Alissa White-Gluz diz que seu ativismo vem antes da música

Vocalista do Arch Enemy é conhecida por sua dedicação a causas relacionadas aos direitos animais

Uma das cantoras mais bem-sucedidas das últimas gerações metálicas, Alissa White-Gluz leva seu trabalho muito a sério. Porém, sua vida não se resume a isso. Ela também milita em causas que considera de vital importância, especialmente as que envolvem a defesa dos direitos animais.

Em entrevista ao podcast Bleeding Metal (transcrita pelo Blabbermouth), a vocalista do Arch Enemy falou mais sobre a importância de lutar pelo que acredita. A ponto de, até mesmo, colocar acima daquilo que a transformou em uma figura conhecida.

“Sou uma ativista antes mesmo de ser artista. Isso é realmente o que me impulsiona todos os dias. É esperar que, de alguma forma, minha existência neste planeta possa torná-lo um pouco melhor para todos que existem atualmente no planeta e aqueles que existirão no futuro. Acima de tudo para mim estão os direitos dos animais.”

- Advertisement -

Ao ser questionada se considera isso sua missão de vida, Alissa filosofou sobre o tema.

“Não sei se as pessoas têm, tipo, um propósito na vida. Acho bom pensar que temos, mas realmente não sei se funciona assim. Acredito que o propósito de alguém na vida pode ser qualquer coisa que a própria pessoa atribua para si. Você sabe, o que quer que motive e impulsione. Não precisa ser uma coisa grandiosa. Mas com essa definição, então sim, eu diria que é o meu propósito.”

Ao mesmo tempo, a musicista garante que não possui um objeto maior do que simplesmente ajudar quando se trata de aderir a uma causa.

“Não vejo isso como um trabalho ou algo que eu possa realmente detalhar. No fundo, a verdade é que eu amo os animais. Acho incrível que compartilhemos este planeta com tantas espécies diferentes e incontáveis no céu, na água, na terra, essas criaturas incríveis. Eles parecem diferentes de nós. Têm habilidades diferentes de nós. Quero dizer, um peixe podemos apenas viver debaixo d’água; nós nos afogaríamos. Um pássaro simplesmente voa. Ainda tenho essa admiração infantil.

Acho triste que construímos uma indústria que não se importa com isso e, na verdade, só se preocupa em lucrar com a exploração de animais. E, tanto quanto possível, eu gosto de mostrar às pessoas que você não tem que participar disso. Ainda podemos ter todas as coisas que desejamos na vida – sua comida, sua maquiagem, o que quer que seja – você ainda pode ter todas essas coisas. E agora, na verdade, estou cada vez mais envolvida no espaço tecnológico quando se trata disso. Portanto, há algumas inovações muito legais acontecendo quando se trata do futuro dos alimentos e também da redução dos testes em animais.”

Sobre Alissa White-Gluz

Nascida em Montreal, Canadá, Alissa White-Gluz despontou na cena em 2004 como vocalista do The Agonist. Lançou 3 álbuns e um EP com o grupo. Em 2014 foi convidada a entrar no Arch Enemy, em substituição a Angela Gossow. Já gravou 3 discos de estúdio e um ao vivo com a banda.

Leia também:  Gustavo Mullem, ex-guitarrista do Camisa de Vênus, morre aos 72 anos

Nos últimos anos, vem preparando um trabalho solo ainda sem data a ser finalizado. De acordo com a própria, a sonoridade será diferente do que fez até hoje, além de contar com uma série de convidados especiais.

Participou de discos e turnês com Kamelot, Angra, Carnifex, Babymetal, Delain, Caliban, Soilwork, Kane Roberts e Tarja Turunen, entre outros. Mantém relação com Doyle Wolfgang Von Frankenstein, guitarrista do Misfits, há quase uma década. A parceria já se estendeu até para o campo musical.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasAlissa White-Gluz diz que seu ativismo vem antes da música
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades