Como Dave Grohl reagiu a Kurt Cobain chapado em show do Nirvana no Brasil

Primeira das duas apresentações da banda no país ficou marcada na história — de um jeito bem negativo

A primeira e única passagem do Nirvana pelo Brasil, em janeiro de 1993, entrou para a história — principalmente no primeiro show, no Estádio do Morumbi, em São Paulo. O problema é que não foi da melhor forma possível.

Com status de maior banda do planeta naquele período, o trio formado por Kurt Cobain (voz e guitarra), Krist Novoselic (baixo) e Dave Grohl (bateria) chegou ao país no posto de headliner do festival Hollywood Rock, que aconteceu também no Rio de Janeiro. Contudo, foi o público paulista que teve o privilégio (?) de encarar um Kurt Cobain completamente chapado no palco.

- Advertisement -

À época, o grupo vivia o auge da loucura e da insatisfação com a fama. Cobain teve acesso a comprimidos de Valium no hotel em São Paulo e quando os músicos entraram no palco, foram recebidos por mais de 80 mil pessoas.

O desespero começou quando Cobain puxou o riff da primeira música do set, “School”, tocando bem mais lento do que o normal. A situação não melhorou a partir dali.

O baterista Dave Grohl relembrou sua reação em entrevista para a edição 323 (fevereiro de 2024) da revista Classic Rock:

“Krist (Novoselic, baixista) e nos olhamos tipo: ‘P#ta m$rda! O que vai acontecer?’ Foi meio assustador. E como o Nirvana sempre fazia, de alguma forma nós conseguimos sabotar o show.”

A apresentação no Morumbi entrou para a história como uma das piores já feitas na história do Nirvana e de um artista internacional no Brasil. Krist Novoselic chegou a jogar o baixo longe e abandonar o palco com meia hora de show, mas foi convencido pelo tour manager Alex MacLeod a voltar por questões contratuais. Nem afinou o baixo, pois sabia o que estava por vir.

Nirvana e os covers

Em determinado momento do show, o trio embarcou em uma sequência de covers que só tornou a situação pior do que já estava. “Run to the Hills” (Iron Maiden), “Heartbreaker” (Led Zeppelin) e “We Will Rock You” (Queen), foram parcialmente “assassinadas” por uma banda que não se entendia no palco. O Nirvana ainda resolveu trocar os instrumentos: Kurt Cobain foi para a bateria, Dave Grohl assumiu o baixo e Krist Novoselic seguiu para a guitarra.

Leia também:  A bizarra morte de Brandon Lee, durante filmagens de “O Corvo”

Clássicos do Duran Duran, The Clash e outros foram tocados do jeito que dava — o que levou alguns fãs a começarem a deixar o Morumbi. Acabaram perdendo um dos momentos mais interessantes da apresentação: a execução de duas canções inéditas.

Gestação de “In Utero”

In Utero”, último álbum do Nirvana, seria lançado em setembro daquele ano. Durante a passagem pelo Brasil, o grupo já trabalhava nele.

A intenção era clara: uma volta às origens, com uma sonoridade mais crua e raivosa, algo que Kurt Cobain sentia que estava perdendo por conta do sucesso do trabalho anterior, o aclamado “Nevermind” (1991).

Ainda à Classic Rock, Dave Grohl ofereceu um panorama de como a banda pensava no novo álbum:

“Ninguém sabia que tipo de álbum nós faríamos a seguir. Mas na época em que fomos ao Brasil, começou a ficar claro que não seria o pop açucarado de ‘Nevermind’. Seria mais dark, mais dissonante e barulhento. Tenho quase certeza de que a gravadora queria nós recriássemos ‘Nevermind’ porque seria uma forma segura de vender mais 30 milhões de discos. Mas é claro que não íamos fazer isso.”

O fato é que o público de São Paulo ganhou de presente as primeiras execuções ao vivo de “Heart-Shaped Box” e “Scentless Apprentice”, futuras faixas de “In Utero”, que fecharam o show. Elas também foram tocadas no Rio de Janeiro, onde a banda chegou a gravar demos em um estúdio.

Leia também:  Como “Mellow Gold” e o hit “Loser” levaram Beck ao estrelato

Tudo (quase) tranquilo no Rio de Janeiro

Para o show no Rio de Janeiro, uma semana depois da apresentação em São Paulo, muita coisa mudou. Kurt Cobain brigava muito com Courtney Love na época e ameaçava tirar a própria vida ali mesmo, o que fez com que fosse colocado em um hotel com apenas um andar.

Ao vivo, o frontman estava em um estado bem melhor e a sequência catastrófica de covers foi quase toda retirada do setlist. A banda tocou com vontade e mesmo com uma quantidade considerável de piadas tirando sarro da marca de cigarros que patrocinava o festival, a conexão entre artista e público foi forte.

O momento mais memorável da noite, contudo, foi quando o líder do Nirvana cuspiu na lente da câmera da Globo, que transmitia ao vivo o festival. Em seguida, Cobain simulou o ato de masturbação.

Nada particularmente chocante no contexto da história do rock, mas o comportamento do grupo depois viria a ser alvo do tradicional ultraje da ala mais conservadora da sociedade brasileira.

A infâmia da apresentação em São Paulo e a passagem deles pelo país como um todo pode ser caracterizada de diversas maneiras. Em uma entrevista para a Folha de S. Paulo no dia seguinte ao concerto na capital paulista, o baixista Krist Novoselic descreveu a noite anterior como “um show de desconstrução de imagem do grupo”. Talvez esteja correto.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo Dave Grohl reagiu a Kurt Cobain chapado em show do Nirvana...
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes é jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Interessado em música desde a infância, teve um blog sobre discos de hard rock/metal antes da graduação e é considerado o melhor baixista do prédio onde mora. Tem passagens por Ei Nerd e Estadão.

2 COMENTÁRIOS

  1. Voce postou que don t damn me nunca foi tocada pelo Guns ? A ouvi em auto e bom som em 12/12/92 no show do Anhembi SP onde estava bem na frente do Slash

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades