Por que o som das bandas brasileiras no 1º Rock in Rio era ruim, segundo Medina

Empresário e criador do evento apontou que problema estava na operação das mesas de som e que "tudo naquela edição foi um aprendizado"

Rita Lee participou da primeira edição do Rock in Rio, em 1985, e teceu uma série de críticas ao festival. Durante entrevista para Marília Gabriela, concedida em 1991, a saudosa cantora afirmou que houve um descaso da organização com os artistas brasileiros, usados de cobaia para testes e, ainda, colocados em horários e estruturas menos privilegiados. 

Em relação à qualidade do som inferior quando comparada à dos cantores e bandas internacionais, há uma justificativa, segundo Roberto Medina. O empresário e criador do evento explicou em entrevista a jornalistas selecionados pela produção (via O Globo) que o problema estava nos operadores de som do país, que à época não entendiam como funcionavam os equipamentos trazidos pelos estrangeiros.

- Advertisement -

Para exemplificar, citou a apresentação realizada pelos Paralamas do Sucesso em que tudo correu bem, justamente pelo conhecimento de um membro da equipe envolvida. Ele disse:

“Eu briguei muito com os americanos por isso: por que o som das bandas brasileiras era tão menor? Como não tinha controle, só podia brigar mesmo. Pois numa rede social vi outro dia um sujeito contando que ele fazia o som dos Paralamas do Sucesso na época. E que os operadores brasileiros não sabiam mexer na mesa muito mais sensível dos americanos, que nunca tinham visto aquilo. Eles pegavam então o limite de som que ficava suportável para não ter risco de explodir e ia assim. Mas, como os caras sabiam que esse sujeito conhecia o equipamento, ele pôde mexer. Daí o som dos Paralamas. Tudo naquela edição foi um aprendizado.”

Além da banda e da própria Rita, nomes nacionais como Ney Matogrosso, Lulu Santos, Erasmo Carlos, Kid Abelha, Alceu Valença, Barão Vermelho e Gilberto Gil integraram o lineup. Já internacionalmente, Queen, Ozzy Osbourne, Iron Maiden, Scorpions, AC/DC e Whitesnake figuraram entre as atrações.

Leia também:  Led Zeppelin era melhor em estúdio ou ao vivo? John Paul Jones comenta

Operador de som complementa

Anteriormente, Framklim Garrido, um dos responsáveis pela operação sonora da edição inaugural, fez o apontamento. Conversando com o podcast Corredor 5 (transcrição via Whiplash), o profissional relatou que os equipamentos da produção internacional eram muito diferentes do que os brasileiros estavam acostumados, como também a própria rotina pré-shows.

“Fiz uns seis artistas e colaborei também com o Paralamas do Sucesso. O cara que fazia a operação de monitor era o mesmo do The Police, então ele percebeu que as bandas eram semelhantes e rolou tranquilo. Nós brasileiros não tínhamos hábito de fazer passagem de som. Havia confusão porque nosso lado técnico e de produção não era tão profissional. Havia confusão entre o que era ensaio do artista e o soundcheck da parte técnica.”

Ainda de acordo com Garrido, não houve qualquer sabotagem por parte dos funcionários do exterior. Ele disse:

“As bandas brasileiras faziam o check do almoço para frente e os headliners eram de manhã. Eu mal tinha tempo de dormir! Era uma mesa para cada artista. Nós não tínhamos experiência com aquele tamanho de P.A. Certa vez, liguei o som e veio alto para caramba! Aprendi e diminuí na hora! Já ouvi pessoas dizendo que os gringos estavam sabotando as bandas brasileiras. Isso é lenda.” 

Sobre o Rock in Rio 2024

O Rock in Rio 2024 acontece nos dias 13, 14, 15, 19, 20, 21 e 22 de setembro, na Cidade do Rock, no Rio de Janeiro. A edição marca os 40 anos de história do festival, terá sua venda geral pelo site da Ticketmaster no dia 23 de maio.

Leia também:  O grande problema do Black Sabbath em “Headless Cross”, segundo Iommi

Pela primeira vez, o Palco Sunset terá a mesma boca de cena que o Palco Mundo. Este, por sua vez, contará com megaestrutura de 104m de frente e 30m de altura.

A Cidade do Rock também contará com uma nova área: o Global Village. Esse novo espaço de entretenimento deve ocupar 7.500 m² da Cidade do Rock e, além de shows, contará com cenografia inspirada em ícones arquitetônicos de todo o mundo — onde as pessoas poderão andar por uma longa via, entrar em lojas e experimentar pratos de diversos países.  

Confira o lineup até o momento.

13/09:

  • Palco Mundo: Travis Scott | Matuê com part. Wiu e Teto

14/09:

  • Palco Mundo: Imagine Dragons | OneRepublic | Zara Larsson | Lulu Santos

19/09:

  • Palco Mundo: Ed Sheeran | Charlie Puth | Joss Stone | Jão
  • Palco Sunset: Gloria Groove

20/09:

  • Palco Mundo: Katy Perry | Cyndi Lauper | Ivete Sangalo
  • Palco Sunset: Iza | Gloria Gaynor | Tyla | Luedji Luna convida Tássia Reis e Xênia França
  • New Dance Order: Alison Wonderland
  • Global Village: Angélique Kidjo

22/09:

  • Palco Mundo: Shawn Mendes | Ne-Yo
  • Palco Sunset: Mariah Carey

Sem data:
Ludmilla
Os Paralamas do Sucesso
Luísa Sonza

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasPor que o som das bandas brasileiras no 1º Rock in Rio...
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades