Tommy Thayer e Eric Singer concordam com o fim do Kiss? Guitarrista responde

Banda concluiu turnê de despedida "End of the Road" em dezembro do ano passado e continuará ativa nos palcos por meio de avatares

O Kiss encerrou sua trajetória nos palcos em dezembro do ano passado. Depois de 50 anos de atividades, a banda finalizou a turnê de despedida “End of the Road” e anunciou que continuará ativa por meio de avatares.

Desde o início, ficou claro que os “chefes” Paul Stanley (voz e guitarra) e Gene Simmons (voz e baixo), respectivamente com 72 e 74 anos, encabeçaram a decisão. Mas e os outros dois membros?

- Advertisement -

Conversando com o jornal The Sun, o guitarrista Tommy Thayer, integrante oficial do quarteto desde 2002, afirmou que ele e o baterista Eric Singer — ambos mais jovens, respectivamente com 63 e 66 anos — também concordaram com o término. Isso porque seria difícil manter o mesmo nível de performance no futuro, já que, durante os shows, os envolvidos utilizavam figurinos pesados e apostavam em muita pirotecnia para além da música.

“Gene, Paul Stanley, eu e Eric Singer decidimos que, por causa do aspecto envolvido no que o Kiss faz, é um pouco diferente [tocar ao vivo]. É uma performance elevada e fisicamente vai muito além do que os grupos comuns estão fazendo. Foi por isso que decidimos meio que parar enquanto as coisas ainda estavam muito fortes, com a banda ainda sendo ‘muito quente’.”

Porém, em 2019, durante bate-papo com o Review Journal, ele já havia destacado que a ideia, de fato, partiu de Gene e Paul. À época, contou ao veículo:

“Começou com Gene e Paul, obviamente. Eu sabia que eles queriam sair em uma turnê comemorando 45 anos e fazer isso enquanto a banda ainda está em sua melhor forma, enquanto podemos fazer um show tão bem quanto conseguimos.”

Kiss e avatares

No dia 2 de dezembro, em seu último show, o Kiss anunciou que a história da marca será prosseguida através de avatares. As representações virtuais de Paul Stanley (voz e guitarra), Gene Simmons (voz e baixo), Tommy Thayer (guitarra) e Eric Singer (bateria) assumirão a linha de frente em espetáculos que ainda serão devidamente explicados.

Os avatares do Kiss foram criados pela Industrial Light & Magic (ILM), financiados e produzidos pela Pophouse Entertainment. Para a criação de suas versões digitais, os músicos ensaiaram com trajes de captura de movimento. A proposta é retratá-los como super-heróis, mas registrando seus trejeitos ao máximo.

Leia também:  Foo Fighters toca a inédita “Unconditional” em show na Inglaterra

O primeiro show da versão avatar deve demorar um pouco para rolar. De acordo com um vídeo publicado pela banda nas redes sociais, a apresentação inaugural acontecerá em 2027.

Outros projetos

A “New Era” do Kiss contempla outras iniciativas um pouco mais convencionais — e, em maioria, já conhecidas do público. A banda dará sequência a seu museu em Las Vegas, inaugurado em 2022, bem como ao cruzeiro Kiss Kruise.

A cinebiografia “Shout it Out Loud” segue em produção e a ideia é lançá-la em 2024. A história do grupo será contada em seus primeiros anos, até o estouro com o álbum “Alive!”, em 1975.

A obra é uma parceria com a Netflix, que se encarregará da promoção e distribuição. O norueguês Joachim Rønning (“Malévola: Dona do Mal”, “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar”, “A Aventura de Kon-Tiki”) é o diretor. O roteiro é assinado por Ole Sanders.

Sobre Tommy Thayer

Nascido em Portland, Oregon, Estados Unidos, Thomas Cunningham Thayer é filho de uma cantora clássica/violinista com um militar de reserva, empresário e líder comunitário. Começou a carreira tocando em bandas locais.

Seu primeiro momento de destaque ocorreu no Black ‘N Blue. Lançou 4 álbuns de estúdio, produzidos por Dieter Dierks, Bruce Fairbairn e Gene Simmons. Apesar de não ter feito tanto sucesso, o grupo se tornou um nome respeitado entre os fãs do hard rock oitentista.

A partir do final dos 1980, passou a se envolver com os bastidores do Kiss, atuando tanto na parte empresarial como na função de compositor. Assinou faixas nos álbuns “Hot In The Shade” (1989), “Carnival Of Souls: The Final Sessions” (1997) e “Psycho Circus” (1998) – tendo gravado passagens nesse último. Em 2002 substituiu Ace Frehley no posto de guitarrista, permanecendo até o final.

Seu currículo também conta com gravações ao lado de Jimmy Barnes, Doro Pesch, Loverboy, Medicine Wheel, Shake The Faith e Harlow, entre outros.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasTommy Thayer e Eric Singer concordam com o fim do Kiss? Guitarrista...
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades