Liam Gallagher e John Squire evocam suas infâncias em divertido álbum homônimo

Lendas do britpop reuniram referências ao rock dos anos 70 em disco colaborativo que foge da sonoridade tradicional de suas bandas

Liam Gallagher nunca teria se tornado músico a não ser pelos Stone Roses. O britpop talvez não existiria se não fossem eles. O grupo do qual John Squire fez parte é um dos mais culturalmente importantes na história do rock britânico, então, se Noel não atende as suas ligações, faz sentido procurar um substituto desse nível.

Uma parceria entre o vocalista mais icônico dos anos 1990 e o guitarrista de uma das bandas mais importantes da história de Manchester é algo que me surpreende não ter ocorrido antes. Entretanto, considerando as circunstâncias, entendemos o motivo.

- Advertisement -

Os Roses efetivamente tiveram sua carreira arruinada por um processo judicial que os impediu de tocar shows ou gravar durante quase cinco anos. Quando a banda terminou após um segundo disco, “Second Coming” (1994), Squire tentou a sorte como líder de um grupo próprio, os Seahorses, mas ele não era frontman. Abandonou a música, parou de tocar guitarra e virou artista plástico.

Aí a banda retornou e era como se ele nunca tivesse abandonado o instrumento. Nos shows de retorno dos Stone Roses, Squire demonstrava a mesma desenvoltura de antes – e, no single “All for One”, a capacidade de compor melodias açucaradas. Mesmo assim, quando a reunião terminou em 2017, ele voltou quieto para seu ateliê.

Leia também:  Tradição e vanguarda dão o tom do Pearl Jam em “Dark Matter”

O que deu na cabeça de John Squire para trabalhar com Liam Gallagher assim do nada? Seja lá quais forem os motivos, uma coisa fica evidente ao escutar as faixas: ambos estão se divertindo. 

Em vez de simplesmente tentar casar a sonoridade do Oasis com Stone Roses – o que rola no single “Just Another Rainbow” –, a dupla parece explorar uma série de influências até então desconhecidas dos dois. Liam sempre foi um fanático por Beatles, então é legal vê-lo cantar melodias reminiscentes ao power pop inglês dos anos 70, enquanto Squire traça contrapontos na guitarra.

O que poderia ser um caso óbvio de exaltação aos Beatles em “Mars to Liverpool” ganha uma nova dimensão graças à guitarra de Squire, que evoca “Lover’s Rock”, do Clash. “Make It Up As You Go Along” evoca Rolling Stones e até Rod Stewart na sua levada descompromissada.

Leia também:  Kiko Loureiro anuncia venda de equipamentos usados no Megadeth

O grande trunfo desse álbum é que soa como duas lendas do rock inglês saindo de sua zona de conforto e se divertindo. Não é particularmente profundo – letras nunca foram o forte de Liam Gallagher –, mas ao mesmo tempo não ofende por indulgência. Anglófilos vão gostar bastante.

*Ouça “Liam Gallagher & John Squire” a seguir, via Spotify, ou clique aqui para conferir em outras plataformas digitais.

*O álbum está na playlist de lançamentos do site, atualizada semanalmente com as melhores novidades do rock e metal. Siga e dê o play!

Liam Gallagher & John Squire – “Liam Gallagher & John Squire”

  1. Raise Your Hands
  2. Mars to Liverpool
  3. One Day at a Time
  4. I’m a Wheel
  5. Just Another Rainbow
  6. Love You Forever
  7. Make It Up as You Go Along
  8. You’re Not ahe Only One
  9. I’m So Bored
  10. Mother Nature’s Song

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasResenhas de discosLiam Gallagher e John Squire evocam suas infâncias em divertido álbum homônimo
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda é jornalista formado pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso e cursou Direção Cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Apaixonado por música, já editou blogs de resenhas musicais e contribuiu para sites como Rock'n'Beats e Scream & Yell.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades