Rock and Roll Hall of Fame está mais democrático, diz Tom Morello

Guitarrista acredita que a instituição está dando espaço para artistas de diversos gêneros e vertentes do rock

Como anunciado no início do mês, o Rage Against the Machine entrará para o Rock and Roll Hall of Fame em 2023. A banda concorreu quatro vezes à entrada, entre 2017 e 2021, até, de fato, conseguir a indução em sua quinta tentativa.

Na opinião do guitarrista Tom Morello, a instituição está cada vez mais democrática. Conversando com A Rádio Rock (via Blabbermouth), o músico comentou que, ultimamente, artistas de diversos gêneros e vertentes do rock estão recebendo atenção por parte do Hall.

“Fiquei satisfeito por finalmente termos entrado em nossa quinta nomeação. Eu gosto do fato de que há um lugar como o Rock and Roll Hall of Fame, que olha para as conquistas e realizações dos artistas de vários gêneros. Ao longo dos últimos anos, acho que o Rock and Roll Hall of Fame se tornou mais democrático.”

- Advertisement -

Para exemplificar, o artista citou o Judas Priest, elegível desde 1999 e introduzido em uma categoria paralela no ano passado, e o guitarrista Stevie Ray Vaughan, reconhecido postumamente (em 2015) pela instituição, junto de sua antiga banda de apoio Double Trouble.

“Artistas de hard rock, que normalmente eram meio marginalizados, agora são bem-vindos, do Rush ao Kiss, passando por Judas Priest e até Stevie Ray Vaughan, que teve problemas para entrar. Então eu acho que é uma boa casa para o Rage Against the Machine, que vai se juntar a algumas das minhas bandas favoritas: Black Sabbath, AC/DC, Public Enemy, The Clash. Serão ótimas companhias.”

Rage Against the Machine surpreso

Em comunicado publicado nas redes sociais e distribuído à imprensa neste mês, os integrantes do Rage Against the Machine agradeceram ao Rock and Roll Hall of Fame pela honraria e disseram ter se surpreendido com a notícia. Diz a nota:

“É um ponto surpreendente da nossa trajetória sermos recebidos no Rock and Roll Hall of Fame. Em 1991, quatro pessoas em Los Angeles formaram um grupo musical para firmar território onde o som e a solidariedade se cruzam.

Escolhemos o nome Rage Against the Machine. Uma banda que é tão conhecida pelos álbuns quanto por nossa feroz oposição à máquina de guerra dos Estados Unidos, supremacia branca e exploração. Uma banda cujas canções levaram o rádio alternativo a novos patamares, enquanto as empresas midiáticas de direita tentavam expurgar todas as músicas que já escrevemos das ondas do rádio. Uma banda que escreveu canções rebeldes em um armazém industrial abandonado no vale que iria mais tarde destronar o monopólio pop ‘X Factor’ de Simon Cowell para ocupar o primeiro lugar nas paradas e ter a música mais baixada da história do Reino Unido. Uma banda que financiou e organizou delegações para incentivar as comunidades zapatistas rebeldes mexicanas a expor a guerra do governo mexicano contra povos indígenas. Uma banda cuja experimentação em fundir punk, rock e hip hop se tornou um gênero próprio. Uma banda que fechou a Bolsa de Valores de NY pela primeira vez em sua história. Uma banda que foi alvo de organizações policiais que tentaram nos banir de arenas lotadas por levantarmos nossas vozes para libertar Mumia Abu-Jamal, Leonard Peltier e outros presos políticos. Uma banda que processou o Departamento de Estado dos EUA por sua prática fascista de usar nossa música para torturar homens inocentes na Baía de Guantánamo.

Muito obrigado ao Hall Of Fame por reconhecer a música e a missão do Rage Against the Machine. Somos gratos a todos os fãs apaixonados, aos muitos conspiradores talentosos com quem trabalhamos e a todos os ativistas, organizadores, rebeldes e revolucionários do passado, presente e futuro que inspiraram nossa arte.”

Leia também:  Brasileiro será o baterista do Mr. Big em shows pela Europa

Rock and Roll Hall of Fame 2023

Além do Rage Against the Machine, também foram induzidos na categoria principal: Willie Nelson, Kate Bush, Missy Elliott, Sheryl Crow, George Michael (o mais votado na pesquisa popular) e The Spinners.

A cantora Chaka Khan, o músico/produtor Al Kooper e o letrista Bernie Taupin serão homenageados na categoria “excelência musical”. Já o pioneiro guitarrista Link Wray e o criador do hip-hop DJ Kool Herc serão reconhecidos pela “influência musical”. Finalizando, o apresentador de TV Don Cornelius, criador do “Soul Train”, leva o prêmio anual Ahmet Ertegun.

A cerimônia acontece dia 3 de novembro no Barclays Center, em Nova York, Estados Unidos. Até o ano passado, a HBO gravava a festa e exibia os melhores momentos na televisão e no streaming em data posterior. Porém, o contrato com a instituição se encerrou e até agora não foi renovado.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasRock and Roll Hall of Fame está mais democrático, diz Tom Morello
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades