O que o Green Day diz sobre alegações de que seria “antiamericano”

Banda vem deixando claras suas posições políticas em décadas recentes, para descontentamento de alguns fãs

A participação do Green Day no “Dick Clark’s New Year’s Rockin’ Eve” – o show da virada roqueiro nos Estados Unidos, transmitido pela ABC – trouxe uma surpresa aos fãs. A banda promoveu uma pequena alteração na letra de “American Idiot”, faixa-título do seu sétimo álbum, que completa duas décadas de lançamento em 2024.

A parte que diz originalmente “I’m not a part of a redneck agenda” (“Eu não faço parte de uma agenda caipira”) foi modificada para: “I’m not a part of the MAGA agenda” (“Eu não faço parte da agenda MAGA”). A menção faz referência ao slogan “Make America Great Again”, propagado por Donald Trump desde sua primeira campanha à presidência dos Estados Unidos.

- Advertisement -

Desde então, o grupo vem sofrendo críticas de fãs e parte da mídia com inclinação declarada ao Partido Republicano. As falas vão desde a tradicional ideia de que “música e política não se misturam” até acusações de que o trio seria “antiamericano”.

Em nova entrevista ao Los Angeles Times, o vocalista e guitarrista Billie Joe Armstrong partiu para o confronto e rebateu as argumentações. Ele começou dizendo:

“Sou realmente relutante em ir para a cama com qualquer político. Não que alguma vez nos tenham convidado. Acho que há um lado nosso que as pessoas podem considerar antiamericano, por isso nos mantêm à distância. Mas se não nos importássemos com este país, não diríamos nada.”

O frontman também deixou claro que considera as críticas à idade do presidente Joe Biden injustas. Porém, destacou que há uma superabundância de “velhos” no governo.

Leia também:  Quarta temporada de “The Boys” ganha data de estreia

“Não há uma única pessoa da Geração X em cargos superiores neste momento que tenha qualquer influência real. São os boomers que não querem abrir mão de seu poder. Vejo millennials como AOC ou Lauren f— Boebert. Mas nós da Geração X fomos ignorados. A ideia de dar algo aos seus filhos sobre o qual eles possam construir parece estar simplesmente morta.”

Green Day x Trump

As críticas da banda ao ex-presidente e provável candidato do Partido Republicano à Casa Branca vêm de longa data. Em 2016, quando o empresário venceu a eleição, o vocalista e guitarrista Billie Joe Armstrong o comparou a Hitler durante entrevista à revista Kerrang!

“Ele diz ‘você não tem opções, eu sou o único’. Isso é a p*rra do Hitler, cara! Não sei nem como explicar isso. Gostaria de estar exagerando. E às vezes eu exagero com George Bush. Mas com Trump… mal posso esperar até que ele simplesmente desapareça.”

O músico ainda teorizou sobre o que fazia com que a população se atraísse pelo então candidato.

“O maior problema que vejo sobre Trump é sobre quem são seus seguidores. Na verdade, me sinto mal por eles, porque são pobres, da classe trabalhadora e não têm vantagens. Eles estão chateados e Trump fisgou a raiva deles.”

Campanha para “American Idiot”

Dois anos mais tarde, os fãs britânicos resolveram realizar uma campanha para recolocar “American Idiot” nas paradas. A ideia era homenagear a banda e, ao mesmo tempo, provocar Trump, que estava em viagem pelo Reino Unido à época.

Leia também:  Dave Mustaine diz que ainda está lidando com Kiko Loureiro fora do Megadeth

Um resultado expressivo foi alcançado, com a canção atingindo o 25º lugar no chart geral. Nos downloads, o desempenho foi ainda melhor, alcançando o 2º posto no dia 13 de julho.

A mug shot de Donald Trump

Em agosto do ano passado, o Green Day foi além e vendeu camisetas com uma mug shot (foto tirada quando o indivíduo é preso e fichado pelas autoridades) de Trump. A ideia era promover o relançamento comemorativo de 20 anos do álbum “Nimrod”. A arrecadação foi totalmente revertida ao programa Greater Good Music, então fornecendo alimentação a vítimas dos incêndios na ilha de Maui, localizada no Havaí.

Green Day e “Saviors”

Saviors”, 14º álbum de estúdio do Green Day, sai no próximo dia 19 de janeiro, via Reprise/Warner Records. A distribuição nacional ficará a cargo da Warner Music Brasil.

As sessões de gravação foram realizadas em Londres e Los Angeles. A produção ficou a cargo de Rob Cavallo, que assinou a função em “Dookie” (1994) e “American Idiot” (2004).

Em 2024 o grupo sairá em turnê com The Smashing Pumpkins, Rancid e The Linda Lindas. O giro percorrerá estádios da América do Norte e Reino Unido, com as datas sendo divulgadas posteriormente.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasO que o Green Day diz sobre alegações de que seria “antiamericano”
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades