Mão forte? O segredo do som de Eddie Van Halen, segundo técnico

Relação entre guitarrista e seu lendário timbre era de amor e ódio, segundo o designer de amplificadores Dave Friedman

Eddie Van Halen pode não estar mais entre nós, mas seu espírito vive nas mãos e na mente de todo guitarrista que ainda procura pelos segredos de seu timbre. Apelidado de “brown sound”, o som característico de seus instrumentos vem sendo destrinchado há décadas.

Em entrevista à Final Resonance TV (transcrição via Killer Guitar Rigs), o lendário designer de amplificadores Dave Friedman falou sobre sua experiência ao trabalhar com o equipamento de Eddie. O vínculo se deu especificamente na época do álbum “Fair Warning” (1981). 

- Advertisement -

Quando perguntado se o segredo estava realmente no uso do Variac, um aparelho utilizado para controlar a voltagem transmitida da tomada para o amplificador – Eddie costumava reduzi-la –, Friedman respondeu 

“Isso é parte do segredo, junto com um amplificador que soe ótimo. Além disso, na época, ele nunca ficava satisfeito em deixar as coisas como estavam. Então, constantemente, mexia nos captadores. Quem sabe com o que ele gravou, sabe? Porque era um constante estado de ‘se tem um knob, ele vai botar no máximo’. É o jeito que ele era. Não sabemos quais captadores estavam em quais guitarras e quando.”

Além do equipamento, Friedman levantou a questão de como Van Halen tinha mãos extremamente fortes, o que representaria o grande segredo de seu som. O designer de amplificadores deu o exemplo de uma entrevista no fim dos anos 1970 que o músico deu para o jornalista americano Steve Rosen.

“Você escuta aquele áudio antigo do Steve Rosen, em que ele está sentado falando sobre ‘Van Halen II’, aí Ed está lhe mostrando as partes limpas. Ele está tocando completamente limpo, mas tem todos os harmônicos e sustain, tudo que fazia com um amplificador.”

Por fim, o designer falou uma impressão que ele tinha da relação de Eddie com seu famoso brown sound:

“O negócio é: o som que todos nós amamos, eu não acho que ele gostava. Acho que sempre estava procurando por algo a mais.”

Brian May e o “brown sound”

Leia também:  Por que internet dificultou sucesso dos guitarristas, segundo Matteo Mancuso

Em entrevista de 2020 à Total Guitar, o guitarrista do Queen, Brian May, falou sobre sua amizade com Eddie Van Halen e aproveitou para destacar quais seriam os grandes segredos do chamado “brown sound”. Por serem próximos, os dois “trocavam figurinhas” o tempo todo.

“Conversamos sobre o que ele chamava de ‘brown sound’. Ele falou que era muito influenciado pela forma como a minha guitarra soava, pela amplitude dela. Ele queria algo daquela forma. E era uma questão de onde colocar o captador, em qual ponto abaixo das cordas. É algo técnico.”

Na visão de Eddie, nenhuma das guitarras vinha com o posicionamento de fábrica adequado para os captadores. Ele, então, fazia essa alteração em todos os seus instrumentos.

“Ficava com um visual bem individual, mas o que realmente tornava o som peculiar era a posição do captador. Era um centésimo de uma polegada de variação para obter o harmônico perfeito e o ‘brown sound’.”

Não era só isso, evidentemente. De acordo com May, também era necessário ter o amplificador correto, mas muito do “brown sound” vinha da posição do captador. E das mãos, é claro.

“Ele já tocou na minha guitarra e eu toquei na dele. E soava como eu tocando na guitarra dele e ele tocando na minha (risos). Isso reforça que, no fim das contas, o som está todo nas mãos. Não importava qual guitarra que Eddie pegasse, soava como ele. Eu já o vi pegar o baixo de Phil Chen e soou como Eddie Van Halen no baixo de Phil Chen! Então, sim, a mão faz a diferença.”

Sobre Eddie Van Halen

Nascido em 26 de janeiro de 1955, em Amsterdã, nos Países Baixos, Eddie Van Halen veio de família musical, visto que seu pai tocava piano, clarinete e saxofone. Mudou-se para os Estados Unidos em 1962.

Leia também:  Sharon Osbourne sabotava shows do Black Sabbath com Tony Martin? Neil Murray comenta

Na década seguinte, formou com seu irmão, o baterista Alex Van Halen, a banda que carregava o sobrenome de ambos. A formação clássica também incluía David Lee Roth nos vocais e Michael Anthony no baixo.

Eddie chamou a atenção com seu estilo de guitarra inovador, introduzindo novas formas não apenas de tocar, como também de configurar e utilizar equipamentos. Além de grande curioso pela parte eletrônica, era também pianista, o que influenciou sua abordagem no instrumento.

Em 1978, o Van Halen assinou um contrato de gravação com a Warner e lançou seu álbum de estreia homônimo, que não demorou a se tornar um sucesso. A partir daí, uma trajetória de sucesso foi consolidada, seja com Roth ou com seu substituto nos vocais, Sammy Hagar.

Além de seu trabalho com o grupo que carrega seu sobrenome, Eddie Van Halen colaborou com outros artistas renomados, como Michael Jackson, Brian May (projeto Star Fleet), Gene Simmons (Kiss), Black Sabbath, Roger Waters, entre outros.

Faleceu em 6 de outubro de 2020, aos 65 anos, após uma longa batalha contra o câncer. Em seus últimos anos, apesar da reclusão e ausência dos palcos, planejou fazer uma turnê final com todos os músicos que haviam passado pelo Van Halen.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesMão forte? O segredo do som de Eddie Van Halen, segundo técnico
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda é jornalista formado pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso e cursou Direção Cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Apaixonado por música, já editou blogs de resenhas musicais e contribuiu para sites como Rock'n'Beats e Scream & Yell.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades