Como Slash tentou sabotar “Sweet Child O’Mine”, segundo Duff

De acordo com o baixista, colega tentou de todas as formas convencer os colegas de Guns N’ Roses a tirar a canção do repertório

É humanamente impossível pensar na carreira do Guns N’ Roses sem fazer associação a “Sweet Child O’ Mine”. Você pode até não gostar ou ter enjoado da canção, dada a repetição exaustiva. Mas é fato que ela se tornou um emblema, uma tatuagem que não poderia ser removida nem com uma cirurgia.

Antes mesmo de a música fazer sucesso, alguém dentro da banda já não era seu grande fã. O guitarrista Slash não apenas deixava seu descontentamento explícito, como tentou fazer os colegas se livrarem da faixa a qualquer custo.

- Advertisement -

A história foi contada pelo baixista Duff McKagan ao podcast Songcraft. Conforme transcrição do Ultimate Classic Rock, o músico começou contando como a composição surgiu.

“Izzy [Stradlin, guitarrista] tinha os três acordes que a caracterizam. Axl [Rose, vocalista] gostou. Então passamos a tentar fazer aquilo funcionar de alguma forma.”

Foi quando Slash manifestou sua contrariedade para com a criação.

“Na introdução de ‘Sweet Child o’ Mine’, Slash simplesmente não gostou da progressão de notas em Ré, Dó e Sol. Uma hora ele chegou em mim e disse: ‘Precisamos nos livrar essa música de alguma forma’.”

De forma irônica, a intro de guitarra foi feita daquela forma justamente como um protesto contra a música.

Leia também:  Mick Mars diz que aceitaria compor com Mötley Crüe novamente

“Ele compôs uma coisa distorcida, simplesmente atonal. E é claro que aquela parte era para tentar se livrar da música. Acabou servindo como uma introdução incrível. Isso mostra como estávamos em um momento onde tudo se encaixava.”

A versão de Slash

Em 2014, Slash confessou à rádio WEBN que a canção não está entre seus momentos de orgulho na carreira.

“Não a odeio, mas também não gosto tanto. O riff eu amo, mas a música… Sabe, o Guns N’ Roses sempre foi hard rock com atitude. Quando fazíamos baladas, eram mais voltadas ao blues. Mas esta era agitada, uma das coisas mais bobas que você pode compor.”

Já em fevereiro de 2022, o guitarrista revelou à Absolute Radio Classic Rock (transcrição feita pelo jornal britânico Metro) se sentir constrangido quando ela começa a tocar em algum lugar que esteja com outras pessoas.

Leia também:  A sinfonia de transformações do Queen em “The Works”

“Se estou em um ambiente e ‘Sweet Child O’ Mine’ começa a tocar, fico constrangido. É uma situação estranha. Ainda me empolgo quando ouço algo meu no rádio, mas em um local público fico paralisado. É como se jogassem uma luz sobre você, me sinto totalmente vulnerável mesmo que não estejam me olhando.”

Guns N’ Roses e “Sweet Child O’ Mine”

Terceiro single lançado para divulgar o álbum “Appetite for Destruction”, “Sweet Child O’ Mine” é a única música da carreira do Guns N’ Roses a atingir o número 1 na parada americana. Também chegou ao sexto lugar no chart britânico.

No Brasil, fez parte da trilha da novela “O Sexo dos Anjos”, exibida pela Rede Globo no horário de seis da tarde entre setembro de 1989 e março de 1990.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo Slash tentou sabotar “Sweet Child O’Mine”, segundo Duff
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades