Novo produtor de David Gilmour não sabia quem era Richard Wright

Charlie Andrew precisou perguntar a respeito do saudoso tecladista enquanto trabalhavam na faixa-título do álbum “Luck and Strange”

Pela primeira vez em nove anos, David Gilmour lançará um novo álbum solo. Intitulado “Luck and Strange”, o disco chega a público no dia 6 de setembro. Charlie Andrew ficou a cargo da co-produção e, como divulgado, foi escolhido a dedo pelo guitarrista do Pink Floyd e pela esposa e escritora Polly Samson.

Surpreendentemente, antes do projeto, o profissional não sabia quem era Richard Wright, saudoso tecladista da banda mencionada. O próprio fez a revelação durante entrevista à Uncut (via Ultimate Classic Rock).

- Advertisement -

Ao conversar com o veículo, o produtor, mais conhecido pela colaboração com o Alt-J, contou que o assunto surgiu enquanto trabalhavam na faixa-título. A música em questão contém teclados gravados em 2007 por Wright, falecido no ano seguinte ao registro. 

Por isso, Gilmour passou o período de criação citando o nome do antigo colega. Sem saber de quem se tratava, Andrew precisou, em determinado momento, interrompê-lo e perguntá-lo a respeito, como declarou: 

“Compreensivelmente, David ficou mencionando o nome de Rick enquanto falava sobre ‘Luck and Strange’. E eu disse, ‘sinto muito, David, eu tenho que te interromper: quem é Rick?’ Mas acho que essa tenha sido a graça para David. Não estou tentando emular outro álbum do Pink Floyd ou outro de seus álbuns solo.”

Ao mesmo veículo, Gilmour disse que fez “testes com pessoas diferentes” para a produção, mas nada parecia encaixar. Junto da companheira, até pediu conselhos para amigos, incluindo Mark Knopfler (Dire Straits). O casal acabou impressionado pelo trabalho de Charlie, sobretudo pela personalidade do profissional:

Leia também:  Por que o Black Sabbath mudou em “Tyr”, segundo Tony Martin

“Charlie parecia com a gente. Mais jovem, mas na mesma sintonia. Ele trabalhou no estúdio Abbey Road quando era mais novo e isso é sempre algo marcante para mim. Não houve um falso respeito por parte dele ou qualquer coisa do gênero. Ele fala sobre as coisas de uma maneira muito direta e isso é ótimo. Uma das primeiras coisas que ele disse foi: ‘por que todas as músicas precisam acabar com um fade out?’. Nesse momento, você percebe que ficou apenas cultivando um hábito sem propósito. Ele também perguntou: ‘por que você precisa colocar um solo de guitarra em tudo?’ É revigorante estar com uma pessoa que não está intimidada.”

Sobre “Luck and Strange”

“Luck and Strange” chega a público por meio da Sony Music. Em comunicado, o eterno guitarrista do Pink Floyd conta que o sucessor de “Rattle That Lock” (2015) começou a ser desenvolvido durante a pandemia de covid-19.

Ainda de acordo com o material à imprensa, a escritora Polly Samson, esposa de Gilmour e responsável pelas letras, contou que a ideia por trás das composições reflete “o ponto de vista de se estar mais velho”. “A mortalidade é uma constante”, completou.

Por sua vez, David refletiu:

“Passamos muito tempo durante e após o lockdown conversando e pensando sobre esse tipo de coisa.”

Para este álbum, seu quinto em carreira solo, o músico trabalhou com o co-produtor Charlie Andrew (Alt-JMarika Hackman). De acordo com o protagonista, Andrew trouxe uma nova perspectiva.

Leia também:  Como os Beatles influenciaram o Green Day em “American Idiot”, segundo Billie Joe

“Convidamos Charlie para ir à nossa casa, então ele ouviu algumas demos e disse coisas como: ‘Bem, por que tem que haver um solo de guitarra lá?’ e ‘Todas essas músicas acabam com fade-out? Algumas delas não podem simplesmente acabar normalmente?’. Ele tem uma maravilhosa falta de conhecimento ou respeito pelo meu passado. Ele é muito direto e nada intimidado. E eu adoro isso. Isso é muito bom para mim, porque a última coisa que você quer é que as pessoas simplesmente se submetam a você.”

Outros colaboradores incluem Guy Pratt (músico frequente do Pink Floyd), Steve Gadd e Roger Eno, entre outros. A capa é de Anton Corbijn e foi inspirada em uma letra escrita por um dos filhos de Gilmour, Charlie, para a faixa final do álbum, “Scattered”.

Há outros familiares envolvidos: Romany Gilmour toca harpa e faz vocais principais em “Between Two Points” (cover de Montgolfier Brothers), enquanto Gabriel Gilmour canta backing vocals no geral.

Sobre Richard Wright

Richard Wright faleceu em 15 de setembro de 2008, aos 65 anos, em decorrência de um câncer. Exceto por um período na primeira metade dos anos 1980, esteve presente em todas as atividades da banda. Ainda participou de discos solo de dois colegas, Syd Barrett e David Gilmour.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesNovo produtor de David Gilmour não sabia quem era Richard Wright
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades