Foto: Leo Aversa

Por que o hip hop tomou a rebeldia do rock, segundo Frejat

“O que aconteceu com o rock em algum momento vai acontecer com o hip hop: venderam picolé com o rock, carro com o rock… isso foi diluindo a rebeldia”, reflete o músico em participação no programa “Faustão na Band”

Durante aparição no programa “Faustão na Band”, no último dia 7 de abril, Roberto Frejat se manifestou sobre a função da música como transformadora da sociedade. E opinou sobre o papel enfraquecido do rock neste contexto, tendo cedido lugar a outro estilo.

“Olha, eu acho que o repertório que a gente fez durante os anos 80 e 90 é muito forte. Acho que ele vai permanecer, mas eu não sinto o rock tão forte nos meios de comunicação. Tem gente fazendo trabalho bom, mas eu acho que o rock sempre representou um pouco de rebeldia, de inquietude. E eu acho que hoje o hip hop tomou o lugar do rock nesse sentido, como uma música de inquietação, que a juventude manifesta essa rebeldia nela.”

Porém, Frejat entende que o ciclo ocorrido com um gênero fatalmente também acabará vitimando o outro.

“O que aconteceu com o rock em algum momento vai acontecer com o hip hop: venderam picolé com o rock, carro com o rock… isso foi diluindo a rebeldia que o rock representava para as pessoas.”

O ex-líder do Barão Vermelho repassou sua história no quadro “Na Pista do Sucesso”, tocando músicas da antiga banda e do trabalho solo.

Barão Vermelho e envolvimento social

O envolvimento social do Barão não ficou apenas restrito às letras questionadoras de Cazuza. No início dos anos 1990, o grupo chegou a se engajar na campanha de vacinação contra o sarampo. À época, o Brasil vivia surtos endêmicos da doença.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
7
Share