Em vídeo, o incrível momento em que Paul McCartney cria “Get Back” para os Beatles

Documentário “The Beatles: Get Back” mostra músico criando do zero uma das canções mais célebres da fase final da banda

Entre os vários registros feitos para o filme “Let it Be” e reaproveitados para o documentário “The Beatles: Get Back”, estão os momentos em que os Beatles improvisavam em busca de novas composições. O mais mágico de todos acontece quando Paul McCartney, pressionado pelo prazo de entrega do trabalho, acaba criando o que seria “Get Back”.

A música se tornou o primeiro single do álbum que seria homônimo ao filme. Também dá nome à produção recém editada por Peter Jackson reaproveitando as filmagens feitas para a obra original de Michael Lindsay-Hogg.

No vídeo podemos ver McCartney elaborando uma progressão de acordes passo a passo. Enquanto isso, temos George Harrison balançando acompanhando na guitarra e Ringo Starr modelando uma batida básica.

John Lennon chega com o processo já em andamento, após o baixista e vocalista ter reclamado de sua ausência no início – de forma descontraída, mas deixando aquele fundo de verdade implícito.

O momento pode ser conferido abaixo. Um pequeno e eficiente exemplo da genialidade da banda mais influente de todos os tempos.

Paul McCartney cria “Get Back” para os Beatles

Sobre The Beatles: Get Back

Disponível no Disney+, “The Beatles: Get Back” resgata o material produzido pelo diretor britânico Michael Edward Lindsay-Hogg entre os dias 2 e 31 de janeiro de 1969. Na época, os Beatles trabalhavam em estúdio na criação de um álbum que seria intitulado “Get Back”, mas acabou se tornando “Let It Be” (1970), o último da carreira da banda.

A ideia era produzir um especial de TV na época, mas o projeto se transformou no documentário “Let It Be”, também lançado em 1970. O período foi marcado por tensões internas na banda, com direito a uma breve saída do guitarrista George Harrison. Por esse e outros motivos, o álbum acabou engavetado e a banda gravou “Abbey Road” (1969) em seguida, sendo lançado antes do próprio “Let It Be”.

Agora, o novo projeto promete restaurar e digitalizar o filme original, além de apresentar material complementar.

Para isso, Peter Jackson, notável por trabalhos como a trilogia “O Senhor dos Anéis”, ficou a cargo de analisar 55 horas de filmagens inéditas sobre as sessões em estúdio. Além disso, ele gerenciou 140 horas em captações de áudio para decidir o que aproveitar.

Em comunicado anterior, Peter Jackson disse que o filme original focou demais na tensão existente entre os integrantes – o que não acontecerá na nova produção. “Existem momentos dramáticos, mas nada como o que as pessoas dizem há tanto tempo”, disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
23
Share