A música que Paul McCartney se recusa a tocar após distorção “militarista”

Beatle escreveu “Freedom” como um manifesto após os atentados do dia 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos

Em 12 de novembro de 2001, Paul McCartney disponibilizou o álbum “Driving Rain”. O trabalho foi um de seus menos vendidos no Reino Unido. Porém, nos Estados Unidos a coisa foi diferente, com o disco de ouro sendo alcançado logo após o lançamento.

O principal fator para o sucesso foi “Freedom”, música escrita em resposta aos atentados de 11 de setembro ocorridos no país, tendo como focos principais o World Trade Center, em Nova York e a base do Pentágono, em Washington. A faixa foi incluída no tracklist de última hora, tanto que nem aparece nos créditos oficiais da prensagem original.

- Advertisement -

Porém, após 55 execuções de acordo com o Setlist.fm, ela não é tocada ao vivo desde novembro de 2002. O motivo principal seria o “sequestro” que ela sofreu para uso de formas com as quais seu autor não compactua.

Leia também:  James Hetfield faz tatuagem com cinzas de Lemmy Kilmister

Em entrevista ao Pitchfork, resgatada pelo Far Out Magazine, Macca ressaltou:

“Achei que ela transmitia um sentimento ótimo e, imediatamente após o 11 de setembro, era o certo a se fazer. Mas acabou sendo sequestrada.”

O principal motivo para o abandono se deu por conta de uma letra associada ao sentimento popular ter passado a ser usada de forma militar.

“Tinha um significado um pouco militarista associado a isso. De repente, o Sr. Bush (George W. Bush, presidente estadunidense no período) estava a usando muito de uma forma que eu senti que alterou o significado da música.”

Paul McCartney e “Driving Rain”

Duas canções de “Driving Rain” – “Spinning On An Axis” e “Back In The Sunshine Again” – são parcerias de Paul com seu filho James. Além de “Freedom”, “From a Lover to a Friend”, “Your Loving Flame” e “Lonely Road” foram disponibilizadas como singles.

Leia também:  Pearl Jam lança o single “Wreckage” dois dias antes de novo álbum

A musa inspiradora da maior parte das composições foi Heather Mills, primeiro relacionamento de McCartney após a morte de sua primeira esposa, Linda. Os dois se casariam no ano seguinte e ficariam juntos até 2008, tendo uma filha.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA música que Paul McCartney se recusa a tocar após distorção “militarista”
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades