O grande charme do Iron Maiden em “The Number of the Beast”, segundo Tobias Forge

Líder do Ghost exaltou o fato de a música ter sido escrita em tom maior, algo que repetiu na própria discografia

Em 2018, Tobias Forge foi desafiado pela revista Metal Hammer a escolher seus “hinos satânicos” preferidos. Não é surpresa que “The Number of the Beast” tenha entrado na lista. Afinal de contas, não há um filho do heavy oitentista que não se sentiu hipnotizado pelo clima da canção do Iron Maiden.

Porém, também há um componente pessoal muito forte na preferência, que é a ligação da música com seu irmão. Sebastian faleceu em 2010, devido a um problema cardíaco não conhecido anteriormente. Sua morte aconteceu no mesmo dia da divulgação online da primeira demo do Ghost.

- Advertisement -

Ele disse, conforme resgate do site da publicação britânica:

“Meu irmão mais velho gostava de metal, e eu descobri o Iron Maiden através dele quando tinha 9 ou 10 anos. Essa foi uma das faixas que me deixou fascinado.”

O tom maior da besta

A faixa-título do álbum que fez a carreira da Donzela de Ferro decolar de vez foi inspirada em um pesadelo do baixista Steve Harris após assistir o filme Damien: A Profecia II. O ator Barry Clayton narrou a introdução.

Leia também:  Steve Harris revela o curioso segredo físico para seu som de baixo

Porém, algo que saltou aos ouvidos de Forge foi o tom usado na criação da obra.

“Do ponto de vista da composição, uma das coisas que é notável sobre ela, assim como em ‘Run To The Hills’, é que foi escrita em tom maior, o que é muito incomum no heavy metal.”

O próprio Ghost compôs algumas músicas usando tom maior, como “Kaisarion” (versos), “Mary on a Cross” (refrães) e “Kiss the Go-Goat”. De forma geral, composições em tom maior são conhecidas por soarem mais abertas e “alegres”. Já aquelas em tom menor costumam ser mais obscuras.

Outro destaque de Tobias foi a repercussão em sua terra natal. Enquanto em outros lugares o grupo inglês foi acusado por fundamentalistas religiosos, os suecos nem se importaram.

“Eu sei que o Maiden não era adorador do diabo, mas aquele refrão ‘666! O número da Besta!’ dificilmente poderia ser mais satânico. Mas embora isso possa ter assustado os pais no Centro-Oeste americano, não causou qualquer alerta na Suécia dos anos 80.”

Iron Maiden e “The Number of the Beast”

Terceiro álbum completo do Iron Maiden, “The Number of the Beast” marcou a estreia do vocalista Bruce Dickinson. Ele teve atuação importante em várias composições, mas não pôde ser citado por questões contratuais com sua banda anterior, o Samson. Também foi o último a contar com o baterista Clive Burr. Ele ganhou créditos na faixa “Gangland” e no b-side “Total Eclipse”.

Leia também:  Por que o Black Sabbath está mais satânico em “Headless Cross”

O disco chegou ao primeiro lugar na parada britânica e vendeu mais de 14 milhões de cópias em todo o mundo. O single inicial, “Run To The Hills” se tornou a primeira música da história do grupo a entrar no Top 10 da parada britânica.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO grande charme do Iron Maiden em “The Number of the Beast”,...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades