A razão curiosa que levou Kurt Cobain a avacalhar show do Nirvana na Argentina

Apresentação no Estádio José Amalfitani (O Forte de Liniers), em Buenos Aires, recebeu a única apresentação da banda no país

O histórico de shows do Nirvana na América do Sul não é dos melhores. Os problemas não se deram apenas no Brasil: no ápice de seu sucesso, em outubro de 1992, o trio de Seattle desembarcou em Buenos Aires para apresentação única no Estádio José Amalfitani. Porém, Kurt Cobain foi surpreendido pela atitude sexista do público argentino e buscou transformar sua performance em uma grande lição para os hermanos. 

O show tinha abertura da Calamity Jane, banda de punk rock inteiramente feminina, que foi alvo do assédio e da hostilidade da plateia. Em entrevista reproduzida no livro “Nirvana: The Chosen Rejects” (via Far Out Magazine), Cobain, que era aliado da luta pelos direitos das mulheres, revelou que considerou até mesmo cancelar a apresentação do Nirvana como protesto.

“Quando tocamos em Buenos Aires, levamos uma banda feminina de Portland chamada Calamity Jane. Durante todo o show, todo o público – foi um show enorme com umas sessenta mil pessoas – estava jogando nelas qualquer coisa que vinha do bolso, desde dinheiro a pedras, além de lama. No fim das contas, as meninas começaram a chorar. Foi terrível, uma das piores coisas que já vi, uma grande quantidade de machismo ao mesmo tempo. Krist [Novoselic, baixista], conhecendo minha atitude em relação a coisas assim, tentou me dissuadir de pelo menos me recusar a tocar. Acabamos nos divertindo, rindo deles [público].”

- Advertisement -

A resposta veio na escolha do repertório. Em um momento onde “Smells Like Teen Spirit” era a música de mais sucesso no rock, a banda optou por deixar o hit de lado. Além disso, focou em músicas menos conhecidas, como as presentes na coletânea de raridades “Incesticide” (1992), que na época do show ainda não tinha sido lançada. O frontman ainda afirmou que a experiência acabou sendo uma das melhores que teve no palco. 

“Antes de cada música, eu tocava a introdução de ‘Smells Like Teen Spirit’ e depois parava. Eles não perceberam que estávamos protestando contra o que eles fizeram. Tocamos por cerca de quarenta minutos e a maioria das músicas eram do ‘Incesticide’, então eles não reconheceram nada. Acabamos tocando a música secreta [‘Endless, Nameless’] que está no final de ‘Nevermind’, e como estávamos muito furiosos e muito chateados com toda essa situação, aquela música e todo o set foram uma das melhores experiências que já tive.”

Apesar da lembrança de Cobain, o álbum “Nevermind” acabou sendo tocado quase que na íntegra. A única ausência mesmo foi “Smells Like Teen Spirit”. Em relação a outras apresentações do fim daquele ano, também diferenciou-se a opção de, na Argentina, executarem apenas uma música que entraria no disco seguinte, “In Utero” (1993): neste caso, “All Apologies”. Em outras datas do período, faixas como “Dumb” e “Tourette’s” já eram exibidas ao público.

Leia também:  A opinião de Rob Halford (Judas Priest) sobre o Sleep Token

A título de curiosidade, este foi o repertório tocado pelo grupo em Buenos Aires:

  1. Improvised Jam (geralmente chamada “Nobody Knows I’m New Wave”)
  2. Aneurysm (com vozes de fundo de “Beat It”, de Michael Jackson, cantadas por Dave Grohl)
  3. Breed (com introdução de “Smells Like Teen Spirit”)
  4. Drain You (com introdução de “Smells Like Teen Spirit”)
  5. Beeswax
  6. Spank Thru
  7. School
  8. Come as You Are
  9. Lithium
  10. Lounge Act
  11. Sliver
  12. About a Girl
  13. Polly
  14. Jam (solos de Krist e Dave)
  15. In Bloom
  16. Territorial Pissings
  17. Been a Son
  18. On a Plain
  19. Negative Creep
  20. Blew

Bis:

  1. All Apologies
  2. Endless, Nameless

Nirvana no Brasil 

Poucos meses após passar pela Argentina, em janeiro de 1993, o Nirvana desembarcou no Brasil para duas apresentações no festival Hollywood Rock. O primeiro show, que aconteceu em São Paulo, entrou para a história como um dos maiores fiascos da carreira da banda, graças a um repertório inconsistente, performance fora do tempo e com várias improvisações mal-sucedidas.

Leia também:  As duas ocasiões em que Slash foi considerado para entrar no Stone Roses

Já a apresentação do Rio de Janeiro mostrou um Nirvana mais centrado e um Kurt Cobain menos instável. O grupo conquistou o público com um setlist trazend músicas que mais tarde entrariam para o álbum “In Utero” (1993). 

Os shows na Argentina e no Brasil foram os únicos do Nirvana na América do Sul. Cobain morreu em abril de 1994, aos 27 anos.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA razão curiosa que levou Kurt Cobain a avacalhar show do Nirvana...
Tairine Martins
Tairine Martinshttps://www.youtube.com/channel/UC3Rav8j4-jfEoXejtX2DMYw
Tairine Martins é estudante de jornalismo na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Administra o canal do YouTube Rock N' Roll TV desde abril de 2021. Instagram: @tairine.m

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades