Foto: Mark Weiss

Black Sabbath tentou dispensar Dio e trazer Tony Martin para “Dehumanizer”

Demos chegaram a ser gravadas por Martin, que acabou recusando proposta porque músicas foram feitas para voz do colega

Lançado em 1992, o álbum “Dehumanizer” marcou os retornos de Ronnie James Dio, Geezer Butler e Vinnie Appice ao Black Sabbath. Porém, a história quase seguiu um rumo diferente por conta do vocalista.

Em entrevista ao canal Almost Human, transcrita pelo Blabbermouth, Tony Martin confirmou ter cantado músicas que entraram no disco em demos.

“Eles me demitiram de surpresa. Estava me preparando para ir ensaiar quando o manager ligou e avisou. Não esperava por aquilo. Fiquei chocado, não sabia o que dizer ou fazer. Algumas semanas depois, Tony Iommi me telefonou e disse que as coisas não estavam funcionando com Dio. Perguntou se eu não queria voltar. Respondi que não, pois já estava preparando meu disco solo, ‘Back Where I Belong’. Meses mais tarde, ele tentou outra vez. Fui ao estúdio e trabalhamos em algumas coisas.”

Porém, o tempo foi um inimigo para a empreitada. Além disso, Martin ressalta que as músicas foram criadas para a voz de Ronnie.

“Disse que precisava adaptar ao meu registro, mas não havia tempo, estavam com os prazos no limite. Sendo assim, recusei e recomendei que continuassem com Dio. Não daria para fazer aquilo soar melhor sem ele. Se não podia fazer do meu jeito, o melhor era nem tentar. Tenho algumas fitas daquelas sessões, mas a qualidade é bem ruim.”

Tony Iommi e Tony Martin

Mesmo assim, as conexões entre os Tonys continuaram, o que causou certo desconforto dentro da banda.

“Ainda conversava com Iommi. Quando tocaram na minha cidade, fui ao show a convite dele. Ronnie não ficou satisfeito em me ver no backstage, é claro.”

Black Sabbath no início dos anos 90

Apesar de ser considerado um grande disco por boa parte dos fãs, “Dehumanizer” não obteve a repercussão imaginada à época. Ronnie James Dio rompeu novamente com o Black Sabbath após Tony Iommi e Geezer Butler aceitarem participar dos shows de despedida de Ozzy Osbourne, em novembro de 1992.

Tony Martin retornou e na sequência gravou o álbum “Cross Purposes” com a dupla, além de Bobby Rondinelli na bateria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
40
Share