O hit do Queen que Freddie Mercury adorou, mas Roger Taylor odiou

Música faz parte do álbum “The Game” (1980) e teve processo de gravação guiado pelo baixista John Deacon

Lançado em 1980, “The Game” é um dos álbuns mais bem-sucedidos do Queen. O disco, marcado pelo uso de sintetizadores, foi o único da banda a alcançar o primeiro lugar da principal parada americana, Billboard Hot 100. Só nos Estados Unidos, vendeu mais de quatro milhões de cópias. 

O trabalho inclui os singles “Crazy Little Thing Called Love”, “Save Me”, “Play the Game” e “Need Your Loving Tonight”, além de um hit que Freddie Mercury adorava, mas que Roger Taylor era contra: “Another One Bites the Dust”.

- Advertisement -

Conversando com a Guitar World, Brian May explicou que o processo de criação da faixa em questão fugiu do convencional. Isso porque o baixista John Deacon, compositor da canção, tomou a frente da gravação e quis testar novos elementos, como também guiar os colegas – o que não deixou o baterista muito contente. 

Ele declarou:

“Bem, para começar, acho que não participei da parte criativa. Porque Deacon estava determinado a conseguir o que queria. Então, a guitarra base é dele, não minha. E ele queria que a bateria de Roger tivesse um som meio disco. Então Roger, relutantemente, tocou de maneira meio apertada e Deacy fez uma gravação em loop disso. Deixou de ser natural nesse ponto. Ainda assim, soou bonito. Deacy fez o baixo, Deacy fez a base.”

Segundo o seu relato, Deacon até mesmo ajudou o saudoso vocalista na gravação:

“Deacon trabalhou com Freddie nos vocais. Deacy não cantava, então ele falava para Freddie qual era a letra e ia tocando a música na guitarra. Foi um processo bastante estranho, mas Freddie absolutamente adorou. Ele entrou nisso com força total. E cantou até sangrar! Ele estava indo ao limite para conseguir alcançar aquelas notas altas e adorou.”

Insatisfação

Enquanto tudo corria bem com Freddie, os outros músicos estavam insatisfeitos. No caso de Roger, o problema morava na sonoridade da música, que, para ele, distanciava-se do rock. 

Leia também:  Polícia prende quadrilha que planejava roubar casa de Nando Reis

“Para ser honesto, não estava funcionando muito para o resto de nós. Roger na verdade não queria ter essa música no álbum. Era muito funk e pouco rock para ele, ele não gostou. Eu estava um pouco em cima do muro. Eu meio que gostei, mas obviamente não era o tipo de rock que eu criaria. Lembro de dizer: ‘olha, precisa de algo um pouco mais sujo.”

Por isso, May optou por acrescentar uma guitarra distorcida à canção, com o intuito de mudar um pouco a pegada:

“Então comecei a tocar partes da guitarra mais grungy. Não acho que a palavra ‘grungy’ existisse naquela época, mas a guitarra distorcida sou eu tocando e isso dá outra dimensão para a música, a leva para um lugar um pouco mais voltado ao rock.”

Queen e “Another One Bites the Dust”

Inspirado pela canção “Good Times”, do grupo americano Chic, e os tempos passados juntos com os músicos durante o auge da era disco, John Deacon pegou a linha de baixo de Bernard Edwards e fez uma versão ameaçadora dela. Ele ainda gravou piano e guitarras para a canção, enquanto Roger Taylor fez algo impensável, suavizando o som de sua bateria e criando um loop. Assim nasceu “Another One Bites the Dust”.

Leia também:  Megadeth faz show acústico para fãs fora de hotel na Argentina

Numa entrevista para a Guitar World em 1993, Brian May contou sobre o processo:

“Estávamos tentando o som de bateria enorme: você sabe, bem pomposo do nosso jeito normal. E Deakey fala: ‘não, eu quero que isso seja completamente diferente: é para ser um som de bateria bem apertado’. Foi feito originalmente em cima de um loop de bateria – isso foi antes dos tempos da bateria eletrônica. Roger fez um loop meio que sob protesto porque não gostava do som de baterias gravadas desse jeito. E então Deakey botou o groove. Imediatamente Freddie ficou empolgado e falou: ‘Isso é grande! Isso é importante! Eu vou passar muito tempo com isso’.”

“Another One Bites the Dust” só saiu como single dois meses após o lançamento de “The Game”, a conselho de ninguém menos do que Michael Jackson. A canção estava tocando em todas as rádios R&B de Nova York e o grupo se viu na posse de um hit crossover em potencial. 

Quando finalmente saiu como compacto, tornou-se a segunda canção do grupo a chegar ao topo das paradas americanas. Não só isso: atingiu a primeira posição das paradas de R&B, abrindo o Queen a um público completamente novo.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO hit do Queen que Freddie Mercury adorou, mas Roger Taylor odiou
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

1 COMENTÁRIO

  1. É… Mas, quatro anos depois, o próprio Roger Taylor compôs “Rádio Ga Ga” com características bem semelhantes à “Another One Bites the Dust”. Uma espécie de gozação, pois a letra é exatamente uma crítica a este tipo de música que era muito tocada no rádio. Só que virou hit também, com Roger Taylor querendo ou não. Mas as duas músicas passaram muito bem no teste do tempo. Show…

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades