O álbum mais injustiçado de Bob Dylan, segundo o próprio cantor

Em entrevistas antigas, artista destaca que "Shot of Love" (1981), último de sua trilogia cristã, não foi bem compreendido

É fácil identificar o período clássico da carreira de Bob Dylan: desde os primeiros trabalhos, na década de 1960, até o álbum “Blood on the Tracks” (1975), entre, é claro, algumas idas e vindas. Os discos seguintes não são exatamente elogiados, especialmente os que saíram entre o fim dos anos 1970 e início dos 1980, quando ele produziu uma trilogia com temática cristã.

O primeiro é “Slow Train Coming” (1979), que adota influências da música gospel, tanto nas letras, como na sonoridade. Na sequência, há “Saved” (1980), de pegada semelhante, e “Shot of Love” (1981), que começa a se reaproximar do rock. Este último é considerado pelo próprio Bob Dylan como o melhor – e mais injustiçado – álbum de sua carreira.

- Advertisement -

Bob Dylan e “Shot of Love”

Conforme registros históricos recuperados pela Far Out Magazine, na época do lançamento de “Shot of Love”, Dylan fez o que muitos artistas fazem: elogiou seu então novo trabalho. Ele chegou a declarar que aquele seria seu disco “mais forte” até aquele momento. Curiosamente, porém, sua opinião não parece ter mudado ao longo dos anos.

Em 1983, dois anos após o lançamento, Dylan foi questionado sobre apreciar material antigo de sua própria autoria. O músico revelou não gostar de fazer isso, mas ressaltou algumas exceções:

Leia também:  Como internet e gordofobia ajudaram a minar carreira de Alicia Silverstone

“Não, não. É insuportável ouvir alguns deles (discos) para mim. Eu começo a ouvir e já quero parar. […] Não é como se eu sentasse e escutasse coisas de Bob Dylan. Eu gosto do meu primeiro álbum (homônimo, de 1962) e ‘Freewheelin’’ (1963). E ‘Shot of Love’ é meu favorito, na verdade.”

Culpa dos críticos?

Quando foi divulgado, “Shot of Love” dividiu opiniões. As vendas não foram tão boas para o padrão de Bob, que só recuperou seu patamar comercial com o trabalho seguinte, “Infidelis” (1983).

Em outra entrevista, no ano de 1985, Dylan criticou a forma como o álbum foi recebido por jornalistas especializados e parte do público:

“As pessoas não ouviram ‘Shot of Love’ de forma realista. […] Os críticos não deixavam as pessoas terem as próprias opiniões. Tudo o que eles falavam era ‘Jesus isso, Jesus aquilo’, como se fosse algum tipo de álbum Metodista. Não sei o que estava acontecendo, talvez (foi pelo sucesso de) Boy George ou algo assim, mas ‘Shot of Love’ não se encaixava na fórmula da época.”

Claro, nem todos criticam “Shot of Love”. Bono, vocalista do U2, sempre fez questão de citar o álbum como um de seus favoritos. Em votação de melhores vocalistas feita pela Rolling Stone, já no século 21, o artista destacou que Dylan era um de seus cantores prediletos e pontuou que a performance dele nesse disco foi muito boa.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO álbum mais injustiçado de Bob Dylan, segundo o próprio cantor
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes é jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Interessado em música desde a infância, teve um blog sobre discos de hard rock/metal antes da graduação e é considerado o melhor baixista do prédio onde mora. Tem passagens por Ei Nerd e Estadão.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades