O que faz David Gilmour ser um guitarrista tão bom, segundo Bob Ezrin

Produtor de vários álbuns do Pink Floyd refletiu sobre talento de Gilmour e revelou que solo de “Comfortably Numb” foi gravado de primeira

O produtor Bob Ezrin tem como uma das principais características elevar os músicos com que trabalha em seus pontos fortes. Artistas como Alice Cooper e Kiss ganharam outros patamares após firmarem parceria com o profissional de estúdio. Mas também há os casos em que o talento já está lapidado e alcança um potencial ainda maior. É o caso do Pink Floyd e mais especificamente de David Gilmour.

O guitarrista registrou alguns de seus solos mais memoráveis no álbum “The Wall” (1979), quando trabalharam pela primeira vez com o produtor canadense.

- Advertisement -

Em entrevista à Total Guitar transcrita pela Guitar World, o mago das mesas de som divagou sobre o que leva Gilmour a ser um dos mais influentes no instrumento. E usou como exemplo aquele que, talvez, seja o momento mais icônico da carreira do britânico.

“O segundo solo em ‘Comfortably Numb’, que pode ser o melhor solo de todos os tempos, é na verdade um primeiro take. Foi tão poderoso quando o ouvi e o vi tocar que literalmente trouxe lágrimas aos meus olhos – o que se repetiu muitas vezes desde então. Mesmo que este seja um disco do qual eu participei, o que me torna suspeito para julgar, esse momento ainda é um dos mais emocionantes da história da música.”

Leia também:  Max Cavalera explica por que ele e Iggor regravaram “Schizophrenia”, do Sepultura

A “musicalidade inata” de David Gilmour

Com isso, não é de se espantar que Bob Ezrin tenha uma opinião tão forte sobre David Gilmour como a que expressou logo a seguir.

“Ele tem uma musicalidade inata que é formada pelo blues. Então, ele é incrivelmente lírico e melódico. Todas as suas estruturas melódicas são construídas sobre uma base de blues. E isso o torna realmente cheio de alma.

Além disso, ele tem uma majestade de tom, e isso vem da combinação de seu vibrato lento e sua palhetada realmente precisa e quão forte segura as cordas para que as notas soem por muito, muito tempo. É algo que não muda, seja em uma guitarra elétrica, violão ou qualquer outro instrumento de cordas.

Tive o privilégio de trabalhar com alguns guitarristas realmente ótimos em minha carreira, mas devo dizer que David Gilmour é meu favorito de todos eles, e tenho certeza de que não estou sozinho nisso.”

Leia também:  Show reunindo Augusto Licks e Carlos Maltz vai a Curitiba

Bob Ezrin e Pink Floyd

Além de “The Wall”, Bob Ezrin trabalhou com o Pink Floyd em “A Momentary Lapse of Reason” (1987), “The Division Bell” (1994) e “The Endless River” (2014). Ganhou créditos em músicas como “The Trial”, “Signs of Life”, “Learning to Fly” e “Take It Back”.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO que faz David Gilmour ser um guitarrista tão bom, segundo Bob...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

1 COMENTÁRIO

  1. David Gilmour é um guitarrista que não precisa tocar na velocidade da luz…muitos acreditam que tocar na velocidade da luz é o auge, auge é criar um solo de música e emocionar as pessoas a ponto delas lacrimejarem!!!! valeu!!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades