Steven Soderbergh: falta de transparência de dados em streaming preocupa mais que IA

Diretor de "Contágio" e "Onze Homens e um Segredo" diz que gigantes de streaming não querem arriscar Wall Street examinando suas finanças

A greve conjunta de roteiristas e atores tem gerado muita conversa em torno do uso de inteligência artificial na indústria criativa. Entretanto, na opinião do diretor Steven Soderbergh, um aspecto muito mais importante é a falta de transparência dos principais serviços de streaming com relação a dados.

O cineasta, vencedor do Oscar por “Traffic” e comandando atualmente a minissérie da HBO Max “Círculo Fechado”, conversou sobre o tema em entrevista ao Defector (via The Hollywood Reporter). A reflexão giruo em torno da razão por trás de serviços como Netflix não compartilharem dados de audiência. Ele disse:

“Existem duas razões possíveis para explicar por que não estamos recebendo informações completas. Uma é que eles estão gerando muito mais dinheiro do que todo mundo acha e do que estão dispostos a falar pra gente. A outra é que estão fazendo muito menos do que qualquer um pensa. E não querem Wall Street examinando embaixo do capô porque isso significaria um choque de realidade bem desagradável. É um dos dois.”

- Advertisement -

Quando perguntado se prefere uma das duas opções, Soderbergh respondeu que aceitaria até a segunda se significasse trabalhar em um ambiente onde sabe o que está acontecendo.

“Se a gente quebrar todas as paredes e descobrir que a matemática do negócio não bate, será uma transformação. Minha sensação – e estou operando numa posição de privilégio aqui – é que quanto mais cedo soubermos, melhor, porque de um jeito ou de outro, precisa ser reconstruído, então por que não começar agora?”

Quanto a inteligência artificial, Soderbergh afirma não se preocupar com a tecnologia. O diretor revelou que usou IA para criar imagens conceituais de um projeto futuro e duvida que seja capaz de replicar o trabalho de humanos em termos de roteiro e direção.

Leia também:  Andreas Kisser explica por que não se tornou jurado do “The Voice Brasil”

Por fim, descreveu como a ideia não faz sentido sob o ponto de vista dos executivos:

“É minha impressão dos executivos com quem trabalho, ou com quem trabalhei, que eles não precisam de mais trabalho. Eles estão sobrecarregados. E a ideia de comandar um departamento gerando material novo, baseado em ideias de IA, que então precisaria ser curado e melhorado por humanos? Eu não faria. Não acho que podemos ser substituídos assim. Não acho.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasSteven Soderbergh: falta de transparência de dados em streaming preocupa mais que...
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda é jornalista formado pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso e cursou Direção Cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Apaixonado por música, já editou blogs de resenhas musicais e contribuiu para sites como Rock'n'Beats e Scream & Yell.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades