Sheila E. sentiu-se “usada” durante sessões de “We Are the World”

Lionel Richie havia prometido um momento solo para a cantora e baterista na faixa, mas teria aproveitado sua presença para tentar atrair Prince

Lançada em 1985 pelo projeto USA for Africa, a faixa “We Are the World” tinha como objetivo arrecadar fundos para o combate da fome e das doenças na África. Ao todo, 45 artistas participaram da música, que foi um sucesso. Contudo, nem todo mundo saiu feliz com o resultado final. 

No documentário da Netflix “A Noite que Mudou o Pop”, conforme a Ultimate Classic Rock, Sheila E. revelou que sentiu-se “usada” pela equipe do single. Segundo a cantora e baterista, Lionel Richie — compositor da canção junto de Michael Jackson — havia prometido que ela teria um momento solo na obra, mas não cumpriu com o combinado. 

- Advertisement -

Em seu depoimento, ela destacou o auge que vivia naquele período. Por isso, quando o convite surgiu durante a premiação American Music Awards (AMAs), adorou a ideia.

“Naquela época, eu era a atração de abertura da turnê ‘Purple Rain’, do Prince, estava voando. Quando cheguei ao AMAs, estava louca. E eu estava muito nervosa Lembro que Lionel me disse: ‘depois das AMAs todo mundo vai gravar essa música e eu quero que você cante um dos versos’, e então eu disse ‘oh, com certeza’.”

No entanto, o foco da conversa acabou mudando, já que a musicista tinha uma relação próxima com Prince – tanto profissional quanto romanticamente. O fato de que ela poderia convencer o cantor a colaborar em “We Are the World” virou prioridade e não mais o seu momento solo.

“Lionel disse que esperava que Prince também cantasse um verso na música. Eu disse: ‘legal, mas você sabe, ele tem o tempo dele’. Liguei para Prince para avisá-lo como estava indo. Eu disse: ‘acho que talvez você deva vir, está muito legal, todo mundo está se divertindo muito’.” 

Com o passar do tempo, a própria ficou frustrada diante da situação.

Leia também:  A opinião de David Bowie sobre Metallica e o polêmico álbum “Lulu”

“Estava ficando tarde e eu estava ansiosa para cantar um dos versos. Mas eles continuaram perguntando: ‘você acha que Prince virá?’. Eu comecei a sentir que estava sendo usada lá, porque eles queriam que Prince aparecesse e quanto mais tempo eles me mantivessem, maior seria a chance de Prince aparecer.”

No fim das contas, Sheila aceitou que não teria o trecho prometido e decidiu ir embora. Agora, ao relembrar o ocorrido, ela revelou acreditar que não havia qualquer vontade real de alguém colocá-la em evidência na faixa. 

“Eu já sabia que Prince não iria, porque tinha muita gente e ele ia se sentir desconfortável. Eu disse ao Lionel: ‘eu vou embora’. Eles nunca tiveram a intenção de me fazer cantar um verso, o que me machucou um pouco.”

“We Are the World” e Prince

Prince, de fato, foi convidado para participar de “We Are the World”. Porém, é difícil detalhar o que realmente aconteceu, já que existem várias versões a respeito de sua ausência.

Music Radar aponta que, por exemplo, um jornal afirmou que o cantor ficou fora pelo simples desinteresse em cantar com outros artistas. Outro garantiu que o artista desistiu após descobrir que Bob Geldof havia o chamado de “arrepiante”.

Já para o livro “Let’s Go Crazy”, de Alan Light, a engenheira de som de Prince, Susan Rogers, tem outra versão. Ela afirma que testemunhou o momento em que Quincy Jones ligou para Prince e o convidou para participar da canção, mas que o artista já recusou a proposta.

Leia também:  A música e o disco do Deep Purple que são os preferidos de Tony Iommi

“Estava com o Prince no estúdio em sua casa, apenas nós dois. Aí, ele recebeu a ligação do Quincy Jones perguntando a ele se queria ser parte de ‘We Are the World’. Só pude escutar o lado de Prince na conversa, mas ele recusou. Foi uma conversa longa e Prince disse: ‘eu posso tocar guitarra?’. E eles disseram ‘não’, e ele definitivamente disse: ‘ok, então posso mandar a Sheila (E, baterista de sua banda)?’ E ele mandou a Sheila.”

Para a mesma obra, Bob Cavallo, que era o empresário de Prince, corroborou o que Susan Rogers afirmou.

“Durante o (evento) American Music Awards (que ocorreu antes da gravação de ‘We Are the World’ com todos os artistas), ele (Prince) ficou me dizendo que a única coisa que ele faria era tocar guitarra. Então, liguei para o Quincy e ele disse: ‘não preciso dele tocando a p*rra da guitarra!’ e ficou bravo.”

Ao documentário da Netflix “A Noite que Mudou o Pop”, Lionel Richie endossa a versão de que o problema envolveu o fato de que Prince queria tocar guitarra e não cantar.

“Eu estava ao telefone com o Prince. Ele disse: ‘quero tocar um solo de guitarra, em uma sala diferente’. Eu falei: ‘não, não, não… estamos todos cantando na mesma sala, eu preciso que você venha e cante’.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesSheila E. sentiu-se “usada” durante sessões de “We Are the World”
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades