Whom Gods Destroy prossegue história do Sons of Apollo em “Insanium”

Grupo comandado por Ron “Bumblefoot” Thal e Derek Sherinian mantém veia prog metal do supergrupo anterior

Muitas dúvidas seguem sobre o que realmente ocasionou o fim do Sons of Apollo. A resposta mais óbvia reside no fato de que Mike Portnoy voltou ao Dream Theater. Realmente, a sonoridade com muitas características semelhantes parecia não permitir que fizesse muito sentido a coexistência das bandas, como o vocalista Jeff Scott Soto chegou a enfatizar recentemente.

Alguns argumentarão que seria mais fácil simplesmente buscar outro baterista e seguir adiante. Porém, há muitas questão do ponto de vista dos negócios e do criativo que podem ter inviabilizado uma saída simples. Além disso, o baixista Billy Sheehan também parecia não estar mais priorizando o supergrupo, fazendo com que metade dos instrumentistas fossem considerados cartas fora do baralho.

- Advertisement -

Ainda assim, Portnoy veio a público oferecer outra versão. De acordo com o baterista, sua agenda cheia de compromissos fez com que o espaço reservado aos filhos do rival do Rocky (ok, infame) coincidisse com a pandemia. No momento da reabertura para os shows, outros projetos e bandas atravessaram o caminho, inviabilizando um ajuste que acabasse sendo justo para todos. Acontece, é a realidade do músico em tempos atuais.

Coube ao guitarrista Ron “Bumblefoot” Thal e ao tecladista Derek Sherinian organizar outro quinteto que pudesse seguir a veia sonora. A eles se juntaram o baterista brasileiro Bruno Valverde (Angra), o vocalista croata Dino Jelusick (Whitesnake) e o baixista japonês Yas Nomura (The Resonance Project). Com um lineup competente e sem tantos medalhões, o resultado foi “Insanium”, álbum a ser lançado no próximo dia 15 de março.

Leia também:  A diferença entre Robert Plant e Paul Rodgers, segundo Jimmy Page

Musicalmente, a proposta não foge do que vinha sendo feito, mas também não soa como mera continuação – nem teria como, vide o fato de o estilo praticado ser bastante amplo e com as referências pessoais tendo muita influência no resultado. De qualquer modo, faixas como a de abertura, “In the Name of War”, não deixarão os fãs da banda anterior na mão.

“Over Again” injeta peso com um toque de modernidade na produção e mostra que Dino Jelusick consegue oferecer uma performance mais agressiva em comparação a Soto. Porém, a versatilidade do cantor americano – que segue com Bumblefoot no Art of Anarchy – acaba fazendo falta ao longo da audição. Em “The Decision” temos um excelente trabalho coletivo, com teclados trazendo claros ecos oitentistas e a cozinha segurando as alternâncias de forma magistral. O melhor momento do play.

As características mais heavy e contemporâneas reaparecem em “Crawl”, com eficientes quebras rítmicas no arranjo. A intimista “Find My Way Back” abre com Hammond e nos lembra o que levou David Coverdale a recrutar Jelusick para o Whitesnake. O momento mais acessível de todo o álbum dá lugar a “Crucifier”, com muitos elementos de metal no microfone, além do instrumental baseado na nave-mãe da empreitada, o já citado Dream Theater.

O rock pesado mais convencional também dá as caras em “Keeper of the Gate”, que poderia ter saído de um disco do Rainbow nos anos 1970 ou até dos primórdios do Dio. A curta – para os padrões aqui estabelecidos – instrumental “Hypernova 158” e um show de virtuosismo. Encerrando o tracklist convencional – a edição deluxe traz ainda a bônus “Requiem” – temos a canção que dá título à obra. Seus oito minutos e meio dão uma espécie de resumo do que é proporcionado e poderia até ter sido colocada no início do tracklist, pois funciona como um bom cartão de visitas.

Leia também:  Os maiores diferenciais do Pearl Jam, segundo o produtor Andrew Watt

Em linhas gerais, “Insanium” soa como um bom começo para o Whom Gods Destroy. É inevitável fazer a comparação com o Sons of Apollo. É, sim, um prosseguimento, mas contando com impressões digitais próprias. Claramente a liderança de Bumblefoot e Sherinian os coloca em um patamar acima dos colegas de forma que não acontecia anteriormente. Que os próximos possam ser mais equilibrado nesse ponto, até porque os envolvidos possuem talento suficiente para tal.

*“Insanium” será lançado no próximo dia 15 de março, pela InsideOut Music. Clique aqui para mais informações.

Whom Gods Destroy – “Insanium”

  1. In the Name of War
  2. Over Again
  3. The Decision
  4. Crawl
  5. Find My Way Back
  6. Crucifier
  7. Keeper of the Gate
  8. Hypernova 158
  9. Insanium

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasResenhas de discosWhom Gods Destroy prossegue história do Sons of Apollo em “Insanium”
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades