Os 50 maiores artistas canadenses da história, segundo a Rolling Stone

Em tom jocoso, staff da publicação pediu desculpas ao Nickelback por sua exclusão da lista

O Canadá é um dos grandes alicerces de apoio dos principais centros da indústria musical. Seu mercado é um dos mais valorosos do meio. Para tal, também foi preciso produzir muita arte própria de qualidade.

A Rolling Stone elencou os 50 maiores artistas do país em um artigo recém-publicado. O título da matéria, por si só, já é um tanto quanto provocativo: “Desculpe, Nickelback. Aqui estão os 50 maiores artistas canadenses de todos os tempos”.

- Advertisement -

Confira abaixo.

Os maiores artistas canadenses para a Rolling Stone

50. Snow

49. Martha and the Muffins

48. Terri Clark

47. April Wine

46. Daniel Caesar

45. Barenaked Ladies

44. Death From Above 1979

43. Sum 41

42. Peaches

41. Metric

40. k.d. lang

39. PartyNextDoor

38. D.O.A.

37. Alessia Cara

36. Broken Social Scene

35. Nelly Furtado

34. Anne Murray

33. Richie Hawtin

32. Loverboy

31. Godspeed You! Black Emperor

30. Bryan Adams

29. Alvvays

28. Buffy Sainte-Marie

27. Shawn Mendes

26. The Guess Who

25. Japandroids

24. Sarah McLachlan

23. Destroyer

22. Avril Lavigne

21. Feist

20. Sloan

19. Hank Snow

18. The Tragically Hip

17. Justin Bieber

16. Kate and Anna McGarrigle

15. New Pornographers

14. Carly Rae Jepsen

13. Tegan and Sara

12. Arcade Fire

11. Gordon Lightfoot

10. Celine Dion

9. Alanis Morissette

8. The Weeknd

7. Shania Twain

6. The Band

5. Drake

4. Leonard Cohen

3. Rush

2. Neil Young

1. Joni Mitchell

Sobre Mitchell, a revista afirma:

“Joni Mitchel disse ‘É um longo caminho de Saskatoon, Saskatchewan, até o Carnegie Hall!’ à multidão de Nova York em 1º de fevereiro de 1969. Ela não estava nos Estados Unidos há muito tempo, mas logo ficaria tão imersa na cena de cantoras e compositoras da Costa Oeste que os fãs casuais nem perceberiam que ela era canadense. E como seu velho amigo Neil Young – que, quando criança, sofreu do mesmo surto de poliomielite canadense que Mitchell e escreveu ‘Sweet Joni’ sobre uma garota de Saskatoon – ela sempre voltava às suas raízes. A mais óbvia é ‘A Case of You’, onde ela canta: ‘Eu desenhei um mapa do Canadá/Oh, Canadá/Com seu rosto desenhado nele duas vezes’ (para o colega canadense Leonard Cohen). Depois, há ‘For the Roses’, de 1972, um álbum perfeito que Mitchell criou na Sunshine Coast da Colúmbia Britânica, recuperando-se da fama que o disco ‘Blue’ trouxe para ela. Ela finalmente voltou para Los Angeles, mas nunca perdeu de vista seu país natal. Em 1979, no meio de sua carreira, ela refletiu sobre seus primeiros anos passados em cafés canadenses. ‘Nenhum de nós tinha ideias grandiosas sobre o tipo de sucesso que teríamos’, disse ela à Rolling Stone. ‘Naquela época, era realmente um tiro no escuro. Especialmente para um canadense’.”

A respeito de Young, é dito:

“Young deixou o Canadá em 1966, quando dirigiu seu Pontiac ilegalmente pela fronteira dos Estados Unidos e nunca mais voltou. ‘O grande sonho canadense é ir embora’, ele nos disse em 1979. Levaria mais de cinco décadas para obter sua cidadania americana, devido a uma apreensão de drogas em 1968 e à rígida política de imigração do presidente Trump. Mas sabemos que seu amor por seu país natal também desempenhou um papel, como ouvido em pérolas como ‘Helpless’, ‘Ambulance Blues’, ‘Journey Through the Past’ e ‘Far From Home’ (o melhor exemplo é a menos conhecida ‘Don’t Be Denied’, que inclui falas sobre seu pai, Scott Young, um famoso jornalista esportivo e escritor canadense). Alguns de seus shows mais amados e íntimos aconteceram lá, como o de Massey Hall em 1971 e Omemee em 2017. E mesmo em seus momentos mais rock de Los Angeles, o amor por sua casa brilha. Sabe o cachorro da capa de ‘Everybody Knows This is Nowhere’, de 1969? Seu nome era Winnipeg.”

Fechando o pódio com o Rush, a publicação declara:

“Nenhuma banda dos Estados Unidos ou do Reino Unido foi ousada o suficiente para fundir metal e prog nos anos 70 – para alcançar essa fusão gloriosa, precisávamos de um trio da grande terra do Canadá. Se havia algo intrinsecamente canadense no trabalho de Geddy Lee, Alex Lifeson e do falecido Neil Peart, era a maneira como eles deixavam sua música extraordinária ofuscar suas personalidades, tocando algumas das partes mais exibicionistas do rock sem nunca demonstrar nenhum ego. Quando Lifeson solava (pense em ‘Limelight’), Peart e Lee muitas vezes conseguiam deslizar em seus próprios solos por baixo dele. Os dias mais prog do Rush foram nos anos 70, mas eles nunca pararam de inovar – o trabalho com sintetizadores nos anos 80 se mantém como um mundo próprio –, nunca perderam o senso de humor e nunca se apresentaram em nada menos do que o auge de suas habilidades.”

Os comentários sobre as demais escolhas (em inglês, mas nada que um tradutor automático não resolva) podem ser conferidos clicando aqui.

Leia também:  De Alok a Daft Punk, as músicas que Mick Jagger ouve para se exercitar

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesOs 50 maiores artistas canadenses da história, segundo a Rolling Stone
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

7 COMENTÁRIOS

  1. Em uma lista que tem coisas como Bieber e Nelly Furtado não ter NB deve ser frustrante mesmo para os caras, nem devem conseguir dormir a noite mais depois dessa.

  2. Ah, as listas… criadas única e exclusivamente com o intuito de serem contestadas.
    Enfim, põe Rush no topo e o resto (não todo) até importa, mas bem menos…rs

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades