. ‘Você não pode ser jovem e fazer isso’, ele diz. Nem você pode ser jovem e escrever um álbum tão sábio, espirituoso e emocionalmente generoso quanto o mais recente de McMurtry”.
  3. Drake – Certified Lover Boy
  4. Jhay Cortez – Timelezz
  5. Tomorrow X Together –The Chaos Chapter: Fight or Escape
  6. Boldy James and the Alchemist – Bo Jackson
  7. Iron Maiden – Senjutsu: “Por mais que os fãs do Maiden desejassem que a banda repetisse cavalos de guerra como ‘Run to the Hills’ ou ‘The Trooper’, os headbangers de longa data nunca olharam para trás. Senjutsu, 17º álbum, é seu golpe de mestre mais progressivo até então. Eles ainda tocam os típicos riffs hipnóticos vagamente celtas que os tornaram famosos e o vocalista Bruce Dickinson ainda pode vencer uma batalha semelhante a John Henry com uma sirene de ataque aéreo. Mas como em The Book Of Souls, de 2015, eles elevaram suas composições com estruturas mais intrincadas e letras mais inteligentes do que quando começaram há 40 anos. Os épicos mais longos de Senjutsu (‘Hell on Earth’, ‘The Time Machine’) são os melhores aqui – o grupo se perde na jornada e traz ouvintes com eles – provando que o Iron Maiden ainda é inovador tanto quanto lenda”.
  8. Myke Towers – Lyke Mike
  9. Illuminati Hotties – Let Me Do One More
  10. Mickey Guyton – Remember Her Name
  11. Foo Fighters – Medicine At Midnight: “Coube ao líder de torcida mais infatigável do rock, Dave Grohl, sair de uma pandemia deprimente com refrões na-na-na edificantes, ganchos de palmas e um álbum de letras sobre esperança e perseverança. No 10º álbum do Foo Fighters, o sexteto flexiona suas costelas pop, experimentando loops (‘Medicine at Midnight’), backing vocals de coral gospel (‘Making a Fire’) e dedilhados vítreos jazzísticos (a balada ‘Chasing Birds’). Em cada uma das nove faixas do álbum, o otimismo de Grohl parece servir como o farol inextinguível da banda. E eles acabam soando ainda mais soltos do que o normal desta vez, como se estivessem se divertindo muito. Pode chamar de medicamento, mas seus efeitos colaterais são infecciosos”.
  12. Topaz Jones – Don’t Go Tellin’ Your Momma
  13. Yola – Stand For Myself
  14. Pooh Shiesty – Shiesty Season
  15. Little Simz – Sometimes I Might Be Introvert
  16. Silk Sonic – An Evening With Silk Sonic
  17. Adult Mom – Driver
  18. Summer Walker – Still Over It
  19. Snail Mail – Valentine
  20. Madlib – Sound Ancestors
  21. Mustafa – When Smoke Rises
  22. Young Thug – Punk
  23. Mabiland – Niñxs Rotxs
  24. The Weather Station – Ignorance
  25. Mdou Moctar – Afrique Victime: “De certa forma, Afrique Victime do Mdou Moctar soa tanto como uma inversão do rock & roll quanto como o disco de rock mais puro lançado nos últimos anos. O cantor e guitarrista Tuareg dispensou as marcas estruturais do gênero – raramente há uma batida de fundo (a maioria das músicas não está nem mesmo em seu ritmo 4/4 típico) – mas ele retalha sua guitarra de forma mais fluida e apaixonada do que praticamente qualquer herói de seis cordas para enfeitar a capa de uma revista de guitarra nos últimos anos. Quando coloca seu instrumento no centro das atenções, como em ‘Taliat’ ou em sua desconectada (e totalmente não-Clapton) ‘Layla’, parece que o resto da música o está seguindo. E quando sua voz e guitarra trabalham juntas na faixa-título, o efeito é verdadeiramente transcendente.”.
  26. Carly Pearce – 29
  27. Dry Cleaning – New Long Leg
  28. Cimafunk – El Alimento
  29. Dawn Richard – Second Line
  30. Doja Cat – Planet Her
  31. Leon Bridges – Gold-Diggers Sound
  32. Arlo Parks – Collapsed in Sunbeams
  33. Halsey – If I Can’t Have Love, I Want Power: “Na faixa de abertura assustadora de If I Can’t Have Love, ‘The Tradition’, Halsey revela o mantra de não tomar prisioneiros que a serviram bem enquanto fazia o álbum: ‘Peça perdão, nunca permissão’. Ela fez o álbum inteiro com Trent Reznor e Atticus Ross, do Nine Inch Nails, servindo como produtores executivos e coescritores. A improvável parceria funcionou surpreendentemente bem. Mesmo que ela tenha nascido seis meses após o lançamento de The Downward Spiral, a cantora evoca um legítimo grunge em ‘Easier Than Lying’ e as sensibilidades de electro-rock dos Nails traduzem perfeitamente para o reino pop de Hasley em ‘Girl Is a Gun’ e ‘I Am Not A Woman, I’m A God’, canções em que o toque respectivo de cada artista complementa perfeitamente o outro”.
  34. Tems – If Orange Was A Place
  35. Low – Hey What
  36. Billie Eilish – Happier Than Ever
  37. Polo G – Hall Of Fame
  38. Morgan Wade – Reckless
  39. PinkPantheress – To Hell With It
  40. Playboi Carti – Whole Lotta Red
  41. Japanese Breakfast – Jubilee
  42. C. Tangana – El Madrileño
  43. Turnstile – Glow On: “O gênero basicamente não tem sentido hoje em dia. O Turnstile é mais uma prova disso. Ostensivamente uma banda de punk hardcore, o grupo de Baltimore entrega o tipo de rock de arena desavergonhado que agradará tanto a qualquer um que possuiu um CD do Sum 41 quanto os fãs de Arthur Russell. A combinação é profundamente satisfatória e divina. Em Glow On, a banda toca rock de guitarra com chuvas de gotas eletrônicas (‘Mystery’), piano delicado (‘Holiday’) e timbale (‘Blackout’). A música rock soou como, bem, música rock por muito tempo. O Turnstile é o futuro”.
  44. Jazmine Sullivan – Heaux Tales
  45. Lil Nas X – Montero
  46. Lucy Dacus – Home Video
  47. Tyler, the Creator – Call Me If You Get Lost
  48. Rauw Alejandro – Vice Versa
  49. Adele – 30
  50. Olivia Rodrigo – Sour

Os comentários sobre os outros álbuns podem ser conferidos (em inglês) no site da publicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
23
Share