5 discos que moldam o som da guitarra atual, segundo a Guitar World

Trabalhos apresentam novas possibilidades para o instrumento em uma época que muitos desconfiavam que tudo já havia sido criado

A guitarra segue sendo o instrumento que mais cativa o público e conduz o rock enquanto estilo. Pensando nisso, a revista Guitar World elencou 5 álbuns recentes que possuem atributos suficientes para representar os guitar heroes da atualidade.

Eis as escolhas com os comentários da publicação.

- Advertisement -

5 discos que moldam o som da guitarra atual, segundo a Guitar World

Nova Twins – “Supernova” (2022)

“Com sua fusão de rap, punk e metal, é tentador comparar a Nova Twins ao Rage Against the Machine – uma observação ajudada pelo próprio Tom Morello, que as classificou como ‘uma banda incrível que merece ser enorme’.

Não é que Amy Love (guitarra) e Georgia South (baixo) soem como o Rage. É que elas têm o mesmo tipo de paixão, energia e originalidade que tornaram a estreia do Rage tão emocionante. Mas a Nova Twins nunca poderia ser de Los Anegeles; elas são do sudeste de Londres e soam assim.

Há acenos para o som britânico e algumas das linhas de baixo mais gordas e sujas já vistas em qualquer lugar. Há também melodias irresistíveis ao lado de enormes riffs fuzz. Sua colaboração 1×1 – com o Bring Me The Horizon – as colocou no mapa e se Supernova não as tornar grandes, há pouca esperança para a humanidade.

O conteúdo exato de suas enormes pedaleiras é um segredo bem guardado, mas tudo, até mesmo os ruídos de sintetizadores analógicos em ‘Cleopatra’ é feito por guitarra e baixo ao vivo. Se as letras do single ‘KMB (Kill My Boyfriend)’ não colocam medo em bandas de rock medíocres, o fato de Nova Twins detonar todas elas deveria.”

Mdou Moctar – “Afrique Victime” (2021)

“De todos os super-heróis da guitarra de hoje, Mdou Moctar tem a melhor história de origem, tendo crescido na zona rural do Níger, construindo sua própria guitarra com latas de sardinha, cabos de bicicleta e madeira sobressalente e aprendendo em segredo para não ofender a sensibilidade de seus pais.

Essa determinação e engenhosidade seriam bem aproveitados quando ele começasse a usar uma guitarra adequada, escolhendo uma Fender Stratocaster através de um Roland Jazz Chorus e alguns pedais criteriosamente escolhidos para tornar seu som de guitarra tuaregue realmente pop. Mas o que é esse som? Moctar tem um ouvido inquieto para composição.

Em Afrique Victime, sua guitarra elétrica é enrolada em torno da batida, dançando fora do caminho de seu vocal. É um fantasma sedutor de um som, convocando o espírito do deserto, dando às suas canções uma presença elétrica que reinterpreta os estilos tradicionais tuaregues como algo não ortodoxo, psicodélico e atemporal.

Gravado na estrada, Afrique Victime soa vivo e vital. O fraseado de mercúrio de ‘Moctar’ fala das possibilidades eternas do instrumento.”

Leia também:  Gibson anuncia linha de guitarras em parceria com Jimmy Page, começando pela doubleneck

Black Midi – “Cavalcade” (2021)

“Com base na guitarra, mas não dominado pela guitarra, o Black Midi é a banda para ouvir se você já teve medo de que não houvesse mais música de guitarra genuinamente surpreendente. Eles fizeram covers de Hendrix e citam o AC/DC como influência, então há uma base firme com grandes nomes da guitarra do rock, mas sua experimentação livre tem as possibilidades ilimitadas do prog e do jazz.

Em Cavalcade, a faixa de abertura ‘John L’ atinge você com golpes sincopados de acordes antes de um riff cromático rodopiante. O canto falado de Geordie Greep às vezes lembra David Byrne do Talking Heads, enquanto a banda é tão aventureira quanto o melhor krautrock. No single ‘Chondromalacia Patella’, Greep aparece como Hendrix tocando funk, movendo-se através de um verso melódico e jazzístico e construindo um feedback uivante e encharcado de fuzz.

‘Slow’ tem um solo de guitarra angular e imprevisível de Greep que tem velocidade e drama sem vestígios de licks convencionais de blues, enquanto há um humor caricatural na maneira como a música se move entre o caos e a melodia em ‘Hogwash And Balderdash’, exemplificado por suas muitas curvas à esquerda.

É brilhante e genuinamente original. Se você gosta disso, há uma onda de pós-punks igualmente imaginativos em seu rastro.”

Covet – “Technicolor” (2020)

“A música de guitarra evoluiu até o ponto em que o tecnicismo de nível de elite se desfez e se transformou em caminhos totalmente novos, onde o virtuosismo pode aumentar cada raiz e ramo da música. Desta nova geração, Yvette Young é inigualável.

O que o Covet toca às vezes é descrito como math-rock, mas – mesmo que a matemática seja um dos poucos modelos de verdade no universo – esses termos parecem um pouco redutivos, ignorando ou minimizando a alma por trás das escolhas de notas de Young. A jovem brinca que toca ‘rock de detalhes’, e há muitos detalhes a serem ouvidos.

O que ela faz com sua Ibanez Talman signature de cor cítrica precisa ser testemunhada pessoalmente ou em vídeo para acreditar. Seu toque com as duas mãos e seu estilo de dedos extraem todo o suco do instrumento, com faixas como ‘Parrot’ servindo sons frescos nunca antes ouvidos.

Aventurando-se no violino e no piano, ela é outro exemplo, se necessário, de que tocar outro instrumento além da guitarra só pode torná-lo melhor. ‘Technicolor’ é hipnótico, desconcertante e afirmativo, com a sensibilidade melódica de Young colocada sobre ritmos de jazz alienígena criando uma conversa que você não pode deixar de ouvir. Não há vocais, mas… parece que há, certo?”

Leia também:  Gibson anuncia linha de guitarras em parceria com Jimmy Page, começando pela doubleneck

King Gizzard & The Lizard Wizard – “Omnium Gatherum” (2022)

“O coletivo australiano de psych-rock é tão cheio de criatividade que apertar o play em qualquer um de seus 20 álbuns de estúdio é submeter-se ao esmagador; abraçar o caos. Ele ainda estará lá quando o registro terminar.

‘Omnium Gatherum’ é um álbum notável, até porque supostamente brotou de recortes e, claro, da jam. ‘The Dripping Tap’ abre com uma jam de 18 minutos que de alguma forma lembra de incorporar um gancho audacioso em meio à corrida febril da instrumentação, culminando com uma supernova de rajada ascendente de guitarra.

Ocasionalmente, os sintetizadores se concentram com um groove espaçado, ou estacionam em uma vibe Prince R&B de sala de estar. Mas então eles giram 180 graus e gravam um metal como ‘Gaia’. Prog, soul, R&B, metal, psych – vale tudo quando a liberdade musical é abundante. Em outra linha do tempo, talvez Frank Zappa tivesse aberto para eles…”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioListas5 discos que moldam o som da guitarra atual, segundo a Guitar...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades