O álbum dos Beatles que Geezer Butler define como “revolucionário”

Lançado em 1966, disco mostrava um quarteto cada vez mais amadurecido em sua criação e abordagem

Não é segredo para ninguém que os Beatles tiveram um grande impacto na carreira do Black Sabbath. Rigorosamente todos os integrantes da formação que padronizou o heavy metal mencionam John LennonPaul McCartneyGeorge Harrison e Ringo Starr como responsáveis por despertar algo novo em suas mentes.

O baixista Geezer Butler nunca hesitou em mencionar essa influência. Até titubeou na hora de escolher um álbum preferido, já que as opções eram vastas e qualquer uma poderia se encaixar. Mas tomou uma decisão firme.

- Advertisement -

Ele declarou, conforme transcrição de depoimento resgatado pelo Far Out Magazine:

“Todos os álbuns dos Beatles poderiam facilmente preencher minha lista de 5, 10, 20 discos sem os quais não posso viver. Mas em 1966, quando corri para a loja de discos local e comprei ‘Revolver’, não pude acreditar no que estava ouvindo – foi revolucionário. De ‘Eleanor Rigby’ a ‘Tomorrow Never Knows’, o mundo da música pop deu um salto gigantesco. Os Beatles vieram para ficar e este álbum estabeleceu sua importância na cultura britânica.”

Curiosamente, a opção é compartilhada por uma estrela mais recente da música pesada. Em entrevista à revista Spin no ano de 2003, Serj Tankian, vocalista do System of a Down, declarou:

Leia também:  A reação de Patti Smith após ser citada em álbum de Taylor Swift

“Sou um grande fã dos Beatles, mas só comecei a gostar deles quando adulto. Aos 20 anos, eu os ouvia como um louco e acabei comprando todos os álbuns. Percebi que tinha ouvido todas as músicas quando criança, mas nunca soube que eram deles. Musicalmente, os Beatles são tão universais quanto a música pode ser. ‘Revolver’ foi onde eles começaram a se transformar em algo completamente único. Mas eu amo todos os discos – ‘Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band’, ‘Let It Be’, ‘The White Album’, tudo. ‘Revolver’ é um bom lugar para começar porque é uma boa ponte entre os primeiros e os últimos discos deles.”

Ozzy e o Fab Four

Além de Geezer, outro membro original do Black Sabbath foi tocado pela obra dos rapazes de Liverpool. Em 2022, Ozzy Osbourne descreveu o impacto da banda em sua vida para o The Express:

“Imagine ir para a cama em um mundo e depois acordar em outro, tão diferente e emocionante que faz você se sentir feliz por estar vivo? Eu sabia que queria ser uma estrela do rock pelo resto da minha vida.”

O Madman até mencionou a música específica que foi esse agente transformador.

Leia também:  Como será o setlist do Mercyful Fate no Summer Breeze Brasil, segundo Hank Shermann

“‘She Loves You’ teve um grande impacto em mim. Lembro exatamente que estava andando pela Witton Road, em Aston, tinha um rádio transistorizado e quando aquela música tocou, sabia o que queria fazer na minha vida. Eu me tornei um ávido fã dos Beatles – eles eram ótimos. Devo minha carreira a eles, porque me deram o desejo de estar na área da música.”

Beatles e “Revolver”

Sétimo trabalho de estúdio dos Beatles, “Revolver” foi o último lançado pela banda antes de encerrar suas atividades como atração de palcos. Mostrava um quarteto cada vez mais experimental em sua sonoridade. Liricamente, também se aprofundava em reflexões sobre temas como a morte e o materialismo.

Também é o primeiro a contar com um número mais considerável de composições de George Harrison. Foram três: “Taxman”, “Love You To” e “I Want To Tell You”. As sessões ainda renderam o single “Paperback Writer/Rain”, músicas que não entraram no tracklist original.

Vendeu mais de 5 milhões de cópias só nos Estados Unidos, onde chegou ao primeiro lugar, assim como Reino Unido, Alemanha e Austrália, entre outros.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO álbum dos Beatles que Geezer Butler define como “revolucionário”
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades