Por que IA pode destruir a indústria musical, segundo Roger Daltrey

Cantor do The Who entende que vocais criados pela tecnologia são perigosos, mas não são capazes de substituírem a voz humana

A inteligência artificial tem sido cada vez mais presente na música, seja para melhorar questões técnicas — como foi o caso de “Now and Then”, considerada a canção final dos Beatles — ou para a criação de releituras inusitadas na internet. Apesar dos pontos positivos, a tecnologia pode, na opinião de Roger Daltrey, destruir a indústria musical.

Durante recente participação no podcast Shaun Keaveny’s Daily Grind, conforme transcrição do site Far Out Magazine, o cantor do The Who descreveu o recurso como “perigoso”. Ainda assim, para ele, vocais criados por inteligência artificial não chegarão ao ponto de substituir os vocais humanos porque apresentam uma grande desvantagem: falta de sentimento. 

- Advertisement -

Uma música idealizada por meio de IA não tem a mesma gama de emoções e não gera empatia no ouvinte, conforme explicação do músico:

Leia também:  Remake de “Corra que a Polícia Vem Aí!” terá Pamela Anderson e Liam Neeson

“A única coisa que acredito totalmente é que a IA nunca mostrará uma empatia e isso causará sua queda. Mas se não tomarmos cuidado, destruirá a indústria musical.”

Nas palavras do músico, a situação só ficará mais séria quando a tecnologia conseguir reproduzir as minúcias da voz humana. De qualquer forma, é preciso ter cautela:  

“A música é uma linguagem diferente e não devemos deixar a IA controlá-la. A música sempre conterá empatia e a IA não pode fazer isso. Se a IA puder demonstrar empatia, então estaremos ferrados.”

The Who atualmente

No dia 28 de agosto do ano passado, o The Who realizou o derradeiro show da turnê “Hits Back!”, que contou com participação de diferentes orquestras na América do Norte e Europa. Desde então, nada mais aconteceu no universo da banda britânica.

Leia também:  Turnê de Paul Di’Anno pelo Brasil volta a ser adiada devido a problemas de saúde

Aparentemente, a situação não deve se modificar. Quem garante é o vocalista Roger Daltrey. O cantor de 79 anos deixou claro não imaginar que a banda – hoje resumida a uma dupla com o guitarrista Pete Townshend – volte a ter atividades.

Ele disse ao jornal britânico The Times:

“Não posso dar uma resposta definitiva. Eu não escrevo as músicas. Nunca escrevi. Precisamos sentar e ter uma reunião. Porém, no momento, estou feliz em dizer que essa parte da minha vida está encerrada.”

Caso a situação se confirme, o The Who sai de cena com seis décadas de carreira e mais de 100 milhões de discos vendidos em todo o planeta.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasPor que IA pode destruir a indústria musical, segundo Roger Daltrey
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades