Limitado? A dura opinião de Rik Emmett (Triumph) sobre Eric Clapton como guitarrista

Músico canadense entende que Jeff Beck e Jimmy Page evoluíram muito mais que o outro ex-Yardbirds

Há uma frase atribuída ao escritor brasileiro Nelson Rodrigues que diz “toda unanimidade é burra”. Controvérsias sobre a autoria à parte, dificilmente vemos alguém criticar algumas figuras históricas publicamente. Isso serve para vários segmentos, incluindo a música. Ainda assim, temos corajosos.

­

- Advertisement -

Rik Emmett é um exemplo. Guitarrista e vocalista do Triumph em seus momentos mais relevantes, o artista não tem receio em falar sobre a carreira de Eric Clapton. As críticas são pontuais, mas ainda relevantes, oferecendo uma outra perspectiva sobre a carreira do britânico.

Disse o canadense ao Misplaced Straws, conforme repercussão do Guitar.com:

“As pessoas dizem ‘Eric Clapton é Deus’. Eu digo: ‘bem, Clapton, na verdade, poderia ter sido um cantor de R&B melhor’. Seu jeito de tocar guitarra apresenta um tipo de paleta bastante limitada, especialmente se você pensar naqueles três caras que saíram dos Yardbirds, [Jeff] Beck, Clapton e [Jimmy] Page.”

Para Rik, o inimigo mais famoso da vacina contra a covid fica atrás dos colegas em seu ranking.

Leia também:  Entre a luz e as trevas: a história de “Headless Cross”, do Black Sabbath

“Eric era o mais limitado de todos. Representava o blues mais old school com um monte de coisas que eram, bem, ok, mas vamos lá, isso é um lick de Albert King. Há coisas que ele resgatou e meio que manteve durante toda a sua carreira. Não estou dizendo que ele não criou músicas boas assim. Não estou o rebaixando. Apenas observando.”

Rik Emmett (foto: reprodução / YouTube)

Jimmy Page e Jeff Beck

Emmett seguiu exaltando o trabalho e a evolução dos outros dois nomes mencionados anteriormente.

“Jimmy Page se desenvolveu muito mais que Clapton. Jeff Beck foi ainda mais longe, o que mais evoluiu entre os três. Era supremo na criatividade com uma guitarra elétrica em mãos.”

Ainda assim, o instrumentista reconhece ter sido influenciado por Eric, assim como pelos outros dois.

Leia também:  A música mais brega do Creed, segundo Scott Stapp

“Tenho um pouco de cada em mim. Todos me influenciaram.”

O “G3” do Yardbirds

Eric Clapton integrou o The Yardbirds entre 1963 e 1965. Após sua saída, Jeff Beck assumiu o posto e participou da fase de maior sucesso comercial. Deixou a banda no ano seguinte, abrindo espaço de Jimmy Page, que esteve presente até o encerramento, em 1968.

Anos mais tarde, reuniões com outros guitarristas aconteceram. Em 1992, os três foram induzidos ao Rock and Roll Hall of Fame com o grupo. Eles subiram ao palco e se apresentaram com os antigos colegas.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesLimitado? A dura opinião de Rik Emmett (Triumph) sobre Eric Clapton como...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

13 COMENTÁRIOS

  1. A única coisa que discordo é que o Jimmy Page não foi mais criativo que o Jeff Beck. Jimmy fez rifs maravilhosos, no violão, nas afinações diferentes, nos studio gravando varias guitarras ao mesmo tempo, nunca vi algo igual, para mim é sempre será o melhor de todos.

  2. Degas, essa questão de sucesso é bem relativo. O Clapton fazia músicas com mais apelo popular. Resumindo, citando a arte (que é o foco aqui), acho as músicas do Clapton chatas pra chuchu. Se fosse me estender à pessoa dele, eu poderia ser linchado digitalmente. Deixemos assim, então.

    • Concordo plenamente com vc, tem coisas Clapton que insuportáveis e bregas, ele vendeu horrores porque simplesmente apelou pra caralho principalmente nos anos 80

  3. Concordo plenamente com ele, sempre achei Eric Clapton superestimado. Composições medianas e muito longe ser um Deus da guitarra, atrás Hendrix, Steve Vai, Jimmy Page, Van Hallen, Chuck Berry, Jeff Beck, Prince, Slash e Brian May, que na minha opinião fez as melhores melodias de guitarra.

  4. No mínimo este desconhecido procura destaque ao criticar Clapton desta maneira … Com certeza, esta criatura nunca ouviu o Cream, a maior e indiscutível banda de todos os tempos. Será que esse serzinho já colocou os pés no Carneige Hall, no Fillmore East, ou no Rainbow Theatre? Duvido…esses lugares lendários foram como a casa de Clapton… Toda a unanimidade é burra? Nem sempre. Você pode sim não gostar de algo, com todo o direito. Mas daí a sair fazendo críticas descabidas… O que é bom, ótimo, excelente, mágico, assim o será. Sempre.

  5. Rick não quis dizer que era como os três guitarristas que estamos falando. Ele apenas disse que foi influenciado por eles e Éric era o mais “fraco”, como os três.

  6. O fato do Clapton ser lento, tocar com 3 dedos não é demérito o que importa é o som e aí é que ele peca mesmo, foi o guitarrista mais apelativo dos anos 80 sem dúvidas, nunca se interessou em evoluir, ainda por cima é um racista da porra e um anti ciência terrível. Mas tudo bem se o que importa pra vc é venda e fama ele tá no topo, o funk também

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades