Mercyful Fate faz história ao transformar Summer Breeze em templo satânico

Banda dinamarquesa executou repertório lotado de clássicos em show digno de headliner no Hot Stage

Não havia uma música melhor para encerrar a longa e infernalmente quente segunda edição do Summer Breeze Brasil 2024 do que “Satan’s Fall”, um épico de dez minutos do Mercyful Fate. Em uma produção de palco que transformou o Hot Stage num templo satânico — com direito a altar, pentagrama e cruz invertida —, foi emocionante ver King Diamond finalmente dar o acompanhamento visual adequado à música demoníaca de sua clássica banda.

Em sua última passagem pelo Brasil, quase 25 anos atrás, o Mercyful Fate tocou em São Paulo no Sandalia de Prata, uma gafieira rebatizada de “Halloween Club” apenas para o show numa sexta-feira treze. Época em que se tratava King Diamond como uma piada ultrapassada, sujeitando-o a uma jornada dupla no calor assombroso das duas da tarde no Pacaembu durante o Monsters of Rock de 1996.

- Advertisement -
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

O que se viu no Hot Stage do Summer Breeze em 2024 foi o grupo, em pouco menos de uma hora e meia, ser sucinto ao mostrar no palco o motivo de seus dois primeiros discos, “Melissa” (1983) e “Don’t Break the Oath” (1984) — além do EP homônimo de 1982 —, sempre terem integrado o panteão de melhores e mais influentes álbuns de heavy metal em todos os tempos.

Quando a cortina com o logo do Mercyful Fate que cobria o palco do Hot Stage caiu dez minutos depois do horário marcado, King Diamond apareceu sem sua tradicional cartola, substituída por uma máscara com os chifres de bode de Baphomet. O vocalista literalmente renegou Jesus Cristo nos primeiros versos de “The Oath” e deu o tom profano do ritual que se seguiria com “A Corpse Without Soul”, incluindo um solo épico de Hank Shermann, único membro original da banda que permanece ao lado do vocalista nessa nova fase.

Ao lado da dupla da formação clássica, seguem o baterista Bjarne T. Holm e o guitarrista Mike Wead, que já faziam parte da banda quando esta entrou em hiato no final dos anos 1990. A novidade é a baixista inglesa Becky Baldwin, que passou a integrar oficialmente o grupo neste ano, após Joey Vera (Armored Saint, Fates Warning, entre muitas e muitas outras) ter iniciado a turnê de retorno em 2022 ocupando o posto do saudoso Timi Hansen, falecido em 2019.

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

Mesmo com um time entrosado, King Diamond sabe que este novo reinado não se sustenta só com nostalgia e fez questão de incluir uma música nova em um repertório formado só por clássicos dos três trabalhos citados. A longa, sinistra e sinuosa “The Jackal of Salzburg”, ainda sem uma versão de estúdio, obviamente despertou mais curiosidade do que excitação na plateia, que mantinha cheia a pista do Memorial da América Latina.

Leia também:  Roland Grapow anuncia série de shows no Brasil para julho

Feito o breve interlúdio com uma prévia do futuro do Mercyful Fate, a atmosfera ficou quente novamente com as pesadas “Curse of the Pharaohs”, “A Dangerous Meeting” e “Doomed by the Living Dead”. Na quase-balada “Melissa”, King, já devidamente coroado, mostrou todo o seu potencial performático que se tornaria a marca registrada de sua carreira solo.

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

A trinca final da apresentação, com “Black Funeral”, “Evil” e “Come to the Sabbath”, foi o teste de resistência para ver quem ainda tinha voz para seguir os falsetes de King Diamond. O cantor chegou até a brincar dizendo estar num dia apenas “ok”, e o empolgado público cantava melhor do que ele, antes de executar a icônica faixa de abertura do álbum “Melissa” em jogral com a plateia.

A pausa para o bis foi mais longa do que o usual em shows de festival, antes de a banda atender aos cânticos do público gritando “MER-CYFUL-FATE… MER-CYFUL-FATE…” e voltar com “Satan’s Fall”, encerrando o terceiro dia e a segunda edição do Summer Breeze Brasil. Feitas as despedidas, King Diamond prometeu voltar em breve, mas demorou a deixar o palco. Talvez estivesse passando um filme em sua cabeça ao ver a multidão embasbacada deixando o Memorial da América Latina após uma apresentação inesquecível.

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

**Este conteúdo faz parte da cobertura Summer Breeze Brasil 2024. Algumas atrações terão resenhas + fotos publicadas primeiro. A cobertura completa, de (quase) todas as atrações, sairá nos próximos dias.

Mercyful Fate — ao vivo no Summer Breeze Brasil 2024

Repertório:

  1. The Oath
  2. A Corpse Without Soul
  3. The Jackal of Salzburg
  4. Curse of the Pharaohs
  5. A Dangerous Meeting
  6. Doomed by the Living Dead
  7. Melissa
  8. Black Funeral
  9. Evil
  10. Come to the Sabbath

Bis:

  1. Satan’s Fall

Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox
Foto: Gustavo Diakov / @xchicanox

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasResenhas de showsMercyful Fate faz história ao transformar Summer Breeze em templo satânico
Thiago Zuma
Thiago Zuma
Formado em Direito na PUC-SP e Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, Thiago Zuma, 43, abandonou a vida de profissional liberal e a faculdade de História na USP para entrar no serviço público, mas nunca largou o heavy metal desde 1991, viajando o mundo para ver suas bandas favoritas, novas ou velhas, e ocasionalmente colaborando com sites de música.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades