A música do Alice in Chains que a gravadora não queria lançar

Executivos da Columbia reclamavam que canção era “lenta demais” para fazer sucesso; destino provou que eles estavam errados

Embora o Nirvana seja citado como a banda que estabeleceu o movimento grunge no mainstream, o primeiro grupo do movimento a lançar um álbum de destaque foi o Alice in Chains.

Disponibilizado em agosto de 1990, “Facelift” marcou a estreia do quarteto formado por Layne Staley (voz), Jerry Cantrell (guitarra), Mike Starr (baixo) e Sean Kinney (bateria). Levou algum tempo para as vendas engrenarem — 40 mil cópias foram comercializadas nos primeiros seis meses —, mas na metade de 1991, chegou à 42ª posição da parada americana.

- Advertisement -

Dois singles foram divulgados para promover o trabalho: “We Die Young”, ainda em 1990, e “Man in the Box”, no início do ano seguinte. Esta segunda canção foi a responsável por fazer tanto o disco quanto a banda estourarem.

Porém, se dependesse dos executivos da gravadora Columbia, ela sequer seria lançada. Ou, ao menos, sairia de um jeito bem diferente, já que os representantes a consideravam “lenta demais”.

Em entrevista de 2020 ao canal da Gibson no YouTube (via Ultimate Guitar), Jerry Cantrell refletiu sobre esse período do Alice in Chains. Inicialmente, o músico destacou que sua banda nunca foi do tipo em que “alguém precisava dizer como deveria se compor uma canção”.

Leia também:  Bruce Dickinson revela com qual artista ele trabalharia se pudesse

“No nosso primeiro álbum, ‘Facelift’ (1990), estamos quase em pleno foco. Estamos 95% focados, chegando lá. O impacto com ‘Man in the Box’ na rádio, na MTV, sendo uma das músicas que abriram portas para nossos irmãos… todos nós conseguimos derrubar a parede, e não a porta, de uma vez.”

Em seguida, ele contou como a Columbia tentou interferir no som do grupo e admitiu que ninguém esperava o sucesso de “Man in the Box”.

“Dava para sentir a energia diferente dessa música, mas não sabia que teria tanto impacto. Só sabíamos que aquela era a música certa, uma canção para enfatizarmos. Lembro de uma grande discussão com a gravadora, acho que hoje em dia devem até negar… mas falavam que a música era muito lenta, que deveríamos acelerar e que não era a música certa para sair como single. Eu dizia: ‘confiem em mim, essa música é do c***lho e é isso que vamos lançar’.”

Alice in Chains e “Man in the Box”

Por ter se transformado no maior hit do Alice in Chains, “Man in the Box” é a música que não pode faltar nos shows. Ao menos é o que diz o baterista Sean Kinney.

Leia também:  Men at Work cancela show na Colômbia após músicos esquecerem de tomar vacina

Em entrevista de 2018 à rádio 99.7 The Blitz (transcrição via Ultimate Guitar), ele declarou:

“Há uma música sobre um cara com uma caixa [‘Man in the Box’]. Essa música era realmente popular, a mais popular quando começamos antes que existisse ‘grunge’. Na época, a gente deixava de tocá-la por estarmos enjoados, mas as pessoas ficavam loucas por isso. Assim que você amadurece, percebe que todas essas músicas… mesmo que as toque um milhão de vezes, […] para muitos, é a última vez que vão te ver. Nunca se sabe.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA música do Alice in Chains que a gravadora não queria lançar
Igor Miranda
Igor Miranda
Igor Miranda é jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital. Escreve sobre música desde 2007. Além de editar este site, é colaborador da Rolling Stone Brasil. Trabalhou para veículos como Whiplash.Net, portal Cifras, revista Guitarload, jornal Correio de Uberlândia, entre outros. Instagram, Twitter e Facebook: @igormirandasite.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades