Como Carmine Appice acabou tocando em “A Momentary Lapse of Reason”, do Pink Floyd

Veterano baterista foi um dos vários músicos de estúdio usados pela banda e pode ser ouvido na música "The Dogs of War"

O álbum “A Momentary Lapse of Reason” marca o início de uma nova fase na carreira do Pink Floyd, pois foi seu primeiro trabalho sem uma de suas principais cabeças pensantes: o baixista e vocalista Roger Waters. Para compensar, há uma longa lista de participações especiais, incluindo o baterista Carmine Appice.

A gravação foi realizada como trio, trazendo o vocalista e guitarrista David Gilmour, o baterista Nick Mason e o tecladista Richard Wright. Bob Ezrin e Gilmour assinaram a produção.

- Advertisement -

Diversos colaboradores externos foram convidados para participar do disco. O principal nome é, provavelmente, o de Appice, que trabalhou na faixa “The Dogs of War”.

Carmine Appice, em imagem recente (foto: Drumeo / divulgação)

O convite de Bob Ezrin a Carmine Appice

Veterano do hard rock e do heavy metal, Carmine Appice – irmão mais velho de Vinny Appice, baterista que tocou com Black Sabbath e Dio – já era considerado um gigante do instrumento em 1987. Até aquele momento, ele já tinha tocado com Vanilla Fudge, Cactus, Ted Nugent, Rod Stewart, Paul Stanley, King Kobra e feito parte de um trio ao lado de Jeff Beck e Tim Bogert, mas seria surpreendido com uma ligação de Bob Ezrin, como relatou ao My Drum Lessons:

“Cheguei em casa um dia e tinha uma mensagem de Bob Ezrin na secretária eletrônica. Ele disse: ‘Carmine, estou produzindo um grupo que está precisando de suas levadas de bateria’. Pensei que seria um grupo novo ou algo assim.

Liguei de volta e ele disse que era o Pink Floyd. Eu disse: ‘uau, Pink Floyd… o que aconteceu com Nick (Mason)?’. Ele disse que Nick estaria lá. Eu disse: ‘por que ele não vai tocar?’. Ele disse que Nick esteve correndo com suas Ferraris e os outros músicos queriam sangue novo, alguma energia nova. Então eu fui e passei o dia lá.”

Leia também:  O músico brasileiro que Ian Anderson ouvia no auge do Jethro Tull

A situação real no Pink Floyd não era tão simples assim. Sem Roger Waters, David Gilmour e Nick Mason estavam praticamente sozinhos e meio inseguros do que fazer em “A Momentary Lapse of Reason”. O tecladista Richard Wright acabou por voltar à banda no meio do processo, mas o grupo lançou mão de alguns músicos de estúdio em busca de resultados diferentes e melhores.

A participação em “A Momentary Lapse of Reason”, do Pink Floyd

No dia em que passou gravando com o Pink Floyd, Carmine Appice trabalhou apenas em “The Dogs of War”. Outro baterista, Jim Keltner, também gravou partes da mesma faixa.

Entre outros músicos de estúdio chamados para aquela sessão, estavam o baixista Tony Levin, do King Crimson, e o saxofonista John Helliwell, do Supertramp. Nick Mason também atuou na gravação, mas se dedicou mais a sintetizadores e efeitos em geral.

Leia também:  O membro mais inteligente de uma banda, segundo a ciência

Após a sessão, Carmine Appice conta que ficou um bom tempo em contato com Bob Ezrin, para saber como andava a produção, mixagem e masterização. O produtor disse que iria utilizar o trabalho de todos. Os créditos de “A Momentary Lapse of Reason” não apontam quem tocou em qual parte, mas o baterista acredita que seu trabalho é o mais relevante na versão final de “The Dogs of War”.

“Todo mundo que me conhece, provavelmente, pode perceber que sou muito mais eu do que Jim Keltner (na música). E, mais notavelmente, também não é Nick Mason.”

* Texto desenvolvido em parceria por André Luiz Fernandes e Igor Miranda. Pauta e edição geral por Igor Miranda; redação e apuração adicional por André Luiz Fernandes.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo Carmine Appice acabou tocando em "A Momentary Lapse of Reason", do...
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes é jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Interessado em música desde a infância, teve um blog sobre discos de hard rock/metal antes da graduação e é considerado o melhor baixista do prédio onde mora. Tem passagens por Ei Nerd e Estadão.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades