Battle Beast entrega diversão sem limites a público reduzido no Summer Breeze

Em dia pouco atrativo para fãs de power metal, banda finlandesa empolgou quem esteve no Sun Stage em sua estreia no Brasil

Na virada do milênio, o Brasil — ou, pelo menos, São Paulo — se consolidou como um dos principais mercados do power metal no mundo, passagem obrigatória das turnês dos seus grandes nomes. O fato de ter levado mais de dez anos desde o trabalho de estreia para o Battle Beast pisar por essas terras mostra que, apesar de permanecer entre os que mais ouve o gênero globalmente, o país não acompanhou as novidades da cena e parou no tempo.

Depois de trazer a “dissidência” Beast in Black no ano passado, o Summer Breeze promoveu a estreia do “original finlandês” no Brasil. Porém, não os escalou para o sábado (27), o dia com as bandas mais atrativas para os fãs do estilo, e sim no domingo (28).

- Advertisement -
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

Assim, enquanto o Overkill — com participação do ex-Megadeth David Ellefson — abarrotava o Ice Stage, o Battle Beast juntou o menor público entre os shows que este repórter presenciou no ótimo Sun Stage. O cenário provavelmente se inverteria na véspera.

No palco, o Battle Beast abusou da névoa de gelo seco, que pouco acrescentou à atmosfera irresistivelmente cativante de seu show sob um sol desgraçado. Isso quando a fumaça não irritava os olhos e tirava o foco da fantasiada vocalista Noora Louhimo, de potência vocal e carisma inegáveis, ou tornava quase invisível Janne Björkroth, com seu “teclado-polegar” — para os jovens leitores deste site, referência a uma boy band dos anos 80, similar ao primeiro grupo de Kiko Loureiro, no qual o tecladista Alan Frank empunhava seu instrumento como se fosse uma guitarra.

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

A banda finlandesa equilibrou seu repertório com canções do disco mais recente, “Circus of Doom” (2022), cuja faixa título abriu o show, e de “Bringer of Pain” (2017), que contém a veloz segunda música do set, “Straight to the Heart”, responsável por “destravar” de vez público presente no Sun Stage.

Mesmo em faixas com aquele pique de hit power metal, como “Bastard Son of Odin”, o grupo conseguia manter um certo groove AOR de “trilha do Rocky Balboa treinando”, muito mais normal em faixas cadenciadas do porte de “Familiar Hell”. Para o público ocasional, podia parecer ridículo e maçante bom, um vocalista maquiado dando falsetes satânicos também seria —, mas os fãs não pararam de pular, bater palmas e cantar.

Leia também:  Sepultura anuncia show da turnê de despedida no Rio de Janeiro

Apesar de se apresentar como um sexteto e quase todo mundo ter microfones à sua frente para fazer os vocais de suporte, coros brega ao extremo como os de “Where Angels Fear to Fly” deixaram a impressão de um show recheado de bases pré-gravadas. Isso, porém, não fez a banda deixar de soar espontânea.

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

Os finlandeses se disseram surpreendidos com o insalubre calor seco do domingo, mas o comunicativo baixista Eero Sipilä jurou querer voltar todo ano nos próximos cem anos. Não tinha como ser diferente ao ver o público cantar alto praticamente todos os refrãos, principalmente naqueles momentos quando a banda deixava os coros dos fãs em destaque, como após o solo em “Eden”, uma das duas faixas executadas de “No More Hollywood Endings” (2019).

Depois de encerrar o show com a elétrica “Beyond the Burning Skies”, a banda se despediu com aquela tradicional foto com o público empolgado atrás. No sistema de som, tocava o tema de “Top Gun”, porque breguice e diversão não têm limites.

**Este conteúdo faz parte da cobertura Summer Breeze Brasil 2024 — clique para conferir outras resenhas com fotos e vídeos.

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

Battle Beast — ao vivo no Summer Breeze Brasil 2024

Repertório:

  1. Circle of Doom
  2. Straight to the Heart
  3. Familiar Hell
  4. No More Hollywood Endings
  5. Eye of the Storm
  6. Where Angels Fear to Fly
  7. Bastard Son of Odin
  8. Wings of Light
  9. Eden
  10. Master of Illusion
  11. King for a Day
  12. Beyond the Burning Skies
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasResenhas de showsBattle Beast entrega diversão sem limites a público reduzido no Summer Breeze
Thiago Zuma
Thiago Zuma
Formado em Direito na PUC-SP e Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, Thiago Zuma, 43, abandonou a vida de profissional liberal e a faculdade de História na USP para entrar no serviço público, mas nunca largou o heavy metal desde 1991, viajando o mundo para ver suas bandas favoritas, novas ou velhas, e ocasionalmente colaborando com sites de música.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu estava lá – bem na frente do palco – e digo sem reservas que foi o melhor show do dia pra mim. Na verdade, entra no meu top 10 com 2 shows do black sabbath e um do Rush.

    Em condições muito distantes das ideais, o show foi feito para os fãs e deixou bem claro que a banda pode ser contratada sem medo – pelo menos num Carioca Club ou sesc belenzinho.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades